Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Nem tudo merece comemoração

Depois de curtir, como convém, o resultado de ontem à noite, farei, conforme sinalizei na postagem da manhã de hoje, algumas breves observações sobre situações que ainda incomodam. Apesar da vitória e a boa sequência, tem coisa que ainda não podemos aceitar. E nem vou falar de juízes, minha eterna e permanente birra, apesar da atuação de dois dos que atuaram ontem terem me deixado tenso antes mesmo da partida. Raphael Claus, árbitro, já foi cruel com o Galo em partidas anteriores. Seu bandeira, Danilo Ricardo, de sobrenome Simon me apavorou. Mas era paulista e não gaúcho, felizmente. Apesar de a careca ser muito similar. Não comprometeram.

Juiz, bandeiras e capitães - 30-06-16 - botafogo

Três situações ainda me incomodam. Mesmo tendo marcado cinco gols, tomar três do fraquíssimo time do Botafogo não pode ser admitido. O time carioca é candidatíssimo ao rebaixamento e a estrela é Camilo, um jogador mediano que parece dono do time. Bate falta, escanteio e até lateral. Toda jogada tem de passar pelos seus pés. É jogador de time pequeno mesmo. Portanto, não dá pra tolerar essa quantidade de gols que o Galo levou. Tudo bem, tomamos, mas marcamos e ganhamos.

Isento o Victor de culpa. O primeiro foi numa penalidade. Apesar de ser especialista e já ter defendido três pênaltis em momentos marcantes – Tijuana, New Old Boys e Olímpia – não tem de defender todos. Nos dois outros, ao que parece, houve desvio na trajetória da bola. Mas nas duas jogadas houve desatenção. E nos dois lances eram bolas para os volantes. Não pode acontecer novamente. Que sirva de alerta aos titulares, quando voltarem, e às opções de banco quando forem escalados.

Causa preocupação a contusão de Erazo. Outro no Departamento Médico. Tomara que não tenha sido grave. Se não tirar o jogador dos próximos jogos, alivia bem a tensão, apesar do bom desempenho do estreante Ronaldo (sem Conceição). Erazo não é craque, mas voluntarioso e seguro. Me lembra muito Vantuir, campeão brasileiro de 1971. Que volte logo.

Victor chutão - 30-06-16 - botafogo
Fotos: Atlético/Bruno Cantini

Outra consideração a ser feita é sobre os recuos de bola até Victor, que sempre dá chutões na devolução. A única vez que me lembro dele ter acertado um lançamento desta maneira foi num gol do Guilherme no estádio Independência. Geralmente, seus chutões são improdutivos e, em alguns deles, a bola sai pela lateral. Se fosse exímio na reposição de bola, como Taffarel era com as mãos, seria compreensível. Mas não é.

Faço também dois registros de protesto, só que nada de responsabilidade do Galo. É uma sacanagem da Confederação Brasileira de Futebol obrigar o Galo a fazer uma cruel sequência de jogos às 11h da manhã e ainda outros na segunda-feira, deixando seus queridinhos paulistas e cariocas preservados desse sacrifício. É uma madrasta esta CBF. Seus protegidos, cariocas e paulistas, estão livres desta opção.

O outro vai para a Minas Arena. Já foi dito aqui sobre o isolamento para proteger a torcida adversária. Foram, contados, dez lances de cadeiras isolados para a segurança de botafoguenses, que juntos caberiam num camarote. Repetindo o que já mencionei, no Beira Rio e no Morumbi, em jogos aos quais compareci, além de não darem a menor proteção a nós Atleticanos, isolaram parte da arquibancada com tapume e não perderam uma única cadeira de assento no estádio.

Mineiro não é bobo, não. Quando a reação começar e os responsáveis por essa sacanagem acordarem pode ser tarde. Lembrem-se. Mineiro dá um boi para não entrar numa briga, mas depois dá uma boiada para não sair. Cutuca com vara curta que “ocês” vão encontrar.

18 comentários em “Nem tudo merece comemoração

  1. Outro ponto que é interessante ressaltar Eduardo, além dessa desatenção que culmina em gols bobos e podem nos custar pontos importantes (como já aconteceu), me preocupa também a ineficiência de uma jogada que vinha nos alegrando constantemente: as bolas paradas! Repare como o time não explora mais o potencial dos zagueiros nos escanteios e cruzamentos; contra o Botafogo, tivemos N escanteios cobrados no primeiro pau, a meia altura, sendo que Léo Silva e Erazo sempre se posicionavam no segundo poste. São lances que já foram determinantes à nosso favor, vide campanha de 2012.

