A prisão de Baldy é pior para Doria em Brasília do que em São Paulo

Alexandre Baldy é goiano, mas sua residência se divide entre Brasília e São Paulo. Pelo menos até a visita da Polícia Federal hoje pela manhã no seu apartamento em bairro nobre da capital paulista.

De Goiás para São Paulo

Baldy ganhou visibilidade política quando assumiu a Secretário de Indústria e Comércio de Goiás em 2011, a convite de Marconi Perillo (PSDB-GO). Também nessa época o secretário se filiou ao tucanado.

Com perfil discreto mas incisivo, Baldy se elegeu deputado federal já pelo Podemos em 2015. Em 2017, ele chegou ao auge de sua carreira política, como ministro de estado do governo Michel Temer, agora filiado ao Partido Progressista (PP).

Durante toda sua carreira política, o ex-ministro acumulou aliados em vários espectros políticos, o que foi bastante útil ao ex-presidente Michel Temer no momento de escapar do processo de impedimento.

Foi muito pelo bom relacionamento cultivado por Baldy em Brasília que João Doria o convidou para assumir a Secretaria de Transportes de São Paulo.

Aliado em Brasília

Doria nunca escondeu suas aspirações federais nem o desconforto com a permanência do deputado Aécio Neves no PSDB.

Aécio venceu Doria em uma batalha importante no final de 2019, quando conseguiu emplacar o deputado Celso Sabino na liderança do PSDB na Câmara dos Deputados. Doria defendia o nome de Beto Pereira (MS). Deve-se lembrar que nesse mesmo ano, em julho, ele tentou expulsar Aécio do PSDB, em que também foi derrotado.

Em 2020, se ensaiava um novo embate entre os dois tucanos, dessa vez pelo posicionamento do partido na disputa pela liderança da Câmara. Era nesse contexto que Baldy poderia ser um importante aliado de Doria em Brasília.

 Aécio, Lira e Sabino x Maia, Doria e Aguinaldo Ribeiro

Como já dito anteriormente, Baldy é hoje filiado ao Partido Progressista (PP). O líder do PP, Wellington Roberto (PB), articulou a indicação do deputado Celso Sabino (PSDB-PA) para substituir Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) na liderança da maioria. Sabino é aliado de Aécio Neves e um deputado muito mais alinhado a Arthur Lira do que a Rodrigo Maia, que, por sua vez, é muito próximo de Doria.

A consequência dessa movimentação toda é que Celso Sabino vai enfrentar um processo de expulsão do PSDB por ir contra a determinação do partido e de Doria.

Perder Baldy em Brasília é péssimo para Doria tanto porque deixa de ter um articulador habilidoso nesse xadrez pela briga por poder dentro da Câmara, quanto pela sua imagem juntamente ao eleitorado.

Motivo da Prisão

A rigor, a prisão de Baldy não tem absolutamente nenhuma relação à sua atuação na Secretaria de Transportes. O governador, aliás, deve nomear um substituto bastante rápido para se distanciar da repercussão negativa.

Achar um substituto para a Secretaria dos Transportes de São Paulo é bem mais fácil do que achar outro aliado dentro do Partido Progressista, com o mesmo poder de articulação que Baldy tinha.

Bolsonaristas comemoraram a prisão de Baldy, mas quem deve estar sorrindo mesmo é Aécio Neves.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *