Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Mata-mata, um jogo de armadilhas

Max Pereira
@pretono46871088
@MaxGuaramax2012

O Atlético entrou na fase mais aguda e decisiva da atual temporada. E o desafio é gigantesco. É preciso considerar que o fato de liderar com autoridade o Campeonato Brasileiro, qualificando-se ate então, como um dos mais fortes candidatos ao título, senão o mais forte se considerarmos as possibilidades estatísticas que os números do momento permitem calcular, somado ao fato de que está a apenas 90 minutos da tão sonhada final da Libertadores e prestes a disputar a semifinal da Copa do Brasil, se de um lado é prova inquestionável de uma campanha de muitos méritos e merecedora de muito aplausos, de outro está a exigir do clube foco total, erro zero e percepção de que está percorrendo um terreno minado, onde todo o cuidado é pouco.

Se o Campeonato Brasileiro, em razão de suas características intrínsecas e complexidades de um torneio de tiro longo, exige regularidade, planejamento, elenco qualificado e equilibrado, seja em opções, seja física e mentalmente, as competições de mata-mata são carregadas de armadilhas e, por isso, vez ou outra, produzem surpresas e causam frustrações que entram para a história. O Atlético, por exemplo, coleciona eliminações na Copa do Brasil que até hoje doem na alma do atleticano. A última delas, diante do modesto Afogados, o time do emblemático frentista, o goleiro do boné, ocorrida ano passado, causa pesadelos até hoje, não obstante ter-se transformado no marco da maior transformação gerencial e organizacional da história do clube.

Diferentemente da Libertadores onde a melhor campanha da fase de grupos garantiu ao Glorioso decidir em casa os mata-matas até grande final que será disputada em jogo único em Montevidéu, Uruguai no final do mês de novembro próximo, o Atlético decidirá a semifinal da Copa do Brasil no Castelão em Fortaleza.

Geralmente acredita-se ser uma vantagem decidir estas disputas de 180 minutos em casa. E, dependendo do regulamento, fazendo gols na casa do adversário. Aqui, é preciso lembrar que a libertadores e a copa do Brasil tratam esta questão de forma diferente. Enquanto no torneio brasileiro o gol for de casa perdeu o peso, na maior competição sul-americana ainda tem valia e pode ser determinante de uma classificação.

Se não sofreu gol no jogo de ida contra o Palmeiras, confirmando o bom momento e a elogiável consistência de seu sistema defensivo, o Atlético também não conseguiu sair do zero no placar.  E o 0 x 0 imprime ao jogo de volta algumas marcas. Do ponto de vista frio do regulamento da competição o time paulista entrará em campo no Mineirão com um leque a mais de possibilidades que o favorecem, pois qualquer empate com gols lhe dará a classificação.

Se tal vantagem, porém, exige do Atlético cuidados e atenção, de outro lado a experiência adquirida com a forma com que o jogo de ida foi jogado dentro e fora do campo, i.e., com tudo o que aconteceu no entorno da partida e no duelo dentro das quatro linhas propriamente dito, será de extrema utilidade e importância para Cuca definir o time e a forma de jogar ideais para o confronto de volta.

Nada é mais verdadeiro e repetido atualmente que cada jogo é um jogo.  E, o futebol de hoje, exige cada vez mais dos treinadores que desenhem, jogo a jogo, as suas estratégias e o melhor time para desempenha-las.

Invariavelmente todo e qualquer time sempre terá pela frente adversários ora superiores tecnicamente, ora inferiores qualitativamente, ora atravessando um mau momento, ora vivendo uma fase onde tudo dá certo, ora praticando um futebol reativo, ora propondo o jogo obsessivamente, ora de camisa pesada tanto quanto a sua, ora de camisa, no caso de muitos, mais pesada, ora, no caso de outros como o Atlético, de camisa menos pesada, ora isso, ora aquilo. E, em qualquer caso, se entrar em campo como franco atirador, se descurando dos riscos, pode ser fatal.

A briga com o Palmeiras por uma vaga na final da Libertadores mostrou no jogo de ida no Alianz Park um ingrediente para o qual o Atlético, a meu ver, mostrou dificuldades importantes para enfrentar, o que poderia ter causado prejuízos irreparáveis. Falo da estratégia palmeirense de desestabilizar emocionalmente o time atleticano, em particular os seus principais jogadores, Nacho, Hulk e Diego Costa. As faltas violentas de Felipe Melo ainda nos primeiros 10 minutos em cima de Hulk e do craque argentino, nesta ordem, passiveis de cartão, e coroadas pelas provocações que se seguiram poderiam ser o estopim de uma tragédia. O arbitro a tudo assistiu sem fazer nenhuma advertência ao volante do time paulista.

Qualquer jogo elevado para um nível de tensão brutal fica feio, a técnica desaparece e uma possível superioridade técnica ou tática não prevalece. Em consequência, as escolhas erradas se multiplicam, os erros de passes, particularmente os não forçados aparecem mais que o desejável e o nervosismo se agiganta e as dificuldades se agudizam.

As competições de mata-mata são de vida e de morte. Quem perde está fora da disputa sem qualquer chance de recuperação.

Aprendida a lição do jogo de ida contra o Verdão paulista, o Atlético tem todas as chances de, dentro de casa, cravar com autoridade a sua classificação para a grande final. E mais, para também passar brilhantemente pelo brioso e bom Fortaleza na semifinal da Copa do Brasil, onde outras armadilhas certamente estão sendo armadas para depenar o Galo Forte Vingador.

Cuca, que inegavelmente vem fazendo um bom trabalho e se revelando um estrategista de respeito, certamente irá escalar o melhor time e traçar a melhor estratégia para cada uma dessas decisões. Se não contar com Diego Costa (escrevo este artigo antes que o clube tivesse divulgado o resultado dos exames), certamente o Atlético e o clube contarão com outras opções de qualidade técnica e tática que não só suprirão a ausência do atacante ibero-brasileiro, como também merecem todo o apoio e incentivo da massa.

Ainda sobre Diego Costa, devo dizer que, no meu entender, em razão de ainda estar fora de ritmo e da exiguidade de tempo que o Cuca teve para treinar e ajustar a formação que iniciou o jogo, o atacante foi mal escalado o que, entretanto, não apaga o que de bom o treinador vem fazendo. Assim, se Diego Costa for liberado para o jogo de volta contra o Palmeiras, o que acho muito difícil, entendo que seria de bom alvitre deixa-lo no banco, o acionando, se necessário, como uma arma na etapa final. Mas, isso é função de Cuca.

Por fim, um recado a tantos quantos forem ao Mineirão na próxima terça-feira: torçam como nunca e empurrem o time os noventa minutos. Em São Paulo se anuncia um tsunami tinto de verde varrendo o Gigante da Pampulha. Mas, será que isso assusta a quem já venceu o vento um sem número de vezes? 

38 thoughts to “Mata-mata, um jogo de armadilhas”

  1. tite , o encantador de jumentos, o homem do clichê pronto e infame , implora a cbfdp um amistoso com uma seleção européia. Sugiro a Alemanha , motivada , malvada. E que ele escale a dupla sensação do eixo , gabigol e neymar. Ouça o clamor das ruas , tite , se não der certo , voce sabe que pode contar sempre com chile, venezuela, paraguai, equador , eles estão aí pra isto.

  2. Saudações atleticanas!!
    Como bom mineiro, o GALO certamente sabe que é preciso fazer o dever de casa na terça pra se classificar sem depender de sorte nos penais. Cuca deve tá cabreiro com o portuga, e vice-versa. Não vamos sofrer antecipadamente. Lembrem de 2013. precisávamos de 2×0 pra levar aos penais. e conseguimos. é repetir esse placar aí , no primeiro tempo se possível, pra não ter a sofrência costumeira. o resto é jogo de bola, cada um defendendo o seu.
    MAS! Sábado tem outra decisão!! GALO tem que ir com a força máxima disponível pra encarar o sp. os caras ganham muito bem é pra isso aí. eu ralo aqui muitas vezes 3 expedientes por dia, na raça, bebendo café… e esses caras aí também tem que saber da entrega que está na meta. É pra volar com os 3 pontos!!
    GAAAAAAAAAAALLLLOOOOOOOOOO!!!

  3. boa tarde Eduardo e massa e Max pereira . mata-mata é armadilha quando o jogador não pipoca nas decisões e quando treinador enxerga o errado na equipe. simplesmente no primeiro jogo contra os porcos o galo pipocou aliás Hulk pipocou e cuca mexeu muito mau nas substituições. a cbflixo lixo ja convocou os jogadores para seleção e convocou arana para ficar no banco de reservas.aff. aliás a cbflixo ja atrasou os jogos do Flamerda então diretoria abre o olho. vamos ter mas jogadores para seleções e vai nos desfalcar. amanhã contra o São Paulo não poupava ninguém. a galo não nos decepcione mais. vai galooooooo.

