Skip to main content
 -
Gustavo Fonseca é Cofundador do Doutor Multas. Criado há 9 anos com o objetivo de ajudar os motoristas, já evitou que + de 5.200 clientes perdessem a CNH com consultoria administrativa personalizada. É dedicado a disseminar conteúdo relevante para conscientizar as pessoas sobre as Leis de Trânsito.

Saiba quando buzinar pode gerar multa

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

 Sabia que o ato de buzinar em situações erradas pode gerar multa? Não? Então, acompanhe o texto, pois vou explicar as situações que podem gerar infrações para o condutor, rendendo pontos na Carteira Nacional de Habilitação e pagamento de multa.

Muitas vezes, quando estamos presos no trânsito, temos o hábito de extravasar o estresse na primeira coisa que temos à frente: a buzina. Porém, alguns condutores não sabem para que serve a buzina e qual o seu uso indicado de acordo com a lei.

Uso indicado da buzina

É importante lembrar que a buzina é um item obrigatório para os veículos. Essa exigência está prevista no artigo 41 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A sua utilização é permitida em apenas duas situações:

“Art. 41: O condutor de veículo só poderá fazer uso de buzina, desde que em toque breve, nas seguintes situações:

I – para fazer as advertências necessárias a fim de evitar acidentes;

II – fora das áreas urbanas, quando for conveniente advertir a um condutor que se tem o propósito de ultrapassá-lo.”

Como podemos ver, só existem duas situações em que a buzina deve ser utilizada, desde que o condutor dê um leve toque para acionar o equipamento. O uso da buzina em qualquer outra situação é proibido e pode gerar infração.

Quando buzinar é infração?

Como vimos no artigo 41 do CTB, só há dois motivos previstos na lei para o uso da buzina, ou seja, qualquer outra utilização do equipamento é proibida.  Muitos condutores não sabem dessa norma e também desconhecem o fato de que buzinar de forma exagerada ou sem motivo é infração.

Veja o que diz o CTB sobra essa prática:

“Art. 227 –  Usar buzina:

I – em situação que não a de simples toque breve como advertência ao pedestre ou a condutores de outros veículos;

II – prolongada e sucessivamente a qualquer pretexto; III – entre as vinte e duas e as seis horas;

IV – em locais e horários proibidos pela sinalização;

V – em desacordo com os padrões e frequências estabelecidas pelo CONTRAN:

Infração – leve;
Penalidade – multa.”

Ou seja, o condutor que não respeitar essas normas corre o risco de ser atuado por infração leve, tendo que pagar multa de R$88,38 e ganhando 3 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Cuidado com as placas

Muitas vezes, ao dirigir próximo a hospitais e instituições de tratamento, nos deparamos com uma placa contendo uma buzina e uma faixa vermelha. Ela é conhecida como placa de regulamentação R-20. Esse tipo de sinalização está localizado em locais onde é proibido acionar o equipamento ou qualquer outro sinal sonoro.

De acordo com o inciso IV do artigo 41 do Código de Trânsito, é proibido acionar a buzina na frente de hospitais, escolas ou dentro de túneis. Além disso, também há locais em que é proibido acionar o instrumento em determinados horários.

Outras infrações

Também há outro tipo de infração relacionado à buzina, esse, em específico, é relacionado diretamente ao volume do instrumento. A Resolução nº 35 de maio de 1998 fixou um nível máximo de pressão sonora da buzina. O texto explica que as buzinas devem ter no mínimo 93 decibéis e no máximo 104 decibéis.

Entretanto, a resolução é válida para os veículos fabricados a partir de 2002. Além disso, essa norma também proíbe os equipamentos que produzem sons semelhantes a sirenes, evitando, assim, confusões com os veículos de resgate e policiais.

Apesar de ser uma infração leve, vale lembrar que se você foi multado por práticas relacionadas à buzina, é possível recorrer da decisão.

Recorrendo da decisão

Abusou da buzina e recebeu uma multa? Calma, você ainda possui três oportunidades de se defender e não sofrer com as medidas punitivas impostas.

Ao receber a carta do auto de infração, o motorista já pode iniciar o seu primeiro ato de defesa: a Defesa Prévia. Nesse primeiro momento, o motorista é informado da conduta transgressora e possui de 15 a 30 dias para se defender.

Caso perca esse prazo, ele ainda pode recorrer na Primeira Instância, encaminhando sua defesa à Junta Administrativa de Recursos de Infração (JARI). Se esse recurso for indeferido, o condutor deve encaminhar sua defesa em Segunda Instância para o órgão responsável pela autuação da infração (CETRAN, CONTRAN, etc.).

Advertência

Entretanto, se optar, o condutor também pode tentar converter a multa em uma advertência. A transgressão de buzinar em locais proibidos ou de forma excessiva é uma infração leve, o que aumenta as chances da conversão.

A conversão da multa em advertência é algo previsto em lei, ou seja, é um direito do cidadão, pois a legislação brasileira de trânsito busca educar os condutores antes de puni-los. Com esse pensamento, converter a multa em uma advertência quer dizer que deixar de pagar o valor da multa e encarar como uma punição de aviso educativo faz com que o condutor tome as decisões corretas em prol da segurança e fluidez no trânsito.

Contato

Nosso e-mail: doutormultas@doutormultas.com.br

Telefone: 0800 6021 543

O Doutor Multas não presta qualquer serviço restritivo de advogado ou outro tipo de serviço jurídico, atuando apenas na esfera administrativa.

Compartilhe nas redesShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.