PESCANDO NO RIO GUAPORÉ, NO VALE DOS CACHARAS

Publicado em Sem categoria
Há alguns rios no Brasil, famosos por seus inúmeros pontos de pesca, que têm ainda características que os destacam dos demais, seja pela topografia da região, seja pelo confortável acesso que proporcionam aos pescadores,  com águas mais calmas e a presença de peixes esportivos variados.
Um desses rios do norte do país é o Guaporé, um subafluente do rio Madeira, que faz a fronteira do Estado de Rondônia com o nosso país vizinho, a Bolívia.  O Guaporé tem, em grande extensão de sua margem esquerda (do lado boliviano), um parque nacional daquele país, o Parque Noel K. Mercado, praticamente desabitado, onde a pesca e a caça são totalmente protegidas.  Com isso, apesar da relativa pressão de pesca do lado brasileiro, o rio Guaporé permanece ainda bastante piscoso, oferecendo oportunidades tanto para peixes de escama como para os grandes de couro.
Nós pescamos lá, nos hospedando na Pousada  Vale do Cachara.  Seu proprietário lhe deu esse nome justamente pela abundância com que ali se pesca esse peixe, um adversário valente,  para uma boa briga com equipamentos médios. Essa Pousada é bastante confortável, com espaços de lazer externos e piscina, acomodando os pescadores em cabanas com ar condicionado e banho privativo. Serve comida boa e variada,  e seu pacote de pesca  inclui: refeições completas, petiscos,  bebidas (cerveja, refrigerantes e água mineral sem limite), barco equipado com cadeiras giratórias, coletes,  caixa térmica, motor, combustível, e o serviço de bons piloteiros. Pode ser adquirido um pacote que inclui iscas (tuviras e outras). Enfim, o atendimento é bom e bastante completo.

A Pousada está na margem do rio Guaporé,  e fica distante 174 km da cidade de Vilhena,  que tem voos diários da empresa  AZUL.  Eles providenciam o traslado, que é incluído no preço do pacote de pesca. Uma viagem por terra de BH até lá, em ônibus especial fretado,  gasta aproximadamente umas 40 horas.
Agora vamos ao que interessa, que é falar da pescaria. O rio Guaporé naquela região tem inúmeros pontos de pesca, e tem ainda dois afluentes que podem ser explorados, os rios Cabixi e  Piolho. Nós  pescamos lá no início de Junho, e a navegação nesses dois rios, que são menores, estava tranquila.  Nós tivemos uma  “tarde de cacharas” dentro do rio Cabixi que ficou gravada na lembrança:  os cacharas estavam realmente com fome, e num intervalo entre cinco e seis horas da tarde, pegamos oito peixes, todos com uns nove quilos ou mais. 
Nessa época (junho) lá ocorrem, entre outros peixes,  os cacharas,  grandes pirararas,  capararis, palmitos,  além de outros peixes de couro.  Pescamos também cachorras criadas, apapás (grandes saltadores), corvinas, traíras.  De julho em diante, com as águas na caixa, se pegam também muitos tucunarés, embora não muito grandes.
O rio Guaporé não pode ficar fora da lista de destinos de pesca dos pescadores. Um rio bonito, com bastante peixe, com um bom local de hospedagem e serviço de experientes piloteiros,  só pode trazer alegrias aos companheiros.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *