Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o Ecossistema de Inovação Brasileiro. Instagram: @beatrizbevilaqua

Itaú investe no desenvolvimento de Camp Wars, jogo 100% brasileiro

Um dos propósitos do Itaú é contribuir para que o cenário de games e e-sports no Brasil esteja ainda mais em evidência e novas portas sejam abertas para os profissionais da área. 

Em mais uma iniciativa da plataforma #IssoMudaOGame, o Itaú Unibanco anuncia uma parceria com Pedro Caxa, desenvolvedor de jogos e idealizador do Camp Wars – game em que duas equipes correm contra o tempo para capturar três bandeiras dos adversários e já é sensação nas redes sociais, mesmo antes do lançamento. O jogo será gratuito e tem previsão de estar disponível online a partir de 15 de outubro.

Um dos propósitos do Itaú é contribuir para que o cenário de games e e-sports no Brasil esteja ainda mais em evidência e novas portas sejam abertas para os profissionais da área. A consequência natural, como explica Robson Harada, superintendente de Growth Marketing do banco, é o fomento da indústria nacional de desenvolvimento de jogos. “Temos uma série de grandes estúdios produzindo games nacionais tão bons quanto aqueles que são feitos em outros lugares do mundo. Mas o que queremos, com a nossa marca e histórico de apoio a grandes causas, é dar voz e visibilidade para projetos como o do Pedro, que começou como um jogo de estudo e foi abraçado pela comunidade gamer e nas redes sociais, onde o Pedro é um fenômeno. Precisamos e queremos que mais pessoas como ele tenham a chance de se desenvolver e tirar do papel suas ideias”, explica Harada.

Apesar de ser um jogo de tiro em primeira pessoa (FPS) inspirado nos clássicos da categoria, o Camp Wars traz o conceito com uma mecânica nova e muito divertida: no lugar de balas, as armas jogam slimes (massa de modelar) nos adversários que perdem a mobilidade de acordo com a região do corpo atingida. Caso não seja salvo por um parceiro de time a tempo, o jogador que ficou preso não é eliminado, ele volta para a base de início.

Pedro conta que o banco foi essencial para que o jogo ganhasse corpo e deixasse de ser um projeto pessoal. “Ter o Itaú como parceiro acreditando no nosso projeto permitiu que o jogo fosse totalmente pensado para a comunidade que o abraçou desde o início e ainda gerar empregos. Estamos fazendo um game gratuito e democrático, que vai rodar bem em todos os tipos de computadores. O resultado está ficando muito bom e não vejo a hora de disponibilizar para todo mundo”.

Harada completa dizendo que essa não deve ser a única iniciativa do banco para desenvolvedores de jogos. “Quando falamos em mudar o game, isso está diretamente ligado a olhar para o que acontece além do que está na frente da tela e entender a fundo esse mercado com tanto potencial de crescimento, gerando renda e oportunidades para as pessoas. O Pedro é um jovem muito talentoso, com uma história de superação proporcionada pelos games e sabemos que, como ele, muitos outros estão espalhados pelo Brasil e só precisam de uma oportunidade para transformar suas vidas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.