SBTdenuncia acesso indevido a sistema criminal com informações sigilosas

Publicado em

Denúncia exibida no JORNAL DO SBT, ontem, dia 11/03, mostra (infelizmente) a vulnerabilidade do SISTEMA INFOSEG – banco de dados criminais nacionais, gerenciado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. 

Um repórter do SBT comprou uma senha de um racker e teve acesso a informações sigilosas da presidenta Dilma, governadores de estado, ministros, etc. Com a senha de acesso ao sistema, qualquer criminoso, em tese, poderia acessar informações confidenciais de qualquer cidadão brasileiro.
Penso que é preciso que o INFOSEG seja imediatamente retirado do ar e revistas todas as normas de segurança do sistema. Não é possível que informações privadas dos cidadãos sejam acessadas por criminosos a partir de um banco de dados público.
Abaixo, o texto da notícia exibida pelo Jornal do SBT:
O SBT Brasil descobriu, com exclusividade, o esquema de venda de senhas do INFOSEG, o maior banco de dados de Segurança Pública do país. A ferramenta possui informações de milhões de brasileiros, inclusive dos que já estõa mortos, e é usada pela polícia para combater um crime. No entanto, em contato com um Cracker, como é chamado um criminoso de internet, a equipe do jornal teve acesso a como é feita a violação do serviço,.

Após a liberação do computador, o cracker, que está na Bahia, invade o sistema do Ministério da Justiça e, ao fornecer o CPF e uma senha de algum policial, o INFOSEG é aberto. Sob o pagamento de R$ 2 mil, o comprador do serviço tem acesso às informações de milhares de pessoas durante 30 dias. 

De acordo com um hacker, como é conhecido um justiceiro de internet, os maiores compradores das senhas do banco de dados são criminosos que querem fraudar documentos, placas de carros ou aplicar golpes a parte de informações adquiridas no sistema.

Hoje, o SBT Brasil mostrará quem é a dona da senha vendida e o dono da conta corrente que ganha dinheiro com a fraude.

Acesse aqui o link do vídeo exibido na reportagem de ontem

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *