Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Sempre fomos o maior de MG

Desfalcado de seis dos nossos principais jogadores e num horário imbecil que só a fmf – nessa subordinação inexplicável com essa tv – é capaz de fazer com o Torcedor. Quarta-feira, dia útil, 16h30m, com o Mineirão abrindo apenas o setor roxo inferior e parte do superior. Ao que percebo é mais uma provocação com o Atleticano.

A federação, com sua fragilidade – virou trampolim para cargo de Desembargador e nas eleições majoritárias – nada pode fazer. A dona do pedaço, a rede de televisão, com a justificativa malandra de que tem um tal de bbb à noite, sacaneia com o Torcedor que neste horário estará trabalhando. Nada me convence. É retaliação com o Galo. Diretoria, jogadores e – principalmente – a Massa que reagiu à molecagem que fizeram recentemente.

Apesar dessa atitude de gente com inteligência curta, o Galo irá a campo em busca da vitória e disputar mais uma final do Mineiro. Em que pese, essa pseudo organização – que fez o Galo mandante cinco vezes e os dois outros da capital seis cada – ficamos na liderança e temos vantagem nas semifinais. Nosso adversário, a Caldense, neste ano perdeu para o Galo por três a zero no último domingo, mas venceu um dos dois de BH e para o outro foi derrotada com um gol na segunda prorrogação. Lembram? O juiz deu cinco minutos de acréscimo e depois mais três até sair o gol que derrotou o time de Poços de Caldas.

É um adversário difícil, apesar do placar dilatado que fizemos na rodada final da fase de classificação. E, nesse jogo de hoje, além da cbf nos tirar Arana, outros quatro estarão servindo à seleção dos seus países. Godín, Uruguai; Junior Alonso, Paraguai; Savarino, Venezuela e Vargas, Chile. Para domingo, frente ao mesmo adversário, além deles ainda Éverson que vai para a selecinha do Tite e da cbf. Em 2012, com o Mala Menezes, foi assim que agiram com o Galo. Convocavam jogadores tão e somente para desfalcar o nosso time.

Creio que para hoje, além do Éverson, vamos ainda de Guga; Nathan Silva, Rever e Tchê Tchê – ele jogou certa vez improvisado pelo Cuca e foi bem -; no meio Allan, Jair, Zaracho e Nacho; com Hulk e Keno na frente. Admito ainda que pode trocar Nacho por Ademir, fazendo ao invés do 4-4-2 um 4-3-3. O que não dá é pensar e imaginar que venha a repetir como em outros jogos o 4-2-4. Tentou algumas vezes e não funcionou em nenhuma delas.

Seja qual for das duas primeiras alternativas, o Galo – apesar dos desfalques – tem tudo para sair do Mineirão com uma boa vitória. E no domingo, em dia e horário menos cretinoide, selar sua classificação para a final a ser disputada com o vencedor da outra semifinal. E, no caso de classificação para a essa finalíssima, em jogo único conforme decidiram os times menores de Minas Gerais, ir com todos os seus titulares em busca de mais um título regional.

Em tempo: Ontem, por diversas vezes, deparei com gente postando e especulando sobre o reconhecimento do título de 1937. Aquele campeonato com seis equipes, onde quatro disputaram a fase final, vencido pelo Galo. Como penso! Não fosse aquela maracutaia, capitaneada pelo Ricardo Teixeira e que contou com o apoio de um certo dirigente mineiro, que negociou a implosão do clube dos 13 pelo título, sequer gastaria tempo com o assunto.

Ocorre que, como essa gente abriu a porteira, nada mais legitimo que esse pleito e, em função disso, o acatamento pela cbf. Afinal, esse título de 1937 foi muito mais disputado que torneio Rio/São Paulo, Roberto Gomes Pedrosa e taça Brasil, de tempos anteriores aos anos 70. Se abriram esse precedente, então que seja amplo Concito pois, aos Atleticanos que concordam com esse pleito, a abraçarem a causa e que em breve possamos festejar além do aniversário do Galo, também o tricampeonato brasileiro. Que venha o tetra!

E vou mais além. Entendo que o Galo, assim como fez e vem se empenhando pelo reconhecimento desse título, outros ainda merecem ser cobrados da cbf. O campeão dos campeões, organizado pela cbf e disputado em 1978, foi jogado no ralo pela entidade. O Galo ganhou! E junto à FIFA, considerando toda a importância daquela excursão Atleticana em solo europeu, igualmente, reivindicar o título de campeão mundial de clubes. UAI! Porque não? Se o anão de circo, então presidente de clube mineiro, negociou com a cbf o reconhecimento acima, podemos sim empenhar junto da Federação Internacional de Futebol.

*fotos: Pedro Souza/Atlético

26 thoughts to “Sempre fomos o maior de MG”

  1. Réver não pode ser reserva de Godin. Joga muito. Logicamente que a posição é de Alonso, mas Réver tem que ser o reserva imediato.
    Rubens mostrou muita personalidade. Espero que tenha mais oportunidades.
    Nacho não pode ser titular desse time. Isso é uma afronta.
    Ademir é liso. Não pode ficar de fora.
    Hulk, nem sei o que dizer.
    Keno foi mal. Tem crédito mas não pode fazer beicinho ao ser substituido.

  2. Comentarista de arbitragem do Sport não ver pênalti em Hulk é muita má vontade.

  3. Fim de primeiro tempo. Tá tudo muito bem, tá tudo muito bão e o Hulk é o maior artilheiro do novo Mineirão. Mas…o turco deixar o Zaracho, nosso melhor meio campista de fora pra colocar o morto Nacho, é muita sacanagem.

  4. Caro blogueiro. Parei de ler no 5º parágrafo: ” esse título de 1937 foi muito mais disputado que torneio Rio/São Paulo, Roberto Gomes Pedrosa e Taça Brasil.” Infelizmente já no final. Os torneios citados pelo senhor eram disputados pelos campeões estaduais de cada ano, teve continuidade, dava vaga para a Libertadores e disputadas por equipes de altíssimo nível. Pela sua idade, o senhor deve se lembrar destas disputas. Já o desenterrado de 1937 contavam com times de segunda linha do nível de Rio Branco/ES, Portuguesa/ SP. Manere nas interpretações, uma coisa é achar justo outra é comparar torneios oficiais com amadores em épocas e formatos totalmente distintos. Antes de qualquer coisa, não sou cruzeirense e muito menos atleticano ok? Tome seus remédios regularmente. Abs

    1. Pedrinho, aqui cuidamos e tratamos de Galo. A omissão, em sua missiva, do Fluminense teria sido proposital? Creio que sim. A Portuguesa, assim como o campeão carioca omitido, ganhou o paulisra. Daí a competição com os campeões dos estados participantes. Para fechar, foram seis jogos, procure saber quantas partidas – por exemplo – jogou o campeão da Copa Brasil de 1966.
      Vou te ajudar. Oito jogos. Dois com cada adversário: Americano, Grêmio, Fluminense (que propositalmente vc omitiu no caso do Galo) e Santos. No caso do Galo seis jogos, dois a menos. Duas vezes, também, com cada concorrente. Ambos, insignificantes, mas pau que dá em Chico também vai dar em Francisco.
      No mais, o velhote tá com os remédios, a cabeça e a energia de um 60tão com tudo em cima.

      1. Dava vaga pra Libertadores? Teve continuidade? Era um torneio oficial? Pelo que li então da resenha do Sr tá mais pra um quadrangular amador que um torneio nacional. Não force a barra blogueiro, seu time tem condição e talento pra ganhar campeonatos em campo, oficiais. Qto ao campeonato de 66 citado pelo senhor o campeão do ano superou só o melhor time do mundo, na época. Abs

        1. Custou mas confessou e assumiu a motivação que o trouxe até o nosso espaço Atleticano. Naquela ocasião, você seguramente não sabe por ser tão jovem como pretende demonstrar, nem haviam jogos internacionais. Então nada de Libertadores. E o torneio foi oficial, organizado pela antecessora da CBD, que depois virou CBF. Tanto que, anos depois (1950), o Galo foi a Europa e abriu o caminho para esse tipo de excursão ao exterior. Curta sua série B e faça logo seu cartão de sócio reconstroxão e vai lá dar dinheiro pro Ronalducho. Aqui, caro é SÓ Galo, já na próxima vai perder seu espacinho em busca da fama. Acabou a solidariedade com mala sem alça. Vai caçar sua turma, queridinho Pereirinha!

          1. Muito bem colocado. Eu, que tinha dúvidas sobre o pleito, passei a estar convencido, e agradeço ao nobre blogueiro, pois, mesmo confessando alguma restrição à reivindicação, trouxe informações claras, objetivas e relevantes. Há também um acréscimo que considero fundamental: o Brasil de 1937 não possuía a densidade populacional e integração física real entre os Estados, como hoje existe – em resumo, o campeonato de 1937 foi a melhor tradução do que seria um campeonato nacional em… 1937…! E nosso clube, realmente, tem talento para ganhar títulos em campo – tanto que o ganhou o de Campeão dos Campeões.

  5. Acabei de ver que estão fomentando a troca de Edenilson por Keno. Procede isso, produção? Até quando esse Edenilson vai ser especulado no Galo? Para com isso! Keno é o melhor ponta esquerda do Brasil. Isso só pode ser notícia plantada pra me encher o saco.

  6. Prezado Teobaldo, boa tarde!
    Concordo com sua afirmativa de que o correto seria o jogo ser em Poços de Caldas e também de que a Caldense terá um prejuízo maior jogando aí em BH do que aqui. O estádio municipal de Poços de Caldas tem capacidade para 7000 torcedores aproximadamente, então sendo bem simplista, com ingressos a 50,00 teríamos uma renda bruta de 350000,00. Deste valor digamos que todos os custos relacionados à partida, inclusive o VAR e FMF ficasse em torno de 50%. Ainda assim sobrariam líquidos 175000,00, uma boa renda para o interior. Faltou visão à diretoria da veterana!
    Mas, meu negócio é o Galo! Aí ou aqui é ir pra cima da Caldense sem dar motivos pra choradeira pro pessoal aqui de Poços.
    Abraço!

  7. Galo lindo tricampeão brasileiro. Porque não?! Para variar, mais uma vitória hoje. Apesar do horário esdrúxulo, vou assistir, sim! Amo esse Galo de paixão!

  8. Bom dia Massa e Guru

    Pois é, a marcação deste jogo para o horário de visita à hospitais é somente um indicador do que esta por vir na campanha que a emissora, junto com a CBF, STJD e a imprensa do eixo vão fazer para atrapalhar nosso êxito este ano.
    Uma pergunta que não quer calar: o BBB só passa em MInas? Porque nos outros estados todos os jogos serão à noite e em horários decentes. Este tal de BBB me lembra alguma coisa azul aqui.
    Tem problema não, temos elenco, temos diretoria e temos uma torcida fora de série. Como diz o ditado:
    “Praga de urubu magro não pega em cavalo gordo”

    1. A Globo não detem os direitos de transmissão do Campeonato Carioca e Paulista, só detem o de Minas

  9. Sou totalmente contra qualquer reconhecimento posterior à celebração do título. CBF, FIFA, qualquer um pode reconhecer, mas pra mim, o campeonato brasileiro existe desde 1971 e o GALO é o seu primeiro (e atual) campeão. Dito isso, gostaria de ver hoje, o garoto Neto jogando na lateral direita no lugar do fraco Guga, e Calebe na esquerda, pois Tchê Tchê ao que parece, não vai mesmo continuar. Também prefiro Réver ao Igor Rabello. Rabello é nosso pior zagueiro. Mostra que não basta ter altura pra ser bom no jogo aéreo. Nesse fundamento (e em diversos outros), Rabello é péssimo. Lamento também, que os clubes do interior não possam realizar os jogos decisivos em seus estádios e cidades. A única razão dos estaduais ainda existirem, é a possibilidade de os clubes do interior receberem os times da capital em suas cidades, impedindo assim, essa fato provinciano e ridículo, que é ter mineiros torcendo pra clubes de outros estados. Uma pena. GALO rumo ao TRI! SAN

    1. Kkkkk. Quero chacota NÃO. Título via Fax deixa pra Cruzeiro. Ñ. Quero ñ. Li várias vezes aqui no blog a crítica e agora mudar de ideia. Ñ. Mol x NÃO.

  10. BOM DIA EDUARDO E MASSA ATLETICANA.
    TEMOS SIM , O DIREITO DE EXIGIR O TÍTULO BRASILEIRO DE 1937. PRECISA SIM SER RECONHECIDO E SOMOS SIM TRI CAMPEÃO BRASILEIRO DE DE FATO E DE DIREITO.
    JÁ DISSE AQUI VÁRIAS VEZES , ESSE NEGÓCIO DE CLUBE VIRAR EMPRESA E SER VENDIDO NO BRASIL NÃO VAI DAR CERTO.
    VEJAM O CASO DO CSA , QUE JÁ ESTÁ FAZENDO ÁGUA.
    PARA O GALO , O CORRETO , SERIA MANTER O SISTEMA ATUAL , COM CORREÇÕES E MELHORIAS , É CLARO.
    COM ADMINISTRAÇÕES PROFISSIONAIS E RESPONSÁVEIS.
    SEGUNDO FOI PROMETIDO PELA DIRETORIA ATUAL , EM 2026 TEREMOS NOSSA DÍVIDA PRATICAMENTE RESOLVIDA E REDUZIDA A NUMEROS NÚMEROS BAIXOS E ACEITÁVEIS.
    PORTANTO É MANTER O MESMO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO , PROCURANDO SEMPRE APERFEIÇOAR CADA VEZ MAIS.
    O GALO É DO POVO……………
    O GALO É DO POVO…………….

    1. Verdade. Até anônimos, que não tem coragem de mostrar a sua cara, são papagaios. Atleticanos são diferentes, não são covardes. Têm orgulho, já outros vaidade. Muito nos difere. Sigamos!!!

    2. Concordo contigo, Anônimo, papagaio fala. Já asnos e congêneres não sei se falam, mas é fato que conseguem digitar!

      1. NÃO ñ não é NÃO. Li aqui no blog mil vezes que queríamos título via Fax. Ñ mil x ñ. Agora vou festejar via Fax. Deixa só pra eles. Gosto de título é na bola rolando. Foi o que aprendi aqui msm.

  11. Podem até não reconhecer. À mim pouco importa. O que vale é esse sentimento de atleticanidade, que transcende pseudo autoridades reconhecerem ou não. Nós sentimos, conhecemos, reconhecemos e somos reconhecidos CAMpeões.

  12. Espero que o Turco nunca mais escale o time no 4-2-4, pois já está mais que provado, que esse esquema de jogo não funciona no galo. Na minha visão, seria mais lógico uma semifinal em jogo único, e a final em dois jogos, mas fazer o que né. Jogar 3x seguidas contra a caldense, só serve para dar ritmo de jogo aos titulares.

  13. O certo, o moral, o digno, seria o jogo ser mandado em Poços de Caldas no dia e horário que a Caldense julgasse conveniente. Apesar do exposto sou obrigado a reconhecer que a culpa dessa palhaçada é dos próprios clubes, afinal de contas tudo isso é decidido por eles mesmos no Conselho Arbitral que antecede o campeonato. Em tempo: reclamações de que “o VAR é caro” (R$ 60.000,00 pelo que ouvi) não procede. Certamente o prejuízo da Caldense jogando no Mineirão, nas condições colocadas, resultará num prejuízo muito maior. Por fim, o Atlético deveria reivindicar junto a FIFA que aquela copa disputada em campos da Disney tempos atrás, que em muito se aproximada dos “festivais” jogados nos campos de várzea de BH nos anos 1970/1980 também fosse considerada Campeonato Mundial.

  14. Bom dia a todos!
    Pois é. Jogo do Galo em plena quarta feira, dia útil, às 16:30. Meu trabalho não permitirá que eu assista ao jogo, então, bora Galão trazer o resultado positivo e garantir a classificação no final de semana.
    Na sua escalação Ávila, creio que Rafael estará na vaga de Éverson, pois é melhor dar mais ritmo ao Rafael que será o goleiro no segundo jogo do que ao Éverson que irá para a seleção.
    A respeito do pleito sobre a taça de 1937, confesso que preferia que o Galo nem tentasse. Se os outros quiseram validar como título brasileiro os campeonatos de purrinha, que o Galo continue comemorando o Campeão dos Campeões, que faz parte honrosa do Hino mais lindo do mundo.
    Que venha a vitória, mesmo que no sufoco.

  15. Prezados Ávila, atleticanas e atleticanos!
    Se temos 18 jogadores com condição de titularidade, não temos porque temer o jogo de logo mais. O problema deverá ser a lateral esquerda. Pode ser com o tchê-tchê ou com o Calebe que também já substituiu o Dodô com boa atuação.
    Qualquer que seja o time, vamos buscar a Vitória com certeza. Com relação ao horário do jogo, acompanho o relator: trata-se de birra em função de atitudes recentes dos jogadores do galo em não dar ibope a globolixo.
    Vamos que vamos…
    Hoje e sempre, Galo!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.