Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A sucessão teve surpresas que já estavam desenhadas

Foto: UAI | EM

A semana foi bem movimentada na sucessão mineira. A terceira via, que era propriedade incontestável de Márcio Lacerda, desceu a ladeira. Terceira opção sim, mas longe de ameaçar aos líderes, tanto que ele sequer esperou a decisão da Justiça Eleitoral para bater em retirada. O quadro agora ficou ainda mais complexo, embora – aparentemente – não altere as duas primeiras colocações.

Com a saída de Lacerda, abriu-se espaço para um possível remanescente em busca do sonho de se tornar a terceira via. Condição que não assegura e tampouco sinaliza vislumbrar crescimento em busca de convencer o eleitor. Na terça-feira, quando ele renunciou, entre tucanos e petistas, a avaliação era de quem herdaria mais com o espólio do ex-prefeito. Os dois lados, claro, entendendo levar a maior parte das viúvas de Lacerda.

Também o Novo, que chegou até a comemorar o aparecimento de sua chapa na terceira colocação sem Lacerda. Nada mais lógico para aquela terça feira nervosa na política mineira. O Novo, que de novo não tem nada, é tão comprometido quanto os demais que se dividem no poder. O que se houve dos “partidários” dessa jovem legenda é que sua “pureza” seria a sinalização de novos tempos ao Brasil e aos brasileiros.

Convenhamos, um partido que está para o PSDB como o PSTU está para o PT, não traz absolutamente nenhuma sugestão de alternativa ou mudança, diferente do que buscar o espaço que lhe faltou onde tentou. Vejamos…

Fuçando o face do amigo Benedito Sérgio de Resende, encontrei algo superinteressante a respeito do grande líder nacional dos “novatos”.

O Amoedo, sistematicamente, vem batendo de frente em relação aos valores em torno de 300 bilhões anuais que o governo paga em benefícios sociais, citando o déficit da previdência e bolsa família em suas manifestações. Em contrapartida, absolutamente nada menciona sobre os 400 bilhões de juros pagos ao sistema financeiro (aos bancos) em pagamento da divida publica. Números de 2017. Um beneficia milhões de pessoas e o outro – de valores superiores – meia dúzia de banqueiros.

De volta à nossa paróquia, com a renúncia de Lacerda, o grupo dele se apressou e lançou Adalclever Lopes – que seria seu vice – para a disputa do governo de Minas. A estrutura partidária do MDB – sempre cortejada pelo PSDB e PT – pode lhe assegurar a terceira colocação, mas jamais se transformar na terceira via com viabilidade eleitoral.

A bem do entendimento do que estamos assistindo, tanto Anastásia quanto Pimentel, líder e vice-líder nas pesquisas estão igualmente entre as maiores rejeições. Os nomes alternativos, nem de longe, sugerem a possibilidade de uma terceira via. Fosse sem o grupo de Lacerda e ainda sem Adalclever, acredito que encerraria – sem receio em afirmar, entretanto, sem mencionar qual deles – no primeiro turno. Num eventual embate do segundo turno, e até mesmo na opção de primeiro, identifico muitos votando no A para ser contra o B. Da mesma maneira, optando por B para evitar o A.

Um prócer desse xadrez que, aparentemente, não aparece no noticiário – no caso da chapa inicialmente com Lacerda e agora com Adalclever – tem sido dos principais (talvez o grande) articuladores desta busca da terceira via. Quem viu Newton Cardoso na convenção do MDB, ciculando e até mesmo determinando os passos do Adalclever percebeu já naquele dia que a “raposa” do ex-governador já esperava o afastamento de Lacerda. Podem até não gostar do Newtão, mas sobre esses meandros não existe entre os mineiros, ninguém mais perspicaz que ele nos bastidores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.