Greve da PM baiana: o acarajé azedou

Publicado em

A greve da polícia baiana evidencia, para os que ainda insistem em não perceber, que o modelo de segurança pública brasileiro está falido. São urgentes reformas em todo o sistema de justiça criminal, principalmente na segurança pública e nas polícias.  Chega de remendos novos em panos velhos. O modelo atual é incompatível com uma sociedade democrática e plural. Além dos inúmeros problemas da segurança no Brasil, convivemos, desde a redemocratização, com a imperícia de governadores estaduais que não dão conta de enfrentar as mazelas dos sistemas estaduais de segurança, principalmente em relação às corporações policiais (por medo, desconhecimento, cálculo político, etc.). Enquanto isso, passam-se os anos, multiplicam-se os gastos públicos num fantasioso marketing que tenta vender a imagem de que tudo está bem, e continuam alarmantes as taxas de crimes, as disjunções do sistema de justiça criminal, a competitividade predatória entre as organizações policiais. Abaixo, reproduzo um texto do cientista social GLÁUCIO SOARES, extraído do seu blog Conjuntura Criminal, um tos maiores especialistas em segurança pública do Brasil, sobre o tema.   “A Bahia é candidata ao indesejável título de estado mais violento do Brasil e a região metropolitana de Salvador também está se transformando numa das mais violentas do Brasil. Não é uma questão do partido que governa: a maioria dos estados do Nordeste tem governos que, independentemente do partido (ex.: PT na Bahia; PSDB em Alagoas; PSB na Paraíba etc.), não estão preparados para enfrentar os novos problemas. Predominam governos tradicionais e políticos, correligionários, amigos e parentes lotam as secretarias de segurança e as delegacias. A polícia, comparativamente com as mais treinadas do país, é pouco ágil, pouco técnica e muito violenta. Não obstante, ruim com ela, pior sem ela. Há uma greve da PM iniciada em 31 passado. Nesse curtíssimo prazo, de cinco dias, houve 78 homicídios na RM de Salvador. Nesse ritmo, chegariam ao triste recorde de 5.694 homicídios em 365 dias. É interessante notar que os homicídios foram muito mais altos na sexta do que na quinta e na quarta. Acontece com ou sem polícia: relativamente ao total dos dias da semana, os dias do fim da semana são violentos e, em cada dia, o horário da morte começa às 18hs. Durante o dia, a vasta maioria da população está protegida das balas, do álcool e das drogas nos seus escritórios e residências. Fora desse período, as condições são propícias à violência. As implicações políticas seriam graves, sem ajuda de ninguém, mas o governador da Bahia, Jacques Wagner (PT), decidiu jogar lenha na fogueira, afirmando que os policiais militares em greve cometeram o excedente de crimes que estão acontecendo em Salvador, aduzindo que os policiais em greve promovem um “banho de sangue” para amedrontar a população, para que pressione para atender às reivindicações salariais da categoria. É irônico ver um governador do PT em claro conflito com os representantes de uma categoria profissional. Porém, nos últimos dez anos, as diferenças ideológicas entre os partidos que, na prática de governar, já não eram grandes, ficaram mínimas. Os partidos contam ainda menos… Repetindo, há outra lição, mais importante: ruim com a polícia, pior sem ela.”  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *