Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o Ecossistema de Inovação Brasileiro. Instagram: @beatrizbevilaqua

“Low-Code: o futuro chegou”, reforça Zeev, referência neste segmento

Rafael Bortolini, Head de Produtos da Zeev

Tendência crescente em todo o mundo, o uso de ferramentas low-code tem se popularizado entre os profissionais de diversos setores. De acordo com uma pesquisa realizada pela Deloitte, o desenvolvimento com low-code pode ser 50% a 90% mais rápido do que uma abordagem tradicional. A Zeev, referência no desenvolvimento e fornecimento dessas ferramentas para todo o país e também América Latine e Caribe, tem auxiliado empresas de diversos portes e equipes de alta performance a decolarem com a padronização do fluxo de trabalho das equipes e eliminação de desperdícios.

Como uma de suas iniciativas na área, a marca inaugurou uma série de eventos direcionada aos empreendedores e gestores que querem fazer com que suas empresas automatizem processos por meio da construção de plataformas pensadas em suas operações. No primeiro episódio, Rafael Bortolini, Head de Produtos da Zeev, explicou a evolução do conceito de workflow, contando a história da gestão de informação até a chegada do low-code.

O Head apresentou uma análise introdutória sobre a história do processo de gestão de informação. Segundo pesquisa realizada pela McKinsey & Company, empresa de consultoria norte-americana, o período da pandemia de Covid-19 acelerou a digitalização das relações com os clientes, obrigando as empresas a olharem para o mundo digital e otimizarem a distribuição de tarefas no trabalho remoto. A interação e o relacionamento digital com clientes acelerou, em média, em 3 a 4 anos em relação ao período pré-covid.

Com isso, Rafael dissertou sobre as razões e as maneiras de como otimizar o processo digital nas empresas para melhorar a experiência dos clientes.

“Uma vez que o uso da tecnologia low-code permite tornar o desenvolvimento de software até 10 vezes mais rápido, empreendedores e gestores estão buscando levá-la para as suas empresas”, explicou ele.

Ao apresentar esse contexto histórico, passando pela evolução do Workflow até chegar nos tempos atuais com a nova categoria de tecnologia chamada low-code, ele reforça a importância de empreendedores e gestores estarem atentos a esta tendência, que vai ao encontro do conceito “desenvolvedor cidadão”, no qual qualquer pessoa mesmo não conhecedora de códigos pode criar suas próprias plataformas e aplicativos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.