Skip to main content
 -
Gustavo Fonseca é Cofundador do Doutor Multas. Criado há 9 anos com o objetivo de ajudar os motoristas, já evitou que + de 5.200 clientes perdessem a CNH com consultoria administrativa personalizada. É dedicado a disseminar conteúdo relevante para conscientizar as pessoas sobre as Leis de Trânsito.

Veículo é apreendido com 3 milhões em multas

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Quem tem o hábito de verificar a pontuação da sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e a quantidade de dinheiro que já gastou para quitar as infrações cometidas nas estradas e rodovias em todo o território nacional? Após conferir essa história surpreendente, nós vamos começar a checar essas informações com mais frequência.

Afinal, não é todo mundo que possui aproximadamente R$ 3 milhões para dar conta de multas e documentos atrasados, não é mesmo? A história é digna de roteiro de cinema, mas aconteceu recentemente na maior cidade do Brasil. Vamos descobrir como ocorreu essa situação e aprender a tomar cuidado ao volante?

Carro foi apreendido com dívida milionária por infrações no trânsito

No dia 20 de fevereiro, um carro foi apreendido pelos agentes de trânsito na cidade de São Paulo. O motivo da apreensão veicular? A bolada de quase 3 milhões de reais em dívidas por desrespeitar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Conforme o site jornalístico Notícias por Minutos, o Renault Clio pertence a um empreendimento. O veículo foi parado no cruzamento nas proximidades de Interlagos, na Zona Sul da capital do estado, mas somente porque o motorista do carro se recusou a parar em um sinal vermelho. Dá para acreditar nisso?

A partir daí, a Polícia Militar observou o descumprimento das normas em vigência no Brasil no seu banco de dados e partiu em busca do condutor. Ao mesmo tempo, as autoridades policiais também descobriram que o carro em questão contava com um débito de R$ 2.899.216,25 em multas! Uma verdadeira fortuna somente por condutas irregulares cometidas ao volante.

Como se não bastasse tamanha imprudência, o veículo ainda acumulava outros R$ 2.295,29 em aberto em função do não pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

De acordo com informações repassadas pelos agentes policiais, o último licenciamento realizado pelo proprietário de modo adequado foi há 4 anos. Desde o ano de 2014, esse veículo conseguiu a “façanha” de acumular exatas 626 infrações nas estradas, sendo que boa parte delas foi obtida devido a trafegar acima do limite velocidade.

Vale salientar, ainda, que o condutor do veículo na hora da abordagem policial não tinha a sua situação regularizada. Assim, o motorista foi submetido a um processo com a finalidade de suspender a sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A possibilidade de que esse motorista não tenha mais o direito de dirigir é grande após esse flagrante temerário.

Depois da averiguação da Polícia Militar, o condutor foi liberado e o veículo foi enviado para um pátio. Isso significa que o carro só poderá ser retirado do local de apreensão após o pagamento das multas, bem como a adequação dos documentos de propriedade.

Atenção redobrada para escapar de gastos com multas

Agora que nós sabemos que deixar de pagar multas é um péssimo negócio, é essencial estarmos habituados a verificar se existe alguma advertência a ser paga, não é? Segundo o Uol Notícias, muita gente tem a mania de esperar para quitar todas as pendências de trânsito na hora de pagar a documentação.

Quem aí tem esse costume? A dica é rever essa postura agora mesmo. Afinal, as punições por erros nas estradas que não forem acertadas no período correto terão o acréscimo de juros. Todo mundo está ciente disso?

O fato é que essa medida é relativamente nova, uma vez que passou a vigorar no território nacional no final de 2016 devido a Lei Federal nº 13.281, § 4º do artigo 284:

art. 284, §4º – Encerrada a instância administrativa de julgamento de infrações e penalidades, a multa não paga até o vencimento será acrescida de juros de mora equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) para títulos federais acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado”.

A partir daí, o código de barras da Notificação de Imposição da Penalidade (NIP) perde a sua validade e o motorista terá de obter uma segunda via para efetuar o pagamento devido. Como fazer para ter acesso a esse segundo boleto?

O processo minucioso pode variar de um local para o outro por causa da estrutura do site do Detran. Assim, você pode receber outro boleto rapidamente ao entrar no site do órgão de fiscalização. A partir dali, tudo o que você precisa fazer é colocar o número do RENAVAM. Pronto, é só pagar e não correr o risco de criar uma dívida monstruosa!

Gostou de saber mais sobre esse acontecimento? Então, por que não aproveitar para indicar este texto para amigos e familiares nas redes sociais? Basta compartilhar ou deixar a sua opinião no espaço para os comentários.

E caso você ainda tenha alguma dúvida, é só entrar em contato com o Doutor Multas! Estamos à disposição pelo e-mail doutormultas@doutormultas.com.br ou pelo telefone 0800 6021 543. Ligue ou escreva! É totalmente gratuito e teremos a maior satisfação em esclarecer os seus questionamentos!

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.