Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o mundo do empreendedorismo & startups. Apaixonada por tecnologia!

Um quinto da Geração Z desativa as mídias sociais para combater as questões relativas a estar online

A mais recente pesquisa Digital Society Index (DSI), publicada pela empresa de mídia, criatividade e comunicação digital Dentsu Aegis Network, revela como os jovens de 18-24 anos (Gen-Z) estão assumindo a tarefa de reduzir sua atividade online.

A análise de mais de 5.000 Gen-Z’ers faz parte de um estudo mundial com 32.000 pessoas, realizado no auge da pandemia COVID-19, analisando nossa relação com a tecnologia e as marcas. Ela mostra que, apesar dos bloqueios que levaram a um aumento da atividade online, um quinto (17%) dos Gen-Z’ers desativaram suas contas na mídia social nos últimos 12 meses. Esta tendência é particularmente perceptível em toda a Europa, incluindo os finlandeses (34%) e os espanhóis (30%). Globalmente, um terço (31%) limitou o tempo que eles passaram online ou olhando para seu smartphone e quase metade (43%) tomou medidas para reduzir a quantidade de dados que estão compartilhando online, tais como limpar seu histórico de busca ou optar por sair dos serviços de geolocalização.

É evidente que estas medidas foram tomadas devido a uma consciência aguda de como seus dados podem ser utilizados, bem como alguns dos impactos negativos da tecnologia percebidos na sociedade. Mais da metade dos Gen Z’ers (58%) não confia nas empresas de tecnologia por causa das preocupações sobre como utilizam seus dados, enquanto quatro em cada dez (37%) acreditam que a mídia social está tendo um impacto negativo sobre o discurso político em seu país. As estatísticas são reveladoras, mostrando que esta visão é mais elevada na Hungria (56%), seguida da Austrália (50%) e dos EUA (48%).

Questões de saúde mental são uma grande preocupação para os mais jovens, quase metade da Gen-Z acredita que o uso pessoal da tecnologia tem um impacto negativo em sua saúde e bem-estar – isto é particularmente forte na Espanha (59%), Austrália (55%) e França (53%).

Apesar destas preocupações, parece que os Gen Z’ers estão confiantes de que a tecnologia fará mais bem do que mal no futuro. Dois terços (62%) estão otimistas que as tecnologias digitais ajudarão a resolver os desafios mais urgentes do mundo, e este sentimento é mais sentido em Hong Kong (78%), seguido pela Polônia, Finlândia e México (75%).

Metade dos Gen Z’ers também acredita que a IA e a robótica criarão oportunidades de carreira para eles nos próximos 5-10 anos, significativamente acima da média. Entretanto, isto traz novas expectativas com quase três quartos (72%) da Gen Z acreditando que as marcas terão de demonstrar como seu uso da tecnologia beneficiará a sociedade nos próximos 5-10 anos.

Eduardo Bicudo, CEO da Dentsu Aegis Network Brasil, comenta: “Nossa pesquisa revela o consumidor digital do futuro”. Eles são alfabetizados tecnologicamente e estão retomando o controle de seus dados e da atividade online, tanto para cuidar de seu bem-estar quanto para tratar das preocupações sobre como as organizações podem usar seus dados”. No entanto, eles permanecem extremamente positivos sobre o impacto mais amplo da tecnologia na sociedade. “As marcas precisam reavaliar como elas constroem relações com este grupo de uma forma que privilegie a transparência, o empoderamento e uma clara troca de valores ao utilizar os dados dos consumidores. Também precisam garantir que estão usando a tecnologia de uma forma que proporcione um benefício social mais amplo à medida que as expectativas sobre as marcas aumentam para criar experiências e soluções úteis. Os Gen Z’ers são campeões da tecnologia – mas você tem que ganhar a confiança deles primeiro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.