  2. Sobre o Atlético jogar no domingo 11hs e na segunda-feira acho que é uma sacanagem muito grande da CBFLU. Mas o que nais me intriga é a falta de interesse e comprometimento da diretoria do Atlético na hora da elaboração da tabela não questionar isso e exigir mais respeito com o nosso time. Claro que para certos times jogar qq dua qq hr não faz diferença mas aqui é GALO , é outro nível.
    Será qye o Atlético tem representante à altura do nosso clube lá na CBFLU?
    Com a palavra a diretoria.

  3. Doze pontos pretendidos, doze pontos conquistados! E tinha – ou tem – comentarista aqui achando que tudo no Galo estava – ou está – péssimo!

  4. Dudu, seu comentario foi cirurgico e perfeito, estes erros vem atrapalhando muito nosso time, erros de passe na saida de bola, Leo errou por sua nova funcao em campo jogando pelo lado esquerdo, mas ja esta na hora de sair aos pouco do time, sentar no banco mas Tiago foi horrivel quando escalado e agora temos que ir buscando novo zagueiro, Eduardo quando joga nao consegue tomar a bola de ninguem, vejam os seu jogo e veram que ele somente sai bem com a bola e nada em tomar samente cerca os adversarios, mas isso e somente erro da base do galo, nao sabem tocar e dar passe certo. Cazares errou alguns lances no prineiro tempo e foi cirurgico em campo e sensacional, isso sem treinar e fazer o coletivo or falta de tempo no calendario. Acreditar sempre na evolucao do time, esperar a volta de alguns jogadores nada podemos esperar com entrada de Carlos, Clayton sao fracos para entrar e mudar o jogo, mas com pratto, Luan, Maicosuel ai teremos um ataque que kuda o jogo e vai fazer o time muito forte, falta somente errar menos passe. Time ideal, Victor, Marcos Rocha, Leo Silva, Erazo, Douglas, Rafael Carioca, Uso, Cazares, Luan, Robinho, Pratto, aqui e galo

  5. Na verdade o estilo “Galo Doido” nunca saiu totalmente do estilo de jogo do time. Victor e Leo Silva sempre costumam fazer lançamentos longos, e seja o que Deus quiser. Porém, a diferença agora é que os dois pré-requisitos que estavam presentes em 2013, estão de volta: um centroavante de qualidade e forte fisicamente para fazer o pivô, e um camisa 10 criativo e de bom passe para rapidamente criar a jogada. Hoje, Cazares e Fred fazem o papel de Jô e Ronaldinho. Vejamos se com o mesmo sucesso…

  6. O Palmeiras anunciou a contratação do zagueiro Mina (?) equatoriano que o Galo queria. Todas as honras ao Leonardo Silva, mas as, francamente, com 37 anos, lento, não dá mais. Honra e glória ao Grande capitão Leonardo Silva mas o Galo está precisando urgentemente de um ZAGUEIRO.

    1. Caro, o Mina que pretendemos é equatoriano e joga no Del Vale. O Mina, anunciado pelo Palmeiras, é colombiano e vem do Santa Fé. Vem a foto. O que o Galo quer tem uma vasta e nada imperceptível cabeleira. O outro é fake!

  7. Boa tarde, Eduardão!
    Que arrancada essa, meu irmão! Belo Horizonte nos faz muito bem. Seja no Horto, Mineirão ou no nosso futuro estádio (amém) vamos sempre fazer a diferença. Time e torcida na mesma sintonia. Temos que valorizar o trabalho que vem sendo feito, time voltou a jogar um futebol de Gala(o), nossas principais apostas tais como: Cazares (como joga futebol essa pérola negra), Fred e Robinho vem correspondendo muito bem e os que estão para entrar (Pratto e Luan, te vira Marcelo) ainda vão dar muita contribuição a nossa jornada…Nosso sonho… Confesso que em jornadas anteriores a estas quatro passadas, quando estávamos sem essa figura do camisa 10 que vem se notabilizando na figura do Cazares e sem uma zaga firme, estávamos em um momento de muita baixa estima, as coisas definitivamente não aconteciam e com os adversário diretos se distanciando, achei que o planejamento poderia ser adiado para o próximo ano. É sabido que o futebol não é uma ciência exata, o encaixe perfeito, a liga para um time se portar como uma equipe coesa, necessita de uma série de nuances. O pulo do Galo se deu justamente na aposta de um time completo, uma sequência em casa e com um meia de qualidade.
    Agora o desafio é fora de casa contra o Figueirense, um bom teste para essa equipe que tem tudo para ganhar lá e se aproximar de vez do pelotão dos quatro primeiros e não sair mais. Que a bela Floripa nos traga inspiração para os duelos fora de casa.
    Abraços.

  8. A verdade é que o trabalho do Marcelo Oliveira ainda não foi apresentado. No cruzeiro ele tinha um elenco bem inferior a este que ele tem hoje e o trabalho aparecia, tá na hora do Marcelo se explicar. Quando a qualidade individual dos jogadores não conseguir resolver…Estaremos ferrados!!

