Pela vida livre e sadia de nossas crianças e adolescentes

Publicado em

Neste 18 de maio, governos e sociedade civil se mobilizam pelo Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.Em Brasília, o governo federal divulgou levantamento com mapa das denúncias sobre exploração sexual de crianças e adolescentes. O estudo aponta a existência de delações desses crimes em 2.798 municípios brasileiros, sendo que a região Nordeste apresenta o maior número de municípios (34%), seguida pelo Sudeste (30%), Sul (18%), Centro‐Oeste (10%) e Norte (8%).Segundo informações da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, tendo como base os dados do Programa Disque Denúncia – conhecido nacionalmente como Disque 100 ‐, no período de 2005 a 2010, foram registradas 25.175 casos de exploração sexual contra crianças e adolescentes. Entre as capitais, o ranking de cidades que mais denunciaram é liderado por Salvador (BA), seguida pelo Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Natal (RN). Com exceção da maior cidade brasileira (São Paulo), as outras capitais do nordeste e o Rio de Janeiro enfrentam ainda sérios problemas com o chamado “turismo sexual”. Infelizmente, ainda há  propaganda brasileira no exterior vendendo uma imagem do país das mulheres super-expostas (um dos principais atrativos para muitos turista procurarem nosso país). Os dados do Disque 100 apontam que o crescimento das denúncias também resultam da sensibilização da sociedade civil para os casos de violência. De maio de 2003 a março de 2011, o serviço já realizou um total de 2.640.801 atendimentos e recebeu e encaminhou 156.664 queixas de todo o país. Em relação aos municípios brasileiros, 90% deles já foram atendidos pelo serviço, informa o Blog do Planalto, em reportagem sobre o dia nacional de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.Para realização do estudo, foram consideradas os casos de prostituição, pornografia, tráfico para fins sexuais e exploração no contexto do turismo. O objetivo é subsidiar as ações do Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes – (PNEVSCA) para o enfrentamento do fenômeno de forma intersetorializada.Ao comentar a pesquisa, a ministra Maria do Rosário ( da Secretaria Especial dos Direitos Humanos) defendeu que o desenvolvimento do Brasil deve ser perseguido e trabalhado para enfrentar a exploração e o abuso sexual. A ministra informou, ainda, que é diretriz clara da presidenta Dilma Rousseff que os ministros se empenhem no desenvolvimento de políticas efetivas de proteção às crianças e aos adolescente.Em Minas Gerais o Disque Direitos Humanos (0800 – 031 – 1119) também desenvolve sistematicamente um campanha para incentivar as denúncias de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Em nosso estado, há uma extensa rede de apoio que conta com órgãos do Estado e várias entidades da sociedade civil.Tanto o Disque 100 como o Disque Direitos Humanos são serviços cujo acesso é gratuito e recebem denúncias sem identificação do denunciante.Qual a sua opinião sobre as práticas que envolvem violência sexual contra crianças e adolescentes? As políticas públicas têm minimizado o problema? O que a sociedade, as igrejas e as pessoas podem fazer para combater essa perniciosa e repugnante prática? Dê sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *