Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Treinador tem de ter espírito Atleticano

Enquanto o Atleticano aguarda o anúncio do novo técnico, concomitantemente pensando no Atlético Paranaense, as especulações não param de agitar as redes sociais. Tem gente que dá como certa o anúncio deste ou daquele nome, outros aproveitam para desabafar sobre o treinador que estava no cargo.

 Analisando a situação e, evidentemente, pensando no melhor para o Galo, entendo que o novo comandante deve ter o espírito nosso, do Atleticano. O Galo, por tradição, é de luta, forte e vingador. Está no hino e inspirou Mangabeira ao criar o nosso mascote.
autuori
Hoje, mais cedo, comentei sobre a falta de liga do uruguaio com o time Atleticano. Ao que parece, faltou a ele exatamente essa essência que caracteriza o Clube Atlético Mineiro. Diego Aguirre e Paulo Autuori foram dois treinadores recentes que passaram por aqui sem entender o espírito guerreiro do Atleticano. Lutar, lutar, lutar  com ambos  não era percebido em campo. Se Autuori pelo menos se comunicava num bom português com jogadores e nas entrevistas, Aguirre nem isso conseguiu.
 Outro fator coincidente, tanto Autuori quanto Aguirre eram ríspidos nas entrevistas coletivas. Ora, cabe aos jornalistas o trabalho e perguntar e informar ao público (no caso o Torcedor) e eles invariavelmente foram grosseiros e deixaram de prestar informações e/ou esclarecimentos. Foi assim com Aguirre no caso Cazares.
Felizmente ambos já se foram e agora continuamos na expectativa do que virá. Seja quem for, como disse anteriormente, não pode ser um mero distribuidor de camisas. Tampouco colocar lateral de atacante.
O nome a ser escolhido pelo presidente e sua diretoria deve encarnar o que foi e é o Galo nestes 108 anos de glória. Assim como Cuca e Levir Culpi recentemente. Cada um, ao seu tempo e estilo, foram treinadores vibrantes. Quem não se lembra de Cuca naqueles jogos emocionantes da Copa Libertadores de 2013. Como ele mesmo disse depois, “aqui chega funcionário e sai Torcedor”. Levir da mesma maneira. Naquela Copa Brasil de 2014, o treinador só faltou entrar em campo naquelas viradas épicas do torneio.
cuca
Fotos: UAI/Superesportes
Viradas excepcionais, tanto com um quanto com o outro. Com Cuca, a partir do jogo com o Tijuana, depois New Old Boys até pegar o Olimpia na final, foram jogos para testar o coração Atleticano. Depois Levir, com resultados adversos frente ao Corinthians e Flamengo – dois times protegidos pela CBF e emissora que manda no futebol brasileiro –, impondo a inversão da “expectativa oficial” até chegar ao título. É assim que nós, Atleticanos, queremos o novo treinador. Seja ele quem for, mas que vista a camisa e incorpore o nosso jeito de ser. Pra cima deles, Galo!
PS: Duas considerações finais. O amigo Junot, torcedor azul de carteirinha acaba de me contar uma piadinha que não deu pra segurar. Segundo ele, o novo treinador de seu time, o português adiantou que “serão onze jogadores, um no gol e dez na linha”.
Outra: as mensagens de torcedores não-atleticanos diminuíram, mas alguns ainda insistem em me achar até de “feio”. Ora, ainda bem que pensam assim. Mas reiteram sistematicamente que detém duas Libertadores e quatro brasileiros. A maioria das mensagens faz este tipo de referência. Duas Libertadores e quatro brasileiros. Ou seja, 2 e 4! 2.4! 24! Ora a minha dezena e do Galo é 13 p****!

15 thoughts to “Treinador tem de ter espírito Atleticano”

  1. Gostaria de esclarecer que o Kalil foi muito importante para o Atletico, deu uma arrumada geral na bagunça que vários fizeram. Também errou grosseiramente quando contra tudo e contra todos contratou Paulo Autuori, todos sabiam que iria dar errado, técnico retranqueiro e medroso, tirou do Galo o que o time tinha de melhor que era a velocidade e a rápida transição da defesa para o ataque. Agora vem Daniel Nepomuceno e empurra guela abaixo este Diego Aguirre, novamente perdemos o primeiro semestre que era bastante promissor, mas, quando divulgou o nome do treinador, o torcedor já esperava isto. Os dirigentes precisam entender que o maior patrimônio do clube é o torcedor e tem que ser respeitado, o presidente inventa um treinador e o sofrimento é nosso.

  2. Olá Eduardo, que bom que você tem esse blog e podemos escrever algum comentário. Li todos os acima, concordo com quase tudo. Marcelo entende de futebol; ele sabe reconhecer um jogador de potencial e dar força a ele. Fiquei triste, para não dizer outra coisa, quando o Kalil o dispensou. Com certeza vai fazer o time render mais. Contra o São Paulo , como disse o nosso amigo Marcelo, faltou estratégia. Treinador não faz milagre, às vezes é bom profissional e alguns jogadores o boicotam. Mas acho que Marcelo vai colocar o melhor time possível para jogar, da maneira que queremos: rápido, ofensivo e sabendo se defender quando preciso.

  3. Confirmado Marcelo Oliveira até 2017. Pra quem não sabe, ele foi penta campeão mineiro pelo Galo em 82, jogando num ataque formado por ele mais Tita, Reinaldo, Renato e Rômulo. Passo o poster pra quem quiser (cópia, lógico!). Agora sim, o Galo será treinado por quem entende do ofício.

  4. Amigo Dudu,
    Concordo com a sua opiniao, o proximo trinados, tem realmente que abracar a causa atleticana, e vestir a camisa, e nao somente distribuir. Espero que o novo treineiro, seja apresentado logo, pois assim a longa agonia, que mais parece uma novela mexicana, acaba. VOLTA KALIL, que o Aguirre, ja foi…….e tarde. AQUI E GALO, PORRA!!!

  5. Caro colega jornalista rabino Ávila! Concordo plenamente com sua análise sobre o perfil do próximo treinador. O Levir até que se empolgava à beira do campo, mas no meu crivo ele não passa. Gosta de um jogo de espera polícia, como dizia o Kafunga, de toquinhos pra lá e pra cá, além de conceder mordomias mil para os jogadores, como folgas de 3, 4 dias, tirar o período de concentração antes dos jogos em BH e, o pior, não admite estrelas em seu time. Ele foi o responsável pela saída do Ronaldinho, que poderia estar até hoje no Galo, pois na certa estaria rendendo mais que o Robinho, além de que contribuiria ainda mais para divulgar o Galo mundo afora. Mas voltando à vaca fria, um nome que encarna a mística e a garra atleticanas é Toninho Cerezo. Podem questionar a antiga passagem dele como treinador, mas naquela época o time era horrível, péssimo, e não havia estrutura e nem dinheiro para nada. Agora são outros tempos. Gostaria de ver o grande Cerezo no Galo. Abs.

  6. O meu xará aí em cima acertou ao dizer que Patric atuou como atacante na base. Inclusive durante uns bons anos. Ele mesmo já alou sobre isso. Então, não foi “inventado” naquela posição, como alguns sabidos gostam de dizer. A verdade é que falta a ele qualidade técnica. É muito esforçado, tem ótimo preparo físico e recompõe bem a marcação. Mas nunca será aquele jogador habilidoso, que parte pra cima da defesa. Ele pode sim ser muito útil ao elenco, pois atua em várias posições, mas de forma nenhuma pode ser titular. O negócio dele é entrar no segundo tempo das partidas e surpreender as equipes adversárias. Quando a torcida e os treinadores do Galo conseguirem entender isso, Patric certamente será uma figura diferenciada dentro do elenco.

  7. Por isso o futebol europeu está “anos luz” na frente do futebol brasileiro. Já fomos os melhores do mundo, coincidentemente (???) na época em que um treinador permanecia no clube, no mínimo uma temporada inteira. Hoje, um t´cnico na Europa permanece tres, quatro temporadas, no mínimo. Não é demitido por derrotas consecutivas, mesmo em clássicos ou goleadas, Se respeita o trabalho e o projeto a longo prazo. Os cartolas brasileiros são incompetentes, imediatistas, Agem com a emoção, nunca com a razão. Levir foi demitido nestas circunstâncias, assim também foi Marcelo Oliveira no Cruzeiro, o Aguirre agora. O próximo, basta perder algumas partidas importantes e pronto! A imprensa forma a opinião pelo senso comun, sem análises críticas mais apuras. Não respeitam o tempo do técnico montar a sua equipe, aprender com as derrotas e crescer com as competições. O técnico tem a responsabilidade de conhecer o atleta como a palma da mão, mas não lhe dão esta oportunidade. Principalmente a imprensa do rádio. Ela é cruel e extremamente emocional, portanto, incompentente e injusta! Melhor o GALO contratar DEUS. Ele não erra.

    1. Levir não foi dispensado saiu porque quis, agora o aguirre não é bom mesmo escala errado substitui errado e não tem o espirito do atletico, acho sim que teriam que ter segurado o Levir, mas o melhor foi realmente o Cuca, erraram e contratar o aguirre deveriam ter esperado uns dias até o Cuca chegar no Brasil porque ele queria voltar para o Galo, eu mandei vários e-mails para eles esperar mas não ouviram. Se fosse o Cuca teriam ganhado o Mineiro e continuaria na Libertadores. Um abraço a todos que comentaram inclusive o cruzeirense

  8. Eduardo, sou Cruzeirense, mas gosto do futebol bem jogado, infelizmente o Cruzeiro não está bem, mas existem muitas diferenças de caracteristicas entre as nossas torcidas, de fato o seu time está melhor com peças individuais e jamais este Patrick deveria ser titular, fico pensando o que Caceres,Clayton,Carlos e Youri pensando,? Pô estamos na reserva deste cara? Ai o treinador responde ah o Patrick joga taticamente, mas vocês tem a opção do Eduardo (bom jogador e com potencial que se jogasse no Cruzeiro seria titular do Donizetti), pois é esta é umas das diferenças, se o Cruzeiro tivesse estas peças, jamais nós deixaríamos o Patrick ser titular, voces ficam muito preocupado em mostrar para mídia que vocês são fantásticos e esquecem destes detalhes. Voces erraram como nós erramos contra o Estudiantes, malandragem, contra o Estudantes o Perrela tinha vendido o Ramires para o Chelsa e o Veron sabia disto e o ameaçou de machuca-lo e também ele não ouviu o conselho do Sorin, Fale para o Veron que eu mandei abraço e também para a sua esposa, O Veron iria dar uma porrada no Ramirez e seria expulso e ganharíamos o titulo, faltou o Donizetti provocar o Ganso e eles fizeram isto com voces na primeira partida. O Maluf conheçe tudo de futebol por isto estas contratações (o conheço bem deste o tempo do Valerio), Saudações Celeste!

  9. Pelo que me lembro patric atuou na frente durante categoria de base. Não defendo ele lá na frente, mas o treinador não inventou isso não.

    1. E ele se destacou no Sport jogando de ponta direita praticamente. É onde joga melhor e não foi Aguirre nem Levir que inventaram isso. Mas a maioria só critica, sem fundamento. E outra, marcelo oliveira é a pior de todas as opções, lamentável a escolha da diretoria.

    2. Caro Guilherme, o Patrick é lateral dos mais ou menos, agora atacante …você tá de sacanage…
      Se pedir a escalação a quem nunca jogou futebol, ele não ficara nem no banco de reservas, isto com esse elenco do Galo… Coisa do professor pardal Aguirre…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.