Skip to main content
 -
Gustavo Fonseca é Cofundador do Doutor Multas. Criado há 9 anos com o objetivo de ajudar os motoristas, já evitou que + de 5.200 clientes perdessem a CNH com consultoria administrativa personalizada. É dedicado a disseminar conteúdo relevante para conscientizar as pessoas sobre as Leis de Trânsito.

Você sabe qual a diferença entre uma CNH cassada e uma suspensa?

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Ao término de todo o processo da autoescola e das provas práticas e teóricas, todo mundo que passa nos exames sai do local já aguardando o momento em que poderá pegar a sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e guiar um veículo. Porém, se o condutor infringir as normas e leis de trânsito, poderá receber multas.

Essas multas geram pontos na carteira de habilitação, e se esses pontos forem acumulados em um curto período de tempo podem gerar a suspensão da CNH. Esse pode ser um dos medos mais preocupantes entre todos os condutores: o de ser impedido de conduzir um veículo permanentemente.

Porém, quase ninguém tem conhecimento de que existem duas punições no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) que tiram a CNH do condutor: a suspensão e a cassação.

O que diz o Código de Trânsito Brasileiro sobre essas punições?

Inicialmente, para entendermos sobre ambas as medidas, precisamos ver o artigo 256 do CTB. Nele, está previsto que:

“Art. 256 – A autoridade de trânsito, na esfera das competências estabelecidas neste Código e dentro de sua circunscrição, deverá aplicar, às infrações nele previstas, as seguintes penalidades:

(…)

III – Suspensão do direito de dirigir;

(…)

V – Cassação da Carteira Nacional de Habilitação

Como podemos ver, as duas penalidades estão previstas na legislação de trânsito nacional e ambas podem ser aplicadas pela autoridade de trânsito em momentos como os de fiscalizações de vias, as famosas blitze.

Além disso, o artigo 265 também explica mais sobre a ação dos policiais ao aplicarem as punições aos condutores infratores. No artigo, é dito que ambas as penalidades são aplicadas após a decisão da autoridade, em um processo administrativo.

Mas em quais situações o motorista tem a CNH suspensa?

Como foi visto anteriormente, a suspensão da CNH está prevista no artigo 256, porém, ela é melhor explicada em outro artigo do CTB. Na legislação de trânsito nacional, a suspensão do direito de dirigir está prevista no artigo 261:

“Art. 261 – A penalidade de suspensão do direito de dirigir será aplicada, nos casos previstos neste Código, pelo prazo mínimo de um mês até o máximo de um ano e, no caso de reincidência no período de doze meses, pelo prazo mínimo de seis meses até o máximo de dois anos, segundo critérios estabelecidos pelo CONTRAN.

A penalidade de suspensão do direito de dirigir será imposta nos seguintes casos:

I – sempre que o infrator atingir a contagem de 20 (vinte) pontos, no período de 12 (doze) meses, conforme a pontuação prevista no art. 259;

II – por transgressão às normas estabelecidas neste Código, cujas infrações preveem, de forma específica, a penalidade de suspensão do direito de dirigir. “

O artigo prevê que a suspensão de uma CNH possui prazo mínimo de um mês e máximo de um ano, mas o tempo pode ser estendido em casos de reincidência, que é quando o motorista comete a mesma infração em um período menor que 12 meses.  Quando há esse tipo de ocasião, o tempo da habilitação suspensa é de 6 meses a 2 anos.

Quais infrações possuem efeito suspensivo automático?

Existem várias infrações de trânsito que têm como medida preventiva a suspensão automática da CNH do infrator, porém as mais vistas nas vias são as de velocidade acima do limite permitido em mais de 50% e a de dirigir sob efeito de bebidas alcoólicas.

No CTB, é no artigo 218 que o ato está previsto. O texto prevê que o condutor que dirigir com a velocidade superior à máxima imposta na via em mais de 50% estará cometendo uma infração gravíssima, e esse tipo de infração rende, ao motorista, 7 pontos na CNH, multa de R$880,41, além da suspensão da carteira.

O ato de dirigir sob efeito de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa é infração gravíssima, prevista no art. 165 do CTB. O motorista que for pego dirigindo um veículo sob efeito de substâncias psicoativas que podem causar dependência estará cometendo transgressão gravíssima, somando 7 pontos na CNH. Entre as medidas administrativas, estão a suspensão da habilitação até um ano e a retenção do veículo, além da aplicação de multa, no valor de R$2.934,70.

E a cassação da CNH?

A cassação da CNH é caracterizada como uma penalidade mais severa do que a suspensão, sendo que o motorista que tiver a punição está impedido de dirigir por até dois anos. Sobre a cassação, o artigo 256 do CTB prevê, em seu texto, que ela deve ser aplicada:

“Art. 263: A cassação do documento de habilitação dar-se-á:

I – quando, suspenso o direito de dirigir, o infrator conduzir qualquer veículo;

II – no caso de reincidência, no prazo de doze meses, das infrações previstas no inciso III do art. 162 e nos arts. 163, 164, 165, 173, 174 e 175;

III – quando condenado judicialmente por delito de trânsito, observado o disposto no art. 160.”

Quando o condutor tem a sua CNH cassada, ele fica sem poder guiar qualquer veículo por um período de até dois anos, sendo necessário passar por todo o processo do curso de habilitação novamente. A punição mais grave presente em toda a legislação do trânsito é a cassação, que pode gerar uma punição de até 2 anos.

Contato

Para falar conosco, encaminhe sua dúvida para o e-mail doutormultas@doutormultas.com.br ou, se preferir, telefone para 0800 6021 543. O Doutor Multas não presta qualquer serviço restritivo de advogado ou outro tipo de serviço jurídico, atuando apenas na esfera administrativa.

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.