Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o Ecossistema de Inovação Brasileiro. Instagram: @beatrizbevilaqua

Como implementar e gerir o delivery nos negócios

Ernesto Bitran é fundador da Go2Go

Bares, restaurantes e franquias recorreram fortemente aos serviços de entrega, mas fortalecer e aprimorar as operações de delivery não é uma tarefa fácil. Com o isolamento social, a estratégia de migrar para os aplicativos de entrega ou criar um canal próprio de delivery auxiliou milhares de empreendedores no Brasil e no mundo. Mas, existem alguns desafios comuns que muitos empreendedores enfrentam ao migrar seus negócios para o ambiente digital.

Segundo Ernesto Bitran, fundador e CEO da Go2Go, startup que ajuda na gestão de pedidos de estabelecimentos comerciais, somando o serviço de consultoria para implementação de delivery, o primeiro passo é entender em qual marketplace que a  empresa quer vender e, ao mesmo tempo, compreender se a marca já têm clientes para consumir no canal escolhido ou se é preciso impactar novos consumidores.

Ernesto reforça que, se a empresa já tem clientes e existe uma relação com a marca, o melhor caminho para iniciar uma operação de delivery é desenvolver um canal próprio. “As marcas não devem apostar toda a operação de entrega nos aplicativos e sim, criar maneiras para falar diretamente com os consumidores. Isso permite que as empresas se relacionem e tenham mais proximidade com seus clientes, além de entender a relação que eles têm com cada canal”, destaca o fundador da Go2Go.

Para implementação do delivery, outro processo que requer muita atenção são as entregas. “A operação do salão é completamente diferente do delivery e, muitas vezes, o serviço de entrega acaba se tornando o principal canal da marca. Por isso, da mesma forma que o empreendedor precisa pensar se a marca já tem relação com o cliente ou se ele precisa construir a relação, é necessário desenhar a cadeia logística inteira e isso parte desde a análise das comidas oferecidas no cardápio até a escolha da embalagem adequada. Além disso, é necessário avaliar como é feita a logística pelo motoboy e com qual  qualidade do produto chega até o cliente”, explica Ernesto.

Orquestrar toda essa cadeia, como ter múltiplos canais, administrar a central de atendimento e organizar a vida de quem opera na logística também é um dos pontos fundamentais para essa operação. “O desafio do empreendedor é organizar a cadeia inteira da operação de delivery de A a Z de uma forma que ele não se perca. A solução da Go2Go, por exemplo, permite que as empresas tenham uma visão completa e aprofundada dos dados de performance, em cada um dos canais de venda e isso é fundamental para entender o padrão de consumo por regiões, personalizar ofertas para clientes com base em seu histórico e levar em consideração o tipo de comida, dia da semana, horário pedido e característica do clima”, comenta Bitran.

Para Ernesto, os maiores desafios para 2021 será equilibrar todos os canais de vendas, potencializar os marketplaces que são mais interessantes para cada negócio e aproveitar a omnicanalidade. “Com os estabelecimentos fechados, todos correram para se conectar com aplicativos de delivery. Agora, que o funcionamento dos restaurantes voltaram, o foco volta para a operação do salão. A deliveryzação é um processo de multicanalidade e as marcas precisam conseguir utilizar todas as portas de entrada de maneira que elas convivam entre si de forma saudável e eficiente do ponto de vista financeiro. A multicanalidade é o que vai fazer esses empreendimentos serem menos dependentes dessas oscilações comportamentais, econômicas e pandemicas”, finaliza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.