  9. Ah, e esse negócio de jogo às 11h é uma piada de mal gosto! Querem fazer bonito, inovar… legalzinha a idéia, mas… se esqueceram que estamos no Brasil! Mesmo no inverno, o sol arrebenta! É desumano jogar nesse horário. É aquela velha história, quando o pobre quer imitar o rico e começa a gambiarra. Futebol no Brasil é a partir das 16h e pronto! Já ouvi vários torcedores dizerem o abusrdo: pelo salário que o jogador ganha ele tem que aguentar… Nada a ver uma coisa com a outra. Vai lá então valentão, disputar um jogo profissional em alto nível, intensidade praticamente os 90 minutos sobre sol quente do meio dia, vai la!! Se querem inovar, comecem tirando os safados da CBF.

  10. Concordo com a questão dos volantes, vacilaram nessa aproximação da zaga. Tem que abafar, não pode ficar olhando os caras chutarem a gol. Se desvia, como aconteceu, é um abraço.

  11. – Victor realmente fez boas defesas ontem, e tem diminuído os “chutões improdutivos” , um de seus maiores defeitos. Creio que em pelo menos um dos desvios era pra ele ter feito milagre. Defendeu bolas perigosas porque o Galo continua marcando à distância, o que não condiz com o futebol moderno de compactação, marcação e velocidade. Cede muito espaço ao adversário. Se o jogo fosse fora, a história poderia ter sido outra. Debito isso ao técnico MOliveira, que me parece também gostar de chutões e passes esticados. Exceto o lance do gol, futebol é conjunto e quando bem jogado a bola corre de pé em pé. Valorizar a posse da “pelota”, sem rifa, sem bingo.
    – Cazares estava na Copa América com a veloz Seleção do Equador, líder das eliminatórias. Está impondo seu ritmo e genialidade no Galo. Fred já percebeu que esse garçom é fora de série, e o chamou de gênio. Ótimo pro Galo.
    – Donizete estava num crescente de produção e fez falta ontem. Que volte logo. Havia feito um gol, melhorou nos passes e esbanjava muita confiança. Se dá bem com o técnico, com o qual foi bicampeão paranaense em 2011.
    – Pontuar fora de casa passa a ser o grande desafio do Galo. Aguardar pra ver.

  12. Boa, xará. Essas preocupações são pertinentes. Quando enfrentarmos equipes mais fortes, estes erros poderão nos custar caro. Está nas mãos do técnico corrigi-los.
    E sigamos.

  13. Caro rabino Ávila. Tudo bem que faltou marcação dos volantes nos dois chutes do Botafogo de fora da área. Mas para mim, revendo o teipe, foram dois gols contra, do Leonardo Silva. Tá na hora de ir para o banco, pois velocidade e rapidez não é a dele e, agora, acabou vazando nossa própria rede.

  14. Alegrias na vitória mas … vi nosso time com os mesmos defeitos do jogo contra o Sport … o primeiro terço do campeonato já se foi e ainda creio que alguns jogadores desse elenco ainda vão entregar a paçoca. Sabemos de recorrentes deficiências as quais já fizeram estragos irrecuperáveis em recentes campanhas. Alegrias nas vitórias não podem baixar nossa guarda para as mediocridades praticadas ao longo das partidas: dezenas de passes de 1 metro errados, incompetência nos desarmes continua e quando acertadas, no lance seguinte entregam a bola para contra ataques contra nossa lenta defesa. Atleticanos, por vezes, entendem criticas como “torcer contra” … o dia que pelo menos 51% da população assimilar que as criticas e pontos de vista diferentes ajudam a todos a reallizar uma história vencedora e digna, seremos CAMpeões no futebol e muito mais que isso, NA VIDA!!!
    Pra cima deles, GALÃOOOOO

    1. Concordo com você Adilson. Não consigo ver desarme de bola no meio campo do Galo. Falo do desarme que o volante antecipa a jogada do adversário e rouba a bola. O “desarme” que vejo no time é um passe errado do adversário no pé dos nossos volantes, sem precisarem de esforço para terem a bola. Assim, até eu.

  15. Dois desvios mal feitos por Leonardo Silva, velho, lento e que vem enterrando o Galo sempre. Não vamos proteger ninguém, em nome do passado! Ele já recebeu, e muito bem, por isso!

  16. E só paar deixar bem claro que rabalah de fato para o eixo Rio -São Paulo , a CBF marca o clássico Atle-Tiba paar uma quarta-feira e o Gre-Nal para domingo, ás 11 da manhã! Isso já não é nem corrupção descarada. É sadismo mesmo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*