Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o Ecossistema de Inovação Brasileiro. Instagram: @beatrizbevilaqua

Slang traz inovação no ensino de inglês especializado para empresas

Rafael Iapequino, ex Googler é o Head de Marketing da Slang na América Latina e Country Manager no Brasil

A maior parte do conhecimento global é produzido primeiro em inglês. O que faz da proficiência no idioma uma das habilidades mais importantes para o desenvolvimento profissional. São milhões de conteúdos como cursos online, vídeos de treinamento, entrevistas, blogs, podcasts, livros, entre outros. Porém, atualmente mais de 90% da força de trabalho no mundo não consegue consumi-los por não falar inglês. É importante dizer que o conhecimento básico da língua também não é suficiente, isso porque no dia a dia de trabalho termos específicos de cada segmento podem se tornar grandes obstáculos no mundo corporativo.

Com isso, a Slang, startup que desembarcou esse ano no Brasil e já atende clientes como Raccoon, Sankhya, Conductor, agora mira o setor de educação como prioridade para ganhar ainda mais escala no mercado brasileiro. A empresa, que oferece uma plataforma online para aprendizagem do inglês especializado em conteúdos profissionais e técnicos, entende que algumas profissões exigem o idioma de maneira especializada para determinada área de atuação e por isso, é necessário levar a solução para as instituições de ensino técnicos e universitários.

O setor de TI, por exemplo, que nos últimos anos virou referência na exportação de mão de obra para o exterior exige proficiência do inglês técnico. E para quem almeja sair do país ou até melhorar a sua produtividade dentro do país, nada melhor que esta preparação já na graduação.

Segundo dados do Portal Indústria, a evolução da comunicação e da tecnologia favoreceu o acesso de prestadores de serviço a outras partes do mundo e a exportação de produtos e da tecnologia brasileira, em 2020, atingiu US$209,921 bilhões. No primeiro trimestre de 2021, as exportações de produtos de alta tecnologia já cresceram 4%.

Com metodologia baseada em Machine Learning, a Slang cria um fluxo de aprendizagem hiperpersonalizado que se adapta às necessidades de cada usuário considerando seu próprio desempenho. O objetivo é otimizar o tempo dos profissionais – e das empresas – ao máximo. Sua estrutura modular possibilita a combinação de tópicos para a criação de jornadas de aprendizagem para cada cargo ou função dentro das organizações. Atualmente já são mais de 130 cursos, com os quais é possível avançar tanto em conhecimentos técnicos de cada profissão ou indústria, como em cursos de soft skills e em inglês geral.

Para Rafael Iapequino, Head de Marketing da Slang na América Latina e Country Manager no Brasil, ainda que as pessoas estudem inglês no colégio ou em escolas de idiomas, o conhecimento exigido no mercado de trabalho é diferente. “Em qualquer área, existem termos específicos que dificultam o entendimento dos profissionais e fazem com que eles tenham que investir tempo buscando em outras fontes a explicação que necessitam para seguirem com suas atividades de rotina. Além disso, o inglês padronizado para todos os alunos não é mais uma opção para avançar na carreira e alavancar os negócios”, afirma.

O colombiano Diego Villegas acreditava que era preciso ir além do inglês básico e do modelo one-size-fits-all de ensino para profissionais alcançarem a fluência necessária.

Na Colômbia, Diego Villegas era empresário no ramo de óleo e gás. A falta de inglês profissional sempre foi uma enorme barreira para o desenvolvimento de sua equipe, prejudicando a produtividade, retardando o aprendizado e a aquisição de conhecimento. Ainda assim, o que era vendido como “Business English” não atendia suas necessidades de comunicação dentro da indústria em que trabalhava. Em 2012, depois de negociar a venda de sua empresa para o Grupo Stork, Villegas foi aos Estados Unidos para um MBA no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Naquele momento ficou ainda mais claro para Diego como a fluência de inglês profissional é essencial. Ele testemunhou seus colegas internacionais lutando contra o mesmo problema repetidas vezes em suas empresas. No MIT, conheceu Kamran Khan, americano, especialista em Inteligência Artificial, e juntos fundaram a Slang em 2013.

“Queremos que todos os profissionais, em qualquer área de atuação, tenham acesso ilimitado ao conhecimento e possam aprimorar suas habilidades através da fluência em inglês profissional. Nestes quase dez anos, expandimos nossas operações no México, Colômbia e agora Brasil. Já somamos mais de 50 mil usuários ativos e mais de 100 empresas parceiras”, conta. “Estamos superando esses desafios com uma abordagem baseada em dados, contando com o que há de mais moderno em Machine Learning. Estamos mapeando toda a língua inglesa na velocidade da luz, conseguindo assim oferecer às empresas cursos específicos que trazem benefícios para seus negócios e seus colaboradores”, complementa Kamran Khan, cofundador da Slang.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.