Skip to main content
 -
Advogado, Mestre e Doutorando em Direito. Foi Superintendente de Gestão e Estratégia, Negócios Internacionais e de Futebol Profissional do Cruzeiro Esporte Clube. Realizou cursos de Gestão Desportiva pela Escola do Real Madrid (Espanha), pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e pela Universidade do Futebol. Hoje, coordena o Curso de Gestão e Negócios no Esporte da Universidade FUMEC.

2018 começa agitado no futebol

Após uma breve pausa em janeiro devido a viagens, voltamos a escrever após grande agitação no mercado de futebol nacional e internacional, valendo destacar algumas:

1 – Barcelona comprou o brasileiro Phillipe Coutinho do Liverpool por 163 milhões de euros; houve muita discussão se o preço foi alto demais ou não, mas, no âmbito da gestão, reflete o que alguns comentam sobre o mercado: quando alguém é vendido por preço fora do comum, balança todo mercado; assim, o preço de Phillipe Coutinho para o Barcelona, na verdade, começou a ser definido quando este vendeu Neymar ao PSG por 222 milhões de euros. Assim, pode até ser que Phillipe não valha, em princípio, o valor pago, mas o Barcelona, com cofre cheio e precisando de um jogador de destaque para apresentar, teria que pagar acima. E isso forma uma cadeia; certamente, quando o Liverpool for buscar um reforço para cobrir a ausência do brasileiro o preço para os ingleses também será um pouco mais salgado que o normal, gerando uma grande cadeia de negociações com valores altos e inflacionando o mercado. Não é a primeira nem a última vez que ocorre; é só uma consequência já conhecida no mercado do futebol. Aguardemos as próximas negociações…

2 – No mercado nacional Palmeiras e Cruzeiro se destacaram; Alexandre Mattos, diretor do clube paulista, chegou inclusive a afirmar em entrevista que os Mineiros formaram o melhor elenco do Brasil. Mas das negociações ocorridas, como aqui não pretendemos falar da parte técnica, chamou atenção a discussão que envolveu o atacante Fred e a multa de R$ 10 milhões colocada na rescisão pelo seu ex-clube, o Atlético/MG, caso o jogador se transferisse para o rival. Surgiram diversas correntes para defender se a multa deveria ou não ser paga, mas uma questão que merece destaque foi colocar a CNRD – Câmara Nacional de Resolução de Disputas – da CBF como foro para discutir a questão. Sem também entrar no mérito da discussão, o ponto positivo foi utilizar a CNRD; tal qual a arbitragem e a justiça comum, essas Câmaras tem condições técnicas e de celeridade de resolver as demandas da melhor forma possível. Que a CNRD seja cada vez mais discutida e utilizada.

O ritmo de publicações agora volta ao normal. Feliz 2018 a todos.

Abraço.

5 comentários em “2018 começa agitado no futebol

  1. Muito bem vindo de volta Sérgio,muito bom texto para iniciar o ano aqui no blog.Também acho o preço pago pelo Coutinho exagerado,principalmente se comparado com o do Neymar.Se tem demanda o preço sobe mesmo,o Cruzeiro na minha opinião foi muito exigido por Grêmio e Botafogo nas negociações.A multa do Fred foi falta de ética e bom senso do rival,mas em se tratando do Atlético nada me surpreende.

  2. Espero que o Felipe Coutinho se transforme neste jogador tão valorizado quanto foi seu passe. Me preocupa hoje em dia, jogadores superestimados com valores de passes e salários tão altos, inflacionando todo o mercado do futebol, como foi o caso da aquisição do chileno Sánchez pelo Munchester United.

    Esta multa imposta pelo time do atlético deixa claro o medo dos dirigentes em perder jogadores pro rival. Acredito que a justiça será coerente e como o Cruzeiro negociou com o Fred após o término do seu vínculo com o time de Vespasiano, não faz sentido esta multa. Sei que diante do fracasso do time alvinegro até o momento, que deixa a torcida deles já preocupada com o desfecho do ano, poder falar desta multa pelo Fred, se tornou um consolo para eles.

    Cruzeiro gastou muito, mas buscou poucos e reforços pontuais para deixar o elenco campeão da Copa do Brasil de 2017, ainda mais forte. Perdemos jogadores que apenas compunham elenco e foi adicionado reforços que agregam valor. A única aposta é o Deivid, que não se sabe como vai se comportar vestindo uma camisa mais pesada do que a do Vitória, mas veio a um preço justo e foi um jogador que se valorizou na temporada passada.

    Palmeiras, por mais um ano, foi ousado e gastou muito se reforçando no mercado nacional. Tem novos laterais, comprou mais dois homens de criação, dentre outros reforços e basicamente não se desfez de ninguém. No papel, o time paulista tem o melhor plantel do futebol brasileiro, mas só o tempo dirá se este elenco dará ou não liga. Espero que não….

  3. Na verdade não acho falta de ética do Atletico, mas apenas mais uma dessas brechas na lei que são legais porém, amorais. Como pode se rlegal uma clausula de que um jogador tenha que pagar multa caso atue por 1 determinado clube? apenas 1 clube especifico? Há cláusulas parecidas em contratos de altos funcionários de empresas, que ao se desligarem, assumem o compromisso de não atuar em concorrentes por tal período. Se justifica as vezes pelo investimento feito pela empresa naquele funcionário, que muitas vezes o qualifica e não quer ve-lo produzir para um concorrente. mas o caaso do Fred é singular: Ele não é da base do Atletico; Vinha sendo questionado; O Atletico já queria negocia-lo por conta de seus altos salários; enfim.. mas já que a clausula é legal, o FRed (via Cruzeiro) tem que pagar e ponto! De qq forma, tenho certeza que o Fred será vital para o Tri da Libertas este ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *