Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Reforçar enquanto Minas é só Galo

Aguardando a oficialização do retorno às competições, o Atleticano está com a vida intensa, ainda que sem jogos. Acompanha, com paciência e resignação, a movimentação em torno da definição do elenco. Sette sabe que não pode mais errar. Alguns de seus defensores aqui no blog argumentam que Kalil errou e apanhou muito até conquistar aquela série inesquecível de conquistas. Tomara!

Não sou da área administrativa nem da econômica, pouco entendo dessa complicada engenharia de gestão. Sei apenas – ainda que timidamente – retratar o meu e parte do nosso sentir Atleticano neste Canto do Galo. De maneira geral, por mais inseguro que fiquemos todos nós, queremos o melhor para o time Clube Atlético Mineiro. Conquistas e saúde financeira.

Escapamos de uma eventual punição financeira da FIFA em dois momentos recentes, que somados a tantos outros anteriores, ameaçaram o Galo. Imagina começar a competição, situação que corremos risco, com pontos negativos. A soma de penalidades dessa natureza poderia até mesmo descer o nosso time de Divisão. Xispa! Sai pra lá, coisa ruim!

Diante disso, mesmo com muitas críticas à direção, louvo a ginástica que vem sendo feita para evitar viver tamanha depressão. Não podemos perder nunca essa condição de maior e melhor de Minas Gerais. Nos primórdios, recorrendo ao mestre Kafunga, o clássico foi Galo e leão, depois coelho e raposa sucederam, mas o nosso time sempre foi o protagonista.

Em tom de brincadeira, num post deste blog, sugeri que o próximo clássico mineiro será entre Galo e águia, o Coimbra. Lógico que era zoação, mas ao que percebo o time do Ricardo Guimarães e Moisés Hissa deve ter um bom reforço de torcedores daqui pra frente. Ironia do destino, um foi presidente e o outro diretor do Galo.

A exemplo do que ocorreu no Rio de Janeiro, com enredo diferente, pode se repetir o surgimento do Flamengo. Resumidamente, até porque não gosto desse time carioca, mas o rubro negro surgiu de uma debandada de jogadores do tricolor – logo depois de 1910 – para o clube que até então era apenas de remo.

Agora, não os jogadores, mas parte menor da torcida mineira parece ficar ao léu quanto ao seu futuro. O presidente até andou sugerindo desembarcar na nossa praia. Quero isso não! Xô! Saia fora do nosso quintal. Você não me ajudou a sonhar! Você nunca sofreu ao meu lado! Você nunca pagou Galo na Veia! Até outro dia esbaldava no bolso um carnezinho de valor pela metade, de sócio misericórdia.

Lá, entre os cariocas, foram jogadores, aqui parece que vai um bom número de torcedores para o Coimbra. Gozado, disse na ocasião mencionada acima, que essa águia – ágil, habilidosa e alaranjada – alçava voos maiores no terreno esportivo mineiro. Será que vou acertar sem querer? Muitos tricolores, que não fecharam as portas, se tornaram rubro-negros naquele início de século. Estaria esse fenômeno se repetindo 110 anos depois aqui em Minas Gerais?

Preparemo-nos! Afinal, um entre os três maiores benfeitores Atleticanos, um deles é dono do Coimbra. Ou mecenas, como preferem alguns amiGalos. Imaginem, se o time dele – que é empresa – cresce, como ficam nossos aportes? Só se ele, Guimarães, optar por uma equipe regional e outra nacional e internacional. No caso águia em Minas e Galo no mundo.

Seja como for, o benfeitor ou mecenas e seus companheiros precisam reforçar o Galo é para essa temporada de 2020. Que venha o Mineiro e Brasileiro!

*fotos: Bruno Cantini/Atlético

2 thoughts to “Reforçar enquanto Minas é só Galo”

  1. Boa tarde Eduardo, Lucy, atleticanos e atleticanas,
    vi que o Galo, praticamente, acertou a contratação de um jogador do Independiente del Valle, Alan Franco de 21 anos… Confesso que não conheço, mas se foi indicação do Sampaoli e pela idade, pode ser um boa aposta… Tomara que estejam tendo critério para contratar coisa que não temos visto no últimos anos…
    AO contrário do nosso presidente não acredito que as marias migrem para a nossa torcida água e óleo não se misturam… O América seria uma boa pra elas já que foi de lá que elas vieram… Em Minas o “clássico das multidões” era Galo X Coelho, o Galo continuou com sua “multidão”, a do Coelho foi pra onde????
    O Coimbra pode ser uma boa pra elas, afinal, ao que parece, o nome do time é em homenagem a um ídolo do time da globo do Rio, o Zico, e como elas já cantaram parabéns pro time dele mesmo perdendo em casa acho que vão se sentir em casa lá…
    um ótimo final de sábado a todos e se cuidem…. VAI EMBORA COVID-19, VOLTA GALO!!!!!!!

    1. Boa Noite,

      Caros colega José Antônio, se eu entendi corretamente a migração seria dos futuros torcedores, aqueles que nascem e são influenciado pelo momento que vive o clube.
      Teremos em mimas uma equipe de série “A” forte e postulando ao título e duas da serie “B” e outras tantas de “C” e “D”. Isto é um mecanismo natural para se obter novos torcedores, crianças normalmente gostam de que está por cima.
      Os que já optaram pelo outro lado, espero que continue por lá e sofram bastante com o seu time.

      Bom Sábado a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.