Skip to main content
 -
Jornalista que cobre o mundo do empreendedorismo & startups. Apaixonada por tecnologia!

Aceleradora Mineira foca na diversidade, inclusão e impacto social

É impossível mudar histórias sem mudar o protagonismo das narrativas. Esta é umas das ideias que permeiam o trabalho de João Souza, Tatiana Silva e Debora Silva, desde a criação do FA.VELA, em 2014. A aceleradora de negócios, que nasceu e atua dentro das periferias de Minas Gerais, sempre pensou e desenvolveu seu trabalho dentro da lógica da inclusão social e digital neste território, baseada em inovação e criatividade. São mais de 2.300 pessoas impactadas, por 260 projetos de impacto impulsionados, e liderados por 500 empreendedores acelerados, além de mais de 20 programas de letramento empreendedor e pré-aceleração realizados pela organização, em mais de 25  municípios de Minas Gerais, Espírito Santo e Pará.

Ao longo dos anos, os fundadores perceberam uma necessidade do mercado de pensar futuros possíveis dentro de projetos e programas de impacto social, identificando uma oportunidade de ampliar sua atuação junto a outras organizações, empresas, redes e negócios de impacto, a partir da oferta de consultorias e desenvolvimento de projetos customizados sob demanda, que hoje correspondem a mais de 70% do orçamento anual do FA.VELA.

Assim nasceu a Futuro Inclusivos, plataforma de inovação social, que tem como propósito apoiar empresas, governos e organizações sociais no desenvolvimento de seus objetivos para a construção de futuros mais inclusivos, de forma sistematizada e com metodologia própria. “Quando pensamos a Futuros, idealizamos uma plataforma na qual as empresas possam vislumbrar possibilidades. Possibilidade de criatividade, inovação, diversidade, pluralidade e criação. Ela nasce de profundas reflexões sobre a forma como o pensar e construir futuros é enviesada e excludente no Brasil, pela ógica  de quem define o que será futuro numa ótica única, muitas vezes embranquecida, eurocentrada e pouco diversa”, explica João Souza, presidente do FA.VELA e head da Futuros Inclusivos.

“Esperamos que as instituições vejam, a partir do lançamento da Futuros Inclusivos, a possibilidade de incorporar às suas culturas organizacionais preceitos de inovação social, diversidade, inclusão, além de somar às suas perspectivas a construção de futuros plurais”, completa.

A plataforma atua na incorporação de pilares essenciais para pensar um ambiente corporativo diverso e inclusivo, com o desenvolvimento de projetos de diversidade e inclusão nas organizações, a ampliação de olhares para a transformação laboral, data for social good – estruturação e estudos sobre dados para conduzir ações de impacto -, além da formação institucional de Headers de Futuros Inclusivos, que são o profissionais responsáveis por pensar a diversidade dentro das empresas. Somado a isso, a proposta é oferecer workshops e palestras, de acordo com a demanda de clientes que atuam nos ramos de educação, tecnologia, agricultura urbana e nos setores digital e financeiro que pretendem incorporar, por meio de uma lógica sistêmica, diversidade, igualdade e impacto social no seu cotidiano.

João explica que a Futuros Inclusivos sempre existiu dentro da organização, sendo responsável por todos os projetos de consultoria realizados até 2020 e destaca o amadurecimento da proposta da plataforma na estruturação e idealização do Corre Criativo 2019, programa de aceleração de projetos e negócios que capacita, mentora e empodera os jovens na criação e na gestão de empreendimentos de impacto.

“O Corre Criativo “Futuro da Educação” funcionou como uma plataforma customizável para oferta imediata de atividades formativas, contemplando o planejamento estratégico de assuntos ligados a empreendedorismo e inovação. Deste projeto, surgiram jovens com perspectivas muito interessantes de uma ideia de futuros, cada qual com a sua realidade e interseccionalidades que foram introduzidos a uma metodologia desenvolvida pela Futuros exclusivamente para a iniciativa”.

Com o lançamento do braço de consultoria, o FA.VELA segue com a atuação na aceleração de negócios, que traz como pilares a tecnologia, a inovação e o impacto socioambiental positivo, enquanto a Futuros Inclusivos passa a ter gestão e equipe própria, mas com o DNA do FA.VELA forte, alicerçando o pensamento estratégico da operação. A plataforma terá ainda uma presença digital multiplataforma, que inclui produção de  conteúdo nas redes sociais, além de um podcast apresentado por João Souza, que  abordará temáticas relativas à inovação, futuro do trabalho, inclusão, diversidade,  tecnologia e empreendedorismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.