Políticas públicas sobre drogas: uma discussão urgente

Publicado em

O governo de Minas acaba de anunciar a criação do cartão “Aliança Pela Vida”, já alcunhado de “bolsa crack” em algumas redes sociais, que vai proporcionar à família de um dependente químico a quantia de 900 reais mensais para tratamento do vício. Deste total, R$ 810 serão destinados ao pagamento para internação em comunidades terapêuticas e R$ 90 para despesas de familiares com visitas ao dependente. Toda iniciativa governamental na tentativa de enfrentamento dos graves problemas decorrentes das drogas, principalmente do crack, é bem-vinda. Mas esse tipo de programa, no meu entendimento, tem dois equívocos graves: 1.      O valor do benefício é insuficiente para um tratamento de qualidade, que demanda altos custos no acompanhamento dos dependentes, intervenções de equipes multiprofissionais, participação da família em todo o processo e longo acompanhamento do usuário/dependente com equipe especializada. 2.      O mais grave, porém, no meu entendimento, é que o governo, com esse tipo de iniciativa, transfere para o âmbito privado a responsabilidade de um grave problema de saúde pública. Ou seja, passa a ser responsabilidade da família e do dependente o êxito do suposto tratamento que, como se sabe, é altamente complexo. Isto sem entrarmos na discussão acerca da transferência de recursos públicos para a iniciativa privada, sem uma ampla discussão sobre a efetividade dessas comunidades terapêuticas (há denúncias de violações de direitos humanos em algumas dessas entidades). E o minimalismo que reduz o tratamento à internação do usuário (às vezes necessária, mas certamente insuficiente para resolver o problema). Compreendemos que para as famílias dos usuários essa iniciativa pode aparentar uma espécie de “tábua de salvação”. Vamos, então, observar, ao longo do tempo, os efetivos resultados dessa política… Ofereço ao leitor deste blog alguns links com discussões balizadas e feitas por entidades competentes no assunto. O Conselho Federal de Psicologia, acessado no link abaixo, apresenta uma extensa discussão sobre o tema das drogas, cidadania e políticas públicas. Vale a pena conhecer mais profundamente essa discussão, feita por profissionais competentes no assunto:http://drogasecidadania.cfp.org.br/category/analise-das-politicas-sobre-drogas/

Também indico o site “Psicologia on line” que apresenta treze razões para defender uma política para usuários de crack, álcool e outras drogas sem exclusão:www.pol.org.br/pol/cms/pol/noticias/noticiaDocumentos/13_razoes_-_FINAL.pdf

Por fim, no site do Observatório Brasileiro de Investigação sobre Drogas, da Secretaria Nacional Anti-drogas, há uma lista de instituições de atenção às questões relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas no Brasil. Clique em “Rede de Atendimento” e veja:
 http://obid.senad.gov.br/portais/OBID/index.php

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *