Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

O alto custo da falta de critérios

Foto: https://bolaprafrente.uai.com.br/2020/01/08/o-que-dudamel-falou-nas-entrelinhas/
Foto: https://bolaprafrente.uai.com.br/2020/01/08/o-que-dudamel-falou-nas-entrelinhas/

Conforme mencionei já na sexta-feira, reforçado ontem, hoje vou trazer a lista das dezenas de contratações infrutíferas dessa gestão Sette. Sem perder tempo, só no primeiro ano foram duas dezenas de jogadores a chegar ao Galo, sob a regência do inesquecível Alexandre Tadeu. Manchou sua passagem pelo clube como jogador – aquele que terminou heroicamente uma decisão do mineiro com a cabeça enfaixada (1999) – e que como treinador já nos brindara com sinais negativos.

Anote, ele, Alexandre (2018), trouxe: zagueiros: Maidana, Juninho e Martín Rea. Laterais: Samuel Xavier, Kevin Kesley e Emerson; meio campistas: Tomás Andrade, Galdezani, Arouca, Terans, Zé Welison e Nathan; atacantes: Ricardo Oliveira, Roger Guedes, Erik, Denílson, Chará, Edinho e Leandrinho. Lista sujeita a alguma falha de memória e pesquisa. Entre todos eles, quase 20 – exatos 19 – quem pode ser aprovado?

A mim, saldo zero. Emerson, que acabou valendo algum dinheiro na sua transação, poderia e deveria ter ficado mais tempo para mostrar melhores resultados e até valorização superior ao ganho com sua transferência. Na memória, apenas o gol sofrido na derrota para o Flamengo numa falha bisonha. Roger Guedes, apesar de outro troquinho, o Galo serviu apenas de vitrine. Nathan, entre altos e baixos, apresenta mais instabilidade que boas partidas. Então, reitero, saldo negativo e lastimável da gestão Sette/Tadeu.

Em seguida, já no segundo ano de administração (2019), ainda com Tadeu e depois num curto espaço com Marques, até chegar ao Rui Costa, vejamos: goleiro: Wilson (três jogos, três derrotas e nove gols sofridos); zagueiros: Rever, Igor Rabelo; laterais: Guga, Lucas Hernández; meio campistas: Jair, Vinicius, Ramón Martinez; atacantes: Maicon Bolt, Papagaio, Geuvânio, Otero (voltando pós-empréstimo frustrado), Di Santo, Clayton (devolvido de empréstimo). São 14 atletas, considerando os dois retornos.

Somados esses dois primeiros anos, chegamos a 33 jogadores, sendo 31 contratados e dois devolvidos. Entre os de 2019, embora ainda reserve alguma leve esperança em Guga e Igor Rabelo, os demais não me trazem qualquer motivo de regozijo. Rever, em homenagem ao passado, e Jair, pelo que sinalizou que seria sem nunca ter sido, merecem alguma consideração. Os demais, sequer isso. Mesmo ainda lamentando uma teimosia pessoal em relação ao Clayton, pois imaginava sua recuperação. Enfim.

Nesta leva toda, ainda temos que considerar os legados negativos de Marques e Rui Costa. Maicon Bolt, aquele velocista tartaruga, ao que se diz, recebia 100 mil euros por mês. Donde se tirou esse delírio de valores, patrocinado pela curta passagem de Marques. O olê Marquês, igual Tadeu, perdeu seu posto de ídolo nessa sua passagem como diretor.

Como atleta, patrocinou uma causa justa trabalhista com o Galo, que só foi sanada durante sua segunda passagem pelo time, em troca de sua liberação para outra rescisão contratual. Depois, numa terceira fase de sua carreira por aqui, foi reserva do time de Luxemburgo e se elegeu deputado com um gol numa final do mineiro em cima do Ipatinga. E já o senhor Rui Costa queimou valores superiores a 20 milhões de reais por Hernández e Martinez.

Nessa atual temporada, depois de iniciar com Dudamel e Costa, agora estamos aguardando novos tempos com Sampaoli e Mattos, que ainda não mostraram resultados, evidentemente pela paralisação em função da pandemia. Registrem-se, antes de outras considerações, os antecessores de cada um até chegar à dupla de diretor e treinador atual. Osvaldo de Oliveira, Thiago Larghi, Levir Culpi, Rodrigo Santana, Wagner Mancini e Dudamel. Já na diretoria, repetindo, Alexandre Tadeu, Marques e Rui Costa. Alguém sente saudade de algum deles? Eu não! De nenhum!

Já neste 2020, chegaram: goleiro: Rafael; zagueiro; Gabriel (retornado de empréstimo) laterais: Maílton e Guilherme Arana; meio campistas: Allan, Hyoran e Borrero; atacantes: Bruno Silva (subiu da base, depois de ter sido adquirido da Chapecoense), Savarino e Tardelli.

Deve chegar ainda algo em torno de cinco novas caras para atender as indicações de Sampaoli. Com isso, vamos a algo em torno de 15 contratações na temporada. Juntando tudo, sinaliza-se quase 50 jogadores, sete treinadores e quatro diretores de futebol. Onde está o erro? Uma certeza eu tenho, não está na arquibancada. Fica na sede de Lourdes. O custo disso é muito alto.

E, observe, o Torcedor tem sido paciente e até cauteloso com o momento, mas não suporta mais tantos equívocos. Ouvir o presidente queixar-se e tentar argumentar que a bilheteira fará falta ao equilíbrio financeiro é nos chamar de besta. Todos sabem, basta conferir os borderôs, que os jogos no Independência deram prejuízo durante toda a temporada passada e continuavam – agora no mineiro – somando déficit a cada rodada.

O espaço ficou curto e o texto longo, essa é a nossa realidade, precisamos todos refletir sobre qual a melhor saída. O cheque em branco, depois desses números (nem entrei fundo na questão financeira) passa a ser temerário. Queria ver o Galo sendo gerido profissionalmente, ainda que se sacrificasse o restante do Diamond para viver uma nova era como muitos propagam.

Mas, convenhamos, só com profissionais qualificados ao exercício de cada função. No escuro, não dá mais. Imagina se tivessem recursos disponíveis, a quantidade de Bolts, Hernandez, Martinez e outros similares que teriam desembarcado na Cidade do Galo. Para gerir tem de ter transparência, comprometimento e resultados. “Dinheiro na mão é vendaval!” Não dá!

*fotos: 1 e 3) Bruno Cantini/Atlético; 2) foto montagem do blog UAI/EM

11 thoughts to “O alto custo da falta de critérios”

  1. O Galo é um azarado. Só os melhores jogadores se machucam. Já os caneludos vestem a camisa do Galo por uma década ou mais. Antes da “pandemònio” erros crassos na administração. Mas isso não começa na era Sette. Vem de outros “carnavais” (farra com o dinheiro do Galo). O boquirroto não mediu esforços (endividou sem dó) pra dar títulos ao Galo e pra entrar pra história como o pior administrador de BH. Ano que vem vai parar na cadeia.
    Aí, com a chegada do Sampaoli, a gente pensava que as coisas iam se acertar, mas o maldito víru$lítico, arregaçou com tudo. Estou duvidando até que o argentino comande sequer mais um jogo pelo Galo. Deve sair por falta de salário.
    Quanto a Arena, deve ser penhorada antes da inauguração.

  2. Aquietemo-nos !!!

    Acabou a farra : o Clube Atlético Mineiro hoje JÁ é administrado por um consórcio de empresas, nas mãos dos Três Mosqueteiros

    Ou alguém ainda acredita que essa turma dos dinheiros vai deixar a instituição nas mãos de boquirrotos e falastrões que não têm o mínimo de compromisso com a realidade financeira do clube

    Esses populistas de uma figa jogaram o CAM num poço sem fundo , sem um tostão em caixa , e agora cuidam de arrasar a cidade

    Esta é a minha opinião.

  3. Essa incompetência é histórica. Não é por acaso ou falta de sorte que vamos comemorar bodas de ouro do Brasileirão em 2021.

  4. Bom dia,

    Depois desta realidade escancarada neste post, não tem como defender os primeiros dois anos do mandato do presidente, é para pensar muito, um presidente tem que realmente conhecer de futebol.
    Por incrível que pareça, por todos os erros do passado é que eu defendo sua reeleição, sinais de melhora me levam a isto, e pensar que um novo presidente poderia iniciar um novo trabalho cheio de erros.
    Ontem assisti uma live onde trouxeram uma pessoa que trabalha com o futebol de Goias, que foi categórico em dizer que o Léo Sena não é tão bom quanto estão colocando nas expectativas sobre ele.
    Em 2019 acompanhei ele e posso dizer que é um bom jogador, dentro da média, nada além disso.
    Vamos torcer para vestir bem nossa camisa.
    Também assisti a live que o “SB” indicou sobre o balanço, excelente, indico.

    Bom domingo a todos!

  5. Este caso destes diretores é muito simples: Quantidade demais e qualidade de menos! Alexandre Tadeu é sem dúvida o pior diretor de todos os tempos do Galo. Para quem já viu, Marcelo Guzela, Alexandre Kalil, Bebeto de Freitas, Eduardo Maluf, ter que aturar este sujeito que tem a ousadia de ter o sobrenome que tem, Segue o Marques que nos brindou com o Maicon Bolt, que é talvez uma das piores contratações do Galo. Rui Costa, da mesma forma, contratações da pior qualidade, a começar pela aposta no Dudamel! E os dois estrangeiros que de graça já seriam caros, imaginem pagando a fortuna por seus passes. Todas estas contratações, com contratos que duram 5 anos, deixam-nos dúvida quanto a lisura das mesmas. Não duvido da correção do 7C,porém deu carta branca a quem não merecia. Hoje está mais envolvido. Como o Alexandre Matos, é patrocinado pelos Menin e Guimarães, acho que agora teremos mais profissionalismo nas contratações, visto os nomes aventados por enquanto. E a saudade do Galo, que, que é isso!

  6. Bom dia Massa e Guru

    Meu caro Guru respeito sua opinião, mas me permita discordar em alguns aspectos. Que o clube contratou mal é fato, mas o título do post fala em falta de critérios. Então que critérios seriam estes que faltaram?
    Se tivesse um critério a ser seguido, acredito que seria: contratar nomes de peso, que cheguem para resolver o problema do clube e dar títulos. Mas quem garante que este critério é 100% confiável e assertivo?
    Futebol é um esporte de risco e não só o Galo, mas todos os times do mundo fazem as suas apostas e qual deles têm 100% de garantia de retorno? Até o próprio Flamengo que hoje é tido como exemplo falhou em contratações, e detalhe, eles tiveram dinheiro que é o primeiro quesito para se chegar ao critério desejado, coisa que os demais times exceto o Palmeiras não tiveram.
    Não tenho nenhuma procuração e principalmente intenção em defender 7C, até porque acho que ele anda dando muitas pernandas, mas ele está em seu primeiro mandato e se realmente existe critério, acho que ele deveria ter a chance de se redimir no segundo mandado. Ate porque, parece que finalmente ele está se cercando de pessoas capacitadas, coisa que no primeiro mandato não havia.
    Com relação à lista de jogadores divulgada no post, é realmente preocupante, mas vale lembrar fomos campeão da Copa Libertadores e da Copa do Brasil com jogadores no elenco como: Marion, Renan Oliveira, André Bebezão, Wesley, Giovani Augusto, Filipe Souto, Araújo, Serginho, Dodô, Patrick, Alex Silva, Renan Ribeiro, Renan Oliveira, Carlos, Eduardo meio campo, Emerson Conceição, Cesinha, Ed Carlos, Leleu, pedro Botelho, só para citar alguns. Donde se conclui que….

    # Vamos olhar pra frente!!!

  7. Bom dia. A triste realidade exposta em uma lauda. Esses são os fatos. Mas eu vou seguir até um pouco mais longe. 2005. Um tal Ricardo Annes Guimarães é presidente, investidor e, para alguns, mecenas do Galo. Como técnico, Tite. QUE PIADA. Se o Tite é técnico, eu sou o Papa. Nunca foi, nunca será. E, que fique claro, ganhar título com o Corinthians até o Carille ganha. Quando se fala do eixo, competência técnica é o que menos importa. O resultado, todos sabem: REBAIXAMENTO. Mas o pior presidente da era do Atlético, aquele que morreu abraçado com o “promissor” treinador (sim, eu sei, demitiu-o quando o barco já não tinha salvação), continuou e continua dando as cartas no Galo. E sempre que ele está por perto, nos deparamos com “profissionais” ao estilo Tite: articulados, educados, bons de mídia, promissores… e absolutamente ruins de serviço. Roger Machado, Gallo, Dudamel, Thiago Larghi… sempre que um sai, outro pior chega. O Galo é o maior devedor para bancos. O BMG é o seu maior credor. O dono do BMG é o Ricardo Guimarães. Ora, para mim há CLARO conflito de interesses. O credor é gestor do devedor (ou pelo menos grande influenciador). Longe de mim imputar má fé a quem quer que seja, não tenho elemento para tanto, e não estou a fazê-lo. Mas tenho todo o direito de ligar os pontinhos e concluir que, para o Galo, quanto mais longe esse senhor estiver, MELHOR. O pior presidente da história do Galo é quem mais manda no Galo hoje, segundo se ouve dizer. Então tá: vamos continuar a fazer tudo igual, e aguardar que aconteça um resultado diferente? PARE AS MÁQUINAS. PAGUE AS DÍVIDAS. E LIVRE-SE DOS MECENAS. Eu li, acho que no G.E, que a compradora da metade do Shopping está pagando prestações de + ou – R$ 6 milhões de reais por mês (falo do valor para o pagamento DA COMPRA, e não do repasse a que está obrigado por força do comodato). Se isto for verdade, e se eu entendi certo a reportagem, então a coisa é muito mais feia do que o horripilante quadro que já se tinha. Desculpa aí, mas milagres não existem. E, SIM, nós vamos quebrar. Se já não estivermos quebrados. Mas a gente sempre pode contar com os beneméritos mecenas. Quando a gente quebrar, talvez eles perdoem as dívidas, em troca, quem sabe, de 99,99% das ações do Clube Atlético Mineiro S.A., não é mesmo?! O restante vai a mercado, pra que tenhamos o gostinho de ser os donos do nosso amado clube.

  8. Um presidente que fede a fracasso, a covardia e omissão.
    Anos luz pior que o fraco Peidomuceno imundo.
    Toda a corja do Sette tem que ser escorraçada.
    Wagner Mancini e Dudamel, olha os lixos que esse verme trouxe

  9. Bom dia Eduardo, Lucy, atleticanas e atleticanos,
    Isso tudo esclarece algumas coisas: a falta de critérios que deu origem a todas as outras foi a para escolher o presidente, culpa do conselho…. Nunca houve “austeridade”, houve uma péssima gestão de recursos… Escancara a absoluta falta de transparência, de todas essa transações quantas sabemos quanto realmente custaram??? Quanto os intermediários levaram nelas??? Quanto o Galo pagou ou terá que pagar em cada uma delas??? Quanto foi dinheiro de investidores??? Como será pago esse dinheiro??? Quanto o galo ainda deve dos que foram contratados???? Se Martinez e Hernandez forem dispensados de quem é o prejuízo??? São várias perguntas sem resposta….
    Um coisa que começa errada não tem jeito de terminar certa…. Ou esse conselho escolhe melhor os nossos presidentes, ou então, teremos que escolher um conselho que o faça…
    Um ótimo domingo a todos e continuem se cuidando….

  10. Bom dia Eduardo e demais Atleticanos.
    Concordo plenamente com o relator e assino embaixo.
    Que venha dias melhores para todos.
    Abraços,
    Laerte.

  11. Prezados Ávila, atleticanas e atleticanas.
    Análise bem fundamentada que demonstra que nem tudo que reluz é ouro. Várias dessas contratações foram efusivamente comemoradas por boa parte da torcida atleticana. Nem sempre um bom jogador num clube indica sucesso em outro. Por isso mesmo sou partidário de não ir acodadamente ao mercado. O futuro do galo está na sua base, celeiro de craques no passado. Vamos prestigiar os garotos porque eles, com um comando de quem entende do riscado, no caso o Sampaoli, pode nos dar as alegrias tão almejada, inclusive com alto retorno financeiro no futuro.
    Hoje e sempre galo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.