BR 040: desmandos de toda ordem

Publicado em

(Foto: Beto Magalhães – EM/DA/Press)Todas as vezes que vou a Lamim tenho o dissabor de enfrentar a cada dia mais terrível, insuportável e ameaçadora rodovia BR 040. Nesta pequena crônica não quero tratar da situação caótica da rodovia, dado que isso é “chover no molhado”. Meu foco é outro: quero extravasar minha indignação contra a sanha das mineradoras que, descontentes em devastar nosso patrimônio natural, transportam o minério de Belo Horizonte até Congonhas, ameaçando a vida, a integridade e a paciência de todos os condutores de veículos que trafegam nesse trecho. Dezenas de brasileiros já perderam suas vidas, assassinados pelos caminhões de minério. Além de acabarem com a rodovia (destruindo afrontosamente o patrimônio público já em frangalhos), esses veículos acabam com o patrimônio privado dos proprietários de veículos (tenho inúmeros exemplos de amigos cujos pára-brisas de seus carros foram quebrados por restos de minério). Mas se fossem somente os prejuízos materiais, poderíamos suportar… O fato é que a cada nova viagem fico cada vez mais aterrorizado com o que vejo: veículos de transporte de passageiros sendo espremidos por caminhões; lançados para fora da pista; encurralados em ultrapassagens criminosas… É tanta barbaridade que fico cada vez mais convencido que a lei (no caso de trânsito) é letra morta para aqueles que detêm o poder financeiro. No Brasil quem manda é o capital. Em Minas, especificamente, as mineradoras. Existe neste país e neste estado algum governante preocupado com a vida e a integridade dos cidadãos? Cadê a Polícia Rodoviária Federal? Onde estão os ministérios públicos estadual e federal que sabem de tudo (da devastação ambiental, da destruição do patrimônio público, da mortandade de vidas na rodovia) e não fazem nada?E o DNIT? Qual o motivo para não duplicar o trecho? Falta de dinheiro? Conta outra… Esta pergunta deveria ser feita às mineradoras? Alguém sabe a quem devemos pedir socorro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *