Skip to main content
 -
Advogado, Mestre e Doutorando em Direito. Foi Superintendente de Gestão e Estratégia, Negócios Internacionais e de Futebol Profissional do Cruzeiro Esporte Clube. Realizou cursos de Gestão Desportiva pela Escola do Real Madrid (Espanha), pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e pela Universidade do Futebol. Hoje, coordena o Curso de Gestão e Negócios no Esporte da Universidade FUMEC.

Visitando o RB Leipzig

A foto acima foi tirada em julho deste ano, quando tive a oportunidade de ser recebido na sede do RB Leipzig, na Alemanha, e conhecer de perto a estrutura do clube sensação do futebol alemão.

A história resumida prefiro extrair do site da Red Bull, que bem resume o caso:

“Antes de contar a história do clube, é importante falar sobre a história da sua sede. Situada a 190km de Berlim, a cidade de Leipzig até 1990, pertencia à Alemanha Oriental, mas três anos após a queda do muro e mais dois depois da unificação da Alemanha, o futebol que era tradicional na cidade, não foi mais o mesmo. Quando fundiram as ligas de futebol que existiam na Alemanha Ocidental e na Oriental, criando assim a Bundesliga, times como o Dinamo Dresden e Magdeburgo, grandes campeões da competição pré queda do muro, não desempenharam a mesma performance de antes e, para piorar, em 2009, o último clube do lado oriental do país, Energie Cottbus, foi rebaixado. Desde então, um clube dessa região não figurava entre os grandes do futebol germânico.

No mesmo ano em que o Energie Cottbus foi rebaixado, nascia o RB Leipzig. Em 19 de maio de 2009, um time da quinta divisão do futebol alemão chamado SSV Markranstädt, equipe do distrito de Leipzig que fica a 11km do centro da cidade, passou a ser a naquele momento, um time que a Red Bull escolheria mais ou menos como uma espécie de Master League (aquele modo do clássico Winning Eleven, que hoje virou Pro Evolution Soccer) para sair da quinta divisão e sete anos depois chegar à primeira divisão de forma meteórica.

No mesmo ano, o SSV Markranstädt trocou de nome, de cores e de uniforme e passou a ser o RasenBallsport Leipzig. Como a Federação Alemã de Futebol (Deutscher Fußball-Bund, DFB) não permite que um clube tenha nome de empresa, exceto quando um acionista tenha mais de 20 anos no negócio, como são os casos de clubes como Wolfsburg e Bayer Leverkusen – mantidos por uma montadora e uma empresa farmacêutica, respectivamente – ele recebeu o nome de Rasenballsport, que em tradução literal do alemão, significa “esporte com bola sobre a grama”. Escolha essa, que foi necessária para usar as iniciais que se pretendia”. Fonte: (https://www.redbull.com/br-pt/rb-leizig-a-sensaca-da-bundesliga)

Mais que sair da 5a divisão e chegar na 1a em 7 anos, o RB foi vice-campeão Alemão na temporada passada, superando forças tradicionais do futebol local. E pra não mostrar que isso foi um lapso em sua história, atualmente está em 5o lugar, mas com os mesmos 28 pontos que Bayern Leverkissen (4o) e Borussia Dortmund (3o) e dois pontos atrás do vice-líder Schalke 04, que tem 30 pontos. Tudo bem que ainda não se encaixaram na máxima que “uma vez é acaso, duas é coincidência e três é estatística”, mas pelo que vemos atualmente o RB tem tudo para ser estatística e continuar brilhando no cenário internacional.

E o trabalho é muito reconhecido pelos fãs: a arrancada da presença de público é marcante.

5º divisão: 2,2 mil pessoas

4º divisão: 4,2 mil pessoas

Os dois anos seguintes na 4º divisão: 7,5 mil pessoas

3º divisão: 16,7 mil pessoas

Primeiro ano na 2º divisão: 25 mil pessoas

Segundo ano na 2º divisão: 29,4 mil pessoas

Temporada atual: 39.918 (Fonte: http://www.espnfc.com/club/rb-leipzig/11420/statistics/performance)

A gestão do clube mostra que o profissionalismo, com comprometimento, vale a pena. Mais que gastar com salários de jogadores, foi construída uma  estrutura do formidável, que junta base e profissional no mesmo espaço: campos de treinamento, academia, alojamentos, refeitório, tudo de 1a linha, no padrão alemão de ser.

O RB tem por tradição aproveitar jogadores da base e dos times irmãos – a Red Bull ainda tem equipes na Áustria, Estados Unidos e Brasil – e só contratar jogadores jovens, até 23 anos. Este ano, por exemplo, contratou o português Bruma, de 22 anos, que vinha atuando bem pelo Galastasaray. Ainda, a média de idade do time é a menor do Campeonato Alemão: 24,08 anos. (Fonte: https://www.transfermarkt.pt/rasenballsport-leipzig/kader/verein/23826).

O trabalho realizado como um todo é digno de estudo e aplauso. Derruba muitas máximas do futebol e comprova duas assertivas que se revelam cada vez mais consistentes: trabalho em equipe que gera resultado de longo prazo e o investimento extra campo traz resultados sólidos e duradouros, mesmo que demorem um pouco pra aparecer.

Com paciência, determinação e comprometimento, o RB Leipzig é um exemplo de que organização e profissionalismo em breve não serão virtudes, mas obrigação para se manter competitivo em alto nível em um mercado que envolve cada vez mais dinheiro e, obviamente, mexe com o coração de todos. Que seja inspiração para os clubes brasileiros. Conhecer – e copiar – o que dá certo, ainda que parcialmente, é sempre uma excelente opção !

6 comentários em “Visitando o RB Leipzig

  1. Gosto de ver essa visão moderna e que está atenta a tudo que dá certo no que se refere à gestão esportiva, espero que você seja eleito um dia Sérgio, eu também sonho ser presidente do Cruzeiro um dia, quem sabe né kk Abraço e boa sorte

  2. Ótimo texto Sérgio. Uma cabeça inovadora. Pena que por pouco vc nao tornou nosso presidente.
    Sucesso!! Abraços.

    Depois da uma olhadinha no meu i
    Instagran: fabriciolopes_simas
    Cortesia pra vc.. vem fazer uma visita.

  3. Os alemães são admiráveis mesmo,muito organizados,um país quase destruido e rapidinho está entre as potencias do mundo.Bom trabalho detalhando a ascensão do RB Leipzig,incrivel a crescente de publico ano a ano.Sérgio,eu também queria muito você na nossa presidência,não foi possível agora,mas vai ser brevemente.Eu sou músico, e compus uma música especial chamada O MEU CRUZEIRO(La bestia negra).A música fala do nascimento,ascensão nacional e internacional,é uma das minhas melhores composições.Trabalhei sem pressa e com muito cuidado para obter um bom resultado,consegui.A gravação tem violão,guitarra,baixo,bateria,piano ,órgão e vozes vale a pena conferir.Aqui vai o link:
    Vídeo para youtube dygo kampos o meu cruzeiro▶ 3:27 https://www.youtube.com/watch?v=ftJEwtXxRyk
    .Felíz natal para você,familia e colegas comentaristas.

  4. Lendo seus artigos percebo que era o candidato ideal para presidência do Cruzeiro. Perfil inovador, estudioso e que traria modernidade ao nosso clube.
    A chapa que foi eleita é mais do mesmo… Cartolas com perfis políticos e/ou interesses obscuros.
    Quando puder faça um artigo sobre o modelo organizacional dos clubes brasileiros, instituições (teoricamente) sem fins lucrativos com conselhos deliberativos fechados controlados por cartolas antigos e com pouca renovação. Não seria hora de discutir esses modelos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *