Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Velha política x nova política se confrontam em debate

Foto: UAI | EM | Jair Amaral

Para quem esperava um encontro tenso, especialmente, em função dos últimos dias desta caminhada rumo ao Governo de Minas Gerais, o debate acabou sendo ameno entre os dois concorrentes. Uma ou outra alfinetada, de um lado e do outro, parecendo aqueles clássicos de futebol que só será decidido depois de algumas partidas. Um estudando o outro, ou mesmo respeitando o outro.

A bem da verdade é que o confronto final que tirou o atual governador do percurso, está polarizado entre duas candidaturas conservadoras. Minas Gerais, considerando até mesmo o resultado da eleição presidencial e comparado com os números de 2014, fez opção diferente nestas eleições. Anastasia e Zema são candidatos com propostas até similares, por mais que divirjam – convenientemente – em função da disputa pelo voto dos mineiros.

Durante toda a semana, convivemos com uma série de denuncias – como não tem autor, podemos então afirmar que são Fake News – atingindo a candidatura do novato Romeu Zema. Interessante, que no primeiro turno, os tucanos sinalizavam querer uma proximidade com o Novo.

Foto: UAI | EM | Juarez Rodrigues

Seguramente, pela surpresa inesperada, Zema vai ao segundo turno, chegando à primeira colocação. Então, de repente, passou a ser acusado, taxado e atacado por questões até então desconhecidas.

Numa delas, seguramente a mais grave, açodadamente – embora a campanha tucana ter afirmado nada ter a ver com o fato – vem sendo insistentemente sustentada por dois parlamentares afinados com o senador Anastasia. Seria uma espécie de digital de que a tentativa surgiu, sim, do comando da campanha do PSDB. Foi, até reconhecido por parlamentares tucanos, um tiro no pé.

Não tenho procuração e tampouco quero aqui fazer apologia em defesa do concorrente, que além de conterrâneo, tem laços parentesco comigo, mas a acusação é descabida e evidentemente tem a única intenção eleitoreira. Tanto que, sequer teve a repercussão imaginada. Desde sexta-feira da semana passada, uma fonte ligada aos tucanos, comemorava a “bomba atômica” guardada para sair na ultima semana. Uma matéria de jornal mudou a estratégia e minou a intenção.

UAI | EM | Gradyston Rodrigues

Considerações sobre o debate

De volta ao debate, como disse acima, foi uma espécie talvez de preliminar do que ainda teremos pela frente. Romeu Zema começou demonstrando certa insegurança, até porque não tem o hábito e a experiência de seu concorrente.

A partir do terceiro bloco, quando responderam perguntas de jornalistas, o candidato de Araxá se firmou e foi mais contundente. Tanto no enfrentamento, embora tímido, quanto ao explicar algumas propostas que vinham sendo deturpadas pelos apoiadores do PSDB.

De seu lado, Antônio Anastasia, professor e de palavra fácil – um orador reconhecido – não demonstrou apetite para a disputa. Quem acompanhou suas duas eleições anteriores, a primeira para o governo, enfrentando Hélio Costa e a outra para o Senado, pôde perceber certa apatia no debate.

Quanto tinha tudo para atacar o adversário e suas propostas, recolhia a observações amenas sobre sua passagem pelo cargo. Insistiu em dizer ao candidato adversário para estudar e Zema contra atacava como sendo um bom aluno, disposto a rever conceitos e adaptar suas propostas à realidade.

Para quem assistiu embates desde os tempos de PSD x UDN, depois
Arena x MDB e recentemente PT x PSDB, o clima nas ruas está muito mais quente nas atuais eleições que os candidatos mostraram cara a cara ontem no debate.

Vale dizer, a militância, se é que o partido do Zema possui, está muito mais engajada que os principais atores. A disputa, afinal, está entre dois gestores. Um ex-governador, que tenta se desvencilhar ainda do seu criador Aécio Neves, e um empresário vitorioso que acredita em sua experiência privada para recolocar Minas Gerais em trilhos que já caminhou no passado.

2 thoughts to “Velha política x nova política se confrontam em debate”

  1. ” Se não fosse o senador Antônio Anastasia nós hoje estaríamos com o Lula eleito em primeiro turno e a presidente Dilma Rousseff preparando-se para entregar a faixa presidencial ao companheiro. Ou você se esqueceu que foi o brilhante trabalho do relator do processo, AA, um dos maiores responsáveis pelo impeachment? Impecável, impedindo qualquer tentativa de escapulida, rico em detalhes, perfeito tecnicamente, enfrentando meses e meses de estudos e dedicação, e durante o julgamento com a resposta sempre pronta, firme e educada. Ah se não fosse ele!????
    E agora só porque ele é do mesmo partido do Aécio, você o recusa como candidato ao governo de Minas? Mas então pune-se a mãe pelo filho viciado, culpa-se o pai pelo assassinato cometido pelo filho? E sabe por que ele é candidato? Porque é correto e íntegro, largou o conforto da cadeira no senado para se sacrificar pelo partido, mesmo sabendo que o partido tem um bandido chamado Aécio. No lugar dele você deixaria o senado???????
    E quem é Romeu Zema? Onde ele estava quando batíamos panela, cansados de tantos desmandos e corrupção? Em que palanque ele subia, quantas camisas amarelas suou no meio do povo? Ficou rouco de gritar “Fora Lula”? Ah, ele é bom porque é novo, é contra-tudo-isso-que-está-aí. E quem falou que ser novo é bom? Aliás, o nome do partido é de um oportunismo chocante. Daqui a cinco anos o Novo continuará sendo Novo? Daqui a 20 anos, ainda será Novo ou terá desaparecido porque, velho, teve reumatismo e foi cuidar dos males da velhice? E o povo acha lindo votar em um candidato Novo. Se o partido chamasse “Sábio” talvez tivesse meu voto. Porque sábio não tem idade nem partido.????
    Eu não quero o Novo. Quero um Sábio. Um político que, fazendo parte disso-tudo-que-está-aí não se contaminou, continuou honesto, brilhante, trabalhador e agora precisa de mim como eu precisei desesperadamente dele durante o impeachment. Eu não voto em quem nunca fez nada pelo meu estado e aparece, de repente, sem experiência alguma, mostrando como maior qualidade ser Novo. Entre um funcionário com larga experiência e um que nunca tivesse exercido a função, você contrataria quem para sua empresa? O inexperiente???
    Eu não voto no Zema. Eu não voto no Aécio. Eu voto no Antônio Anastasia.
    Sílvia Montenegro, jornalista

    1. Caríssima Silvia.
      A senhora nesse texto brilhante se mostrou conhecedora de toda a materia.
      Falou o que muitos não sabiam.
      Parabéns. Também vou de Anastasia. Não porque simplesmente me simpatizo com ele, mas pela sua capacidade de gerir um sistema fracassado, ou seja, um estado falido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.