Crise no PSDB antecede escolha de candidatura da Terceira Via

A cisão interna no PSDB devido à escolha da candidatura única de alguns partidos da terceira via para a presidência se intensificou durante o fim de semana. O imbróglio se dá ao redor de pressões da cúpula do partido para que o pré-candidato João Doria desista da disputa em prol da senadora e candidata pelo MDB, Simone Tebet.

Na sexta-feira (13) a executiva nacional do PSDB decidiu que utilizaria pesquisas quantitativas e qualitativas para a definição da chapa dos três partidos que pretendem lançar a candidatura única, o PSDB, MDB e Cidadania. A campanha de Doria entende que a movimentação seria desvantajosa para o ex-governador paulista por dar mais peso a critérios como rejeição entre o público feminino do que aos resultados concretos em pesquisas de intenção de voto nas quais ele tem performance melhor.

Em resposta, Doria enviou uma carta ao presidente do partido, Bruno Araújo, no qual reitera que os resultados das prévias internas do partido devem ser respeitados e que pressões por parte dele para retirar Doria da disputa não poderiam ser feitas. Na carta, Doria ressalta que o resultado de pesquisas de opinião “refletem o momento e (…) [não] podem servir para guiar os destinos do partido na eleição”. A movimentação da executiva-nacional também foi criticada por outras figuras do partido, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o deputado federal Aécio Neves (MG).

A direção se reunirá na terça-feira (17) com deputados e senadores para decidir o futuro da candidatura. A expectativa é de que a reunião seja utilizada para discutir um levantamento contratado pelos partidos para auxiliar na escolha do candidato único, mas que a escolha do nome seja postergada. Doria tende a buscar uma maior extensão do prazo para o anúncio conjunto, uma vez que entende que melhorará sua performance em pesquisas.

Todas as candidaturas da terceira via têm enfrentado dificuldade para despontar nas pesquisas de opinião, que indicam manutenção na polarização entre as candidaturas de Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL) nos últimos meses. O cenário de dificuldade para a terceira via se acentuou com a desistência do União Brasil de compor uma candidatura única com os outros partidos.

A unificação de candidaturas dos três partidos também tem como obstáculo a alta rejeição, no caso de Doria, e baixo conhecimento do eleitor sobre a figura de Tebet. O cenário de disputa interna ao PSDB tende a dificultar ainda mais a situação de Doria, uma vez que há menos esforços dedicados a uma campanha eleitoral propriamente dita, e uma possível judicialização do caso não é descartada.

One thought to “Crise no PSDB antecede escolha de candidatura da Terceira Via”

  1. Finalmente Doria teve um feedback previsivel nessa segunda, dia 23! Nem parece ter tido experiência com executivos por ele, entrevistados, em programas de entrevistas, de outrora! Conseguiu, deixar o Butantã reconhecido internacionalmente pelos soros e vacinas que produz, “na lanterninha”, até com o “fiasco” de “vacina nacional” que na prática seria “nacionalizada” visto tratar-se de laboratório dos EUA, que autorizou a produção ocorrer no Brasil! A “Coronavac” aprovadissima para quem tem comorbidades pela aplicação da conhecida técnica de “soro”, onde Doria poderia ter implementada a vacinação nos Aeroportos, que traria divisas ao Estado, foi uma ideia parece “nascimorta”! Não se vislumbra uma candidatura majoritária nacional, levitando a nível Estadual, ou melhor, de um Gestor que deixou de aliar: Imunização em Turistas X Turismo Estadual! Só para ter uma ideia, em tempos “normais” Aparecida do Norte recebe anualmente 12 milhões de pessoas, na Crise Covid-19 quem levou Solidariedade a cidade foi a Primeira Dama do País!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *