Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Falando sobre luto

Foto: UAI/EM

Caríssimas e caros leitores, a partir de hoje e toda quarta-feira, vamos passar a contar com a participação da Daniela Piroli. Aceitou o convite e desafio deste blog para trazer temas interessantes ao nosso debate. Estive no seu divã por longo período, tendo ela suportado minhas incoerências, dúvidas, medos e tudo que a vida brinda a cada um de nós ao longo dos tempos.

Quem sou?

Daniela Piroli, psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano. Aceitei este desafio de “falar” sobre a psicologia da vida cotidiana pois acredito ser uma forma de aproximar as pessoas de temas que às vezes são tão distantes na teoria, mas tão próximos de nós no dia a dia. Relacionamentos, comportamento, trabalho, comunicação, tecnologia e saúde serão abordados por aqui de maneira informativa e reflexiva. Espero que possamos ter bons bate-papos por aqui.

Foto: Arthur Toledo

 

 

Vamos começar pelo fim

Falar sobre a morte na sociedade atual tornou-se difícil. Conseguir viver o processo de luto decorrente dela, mais ainda. A clínica nos mostra cotidianamente que a pressão do tempo e a cultura do hedonismo a que estamos expostos nos impõem uma forma quase desumana de lidar com a morte.

Recentemente, atendi em meu consultório uma senhora fortemente deprimida por causa do falecimento do seu marido, companheiro de uma vida inteira. Ela se recusava se alimentar, passava dias e dias sem sair de casa, sem querer fazer nada, nem mesmo cozinhar, atividade que desempenhava com maestria e prazer até então. O que me chamou atenção, no entanto, não foram os sintomas positivos para um diagnóstico de depressão grave, mas sim uma fala que vinha revestida de profunda angustia: “Estou fora do tempo, não estou acompanhando o tempo, o celular, a internet…” Ou seja, o luto pela perda do marido trazia em seu bojo um forte agravante, um alheamento do tempo e do espaço em que ela se inseria.

Os avanços da medicina em prolongar a vida e a pressão para “estar bem” diante do outro e estampar a felicidade nas ruas e nas vitrines virtuais fazem com que a nossa sociedade contemporânea se recuse a reconhecer a mortalidade como condição humana e também não proporcione espaço e tempo adequados para viver a dor do luto e aceitar a finitude como condição própria do viver. Acabamos sentindo-nos culpados por não estar bem, por estarmos tristes ou angustiados, enfim, por estarmos experimentando sentimentos essencialmente humanos.

Alguns estudiosos contemporâneos nos dizem que os conflitos, as perdas e os sofrimentos sempre existiram na história humana. Ressaltam, porém, que as mudanças sociais trouxeram uma certa fragilização dos laços sociais e das solidariedades, produzindo um contexto de silenciamento sobre os processos de dor e de isolamento e solidão daqueles que sofrem.

Escolhi começar pelo “fim” neste primeiro texto de inauguração aqui no “Mirante – Observatório do Cotidiano” para dizer que, se considerássemos a morte daqueles que amamos ou a nossa própria morte numa perspectiva mais próxima de nós, muito possivelmente teríamos mais clara a noção de valor e de prioridade. Muito possivelmente, nossas atitudes seriam diferentes daquelas que estamos habituados a ter e aceitaríamos melhor a nossa “humanidade” e daqueles com os quais convivemos.

E você? O que pensa a respeito? Compartilhe sua experiência conosco.

www.danielapiroli.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.