Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o mundo do empreendedorismo & startups. Apaixonada por tecnologia!

Azulis dá dicas de como os empreendedores podem minimizar os prejuízos econômicos do coronavírus

O Governo anunciou, esta semana, uma série de medidas para conter os prejuízos econômicos dos microempreendedores e pequenas e médias empresas por conta da pandemia global do coronavírus, a exemplo do acordo com os cinco maiores bancos do País para que eles estendam por 60 dias o vencimento de dívidas de quem estiver com o pagamento em dia e o adiamento do recolhimento do FGTS de funcionários formais por três meses. Além disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (18) que, mediante o decreto de estado de calamidade pública, serão injetados R$ 15 bilhões na economia para auxílio de trabalhadores informais afetados pela crise gerada em decorrência do vírus.

O especialista em empreendedorismo e diretor de negócios da Azulis, Bruno Dilda, afirma, no entanto, que o apoio governamental deve ser acompanhado por uma mudança de comportamento dos donos de negócios: “apesar de arriscado e desafiador, este momento representa uma oportunidade de mudança e modernização para muitas empresas. Por exemplo, alguns ramos de negócios podem se aproximar mais do público consumidor, investindo no atendimento por aplicativos de mensagens instantâneas, como forma de substituir o presencial, e no delivery, que pode ser implementado via apps especializados em entregas”.

Porém, o diretor reforça que é importante optar por atitudes cautelosas no que diz respeito aos cuidados para evitar o avanço da doença. “É essencial, seguir todos os protocolos de higienização, pensando na saúde dos colaboradores e consumidores”, complementa.

Confira outras dicas do executivo:

1- Cuidado ao fazer investimentos

O momento é de incertezas, pois ainda não se sabe ao certo por quanto tempo o Governo recomendará que as pessoas fiquem em casa. Por conta disso, salvo exceções, não é o momento de ampliar o quadro de colaboradores ou investir em estoques em lojas, por exemplo, pois o movimento do varejo tende a diminuir, ou parar completamente, a depender do segmento.

2- Renegocie com fornecedores

Como não é possível fazer previsões de faturamento, o mais indicado é não assumir novas encomendas e renegociar preços com os fornecedores, que certamente também estão sendo impactados.

3- Cautela ao solicitar empréstimos

Por conta da diminuição das receitas, pode ser necessário solicitar um empréstimo para manter as contas das empresas em dia. Por conta disso, escolher a melhor opção de crédito é fundamental. A Azulis recomenda fazer uma checagem de taxas e prazos de pagamento praticados pelas principais financeiras e bancos antes de ativar o empréstimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.