  4. Prezado Barata. A revolução tecnológica, com a virtualização da sociedade parece ser um caminho sem rumo. Vivemos tempos das lives, lacracao e infelizmente da elitizacao em todos os segmentos sociais. O futebol é apenas um recorte da sociedade. Mas, somos privilegiados por termos vivido tempos melhores. Hoje o torcedor consumidor é muito chato….mas nao temos como voltar no tempo. Sigamos

  5. Bom dia, Max e Canto do Galo!!!

    O foco é o SP…

    Mariano está certo…

    Contra o SP, se sou o Cuca, não pouparia ninguém…

    E cuidado com o VAR, com a arbitragem…

    Abre o olhoooooo, Diretoriaaaaa!!!

  6. Bom dia,

    Gostei muito do texto de hoje.
    Foi muito bem lembrado a estratégia de escalar o Felipe Melo e outros que tornaram o time pesado e de puro confronto.
    Que seja ponto de observação, porque na quarta a metade do time do Palmeiras será substituída por garotos corredores.
    Creio que o pênalti perdido foi o melhor reforço do Palmeiras, porque fez eles obterem seu objetivo que era empatar em casa sem gols.

    1. Wellington Souza, bom dia.

      Muitíssimo obrigado. A estratégia de espalhar armadilhas não se restringe a uma só competição e o fato de se lembrar e analisar o que aconteceu em uma partida de Copa não significa necessariamente retirar o foco do jogo imediato que é de torneio diferente.

      Ao contrário, se o clube se descurar do entorno de um jogo por ser de competição diferente do próximo compromisso, pode colher resultado ruim mais à frente e comprometer todo o resto, pois o desequilíbrio emocional seria inevitável e talvez devastador.

      O foco deve ser com o todo, com essa arrancada final de temporada.

      Saudações alvinegras.

  7. Bom dia!
    Foco no próximo jogo. Aproveitar a instabilidade/fragilidade do São Paulo, neste momento.

  8. Prezados Amigalos ótimo dia,

    A estratégia do treinador do porco usou foi simples e clara, ele sabendo que seu plantel é inferior e o bom momento do GALO nos campeonatos, optou em tentar manter o placar de 0x0, assim ele obriga o GALO a vencer no Mineirão, pois um novo 0x0 será disputa de pênaltis e todos sabemos que disputa de pênaltis é loteria, outro tipo de empate dá a eles a classificação. Desta forma no segundo jogo ele vai jogar com os 11 dentro do gol e viver de contra ataques, e jogar também com o fator emocional, que a medida que o tempo for passando e se não sair gol pelo lado do GALO, pode acarretar descontrole em campo. Essa foi a aposta dele.
    Já o roedor de unhas também não quis vencer, e aparentemente não fez a leitura (como de costume) da estratégia adversária. Se tivesse metido gols lá, agora era só alegria.

    1. Prezado Leonardo!

      Concordo com você em partes, nenhum dos treinadores contava com o penal perdido pelo Hulk, sendo assim, foi reforço para Porco que nitidamente queira o zero no placar, quanto ao CUca, depois da perda do penal , não quis arriscar, deixando claro que em BH com o apoio da Massa não vai faltar motivação, e de certo a vitoria! Entendi assim!

      Forte Abraço

      Galo Sempre!!!

    2. Leonardo,
      Com todo o respeito pelo sua avaliação, talvez não seja bem assim. Jogar pelo empate para resolver nos pênaltis é um risco muito grande, imagino que eles vão atacar aqui mais do que atacaram em SP. A chance do Galo aumenta.

      Alternativa a ser avaliada é o drible dentro da área. É pegar nossos dribladores e e mandar partir para cima dos zagueiros. Pode virar pênalti.

  9. Bom dia, Sr. Paulo Silva,

    Meu pensamento também vai nesta linha! O próximo jogo do Galo é sempre o mais importante!!!

  10. A postagem do ÁVILA de ontem sobre os ingressos
    nos trouxe a dura realidade a que chegamos , sem
    que nada possa ser feito :
    ACABOU PARA O TORCEDOR COMUM !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Esqueçamos a alegria das arquibancadas , o show
    de bandeiras e charangas, o burburinho antes dos
    jogos , aquela multidão de anônimos a descer dos
    ônibus superlotados , a alegria pura e contagiante
    nas barracas dos ambulantes , o tropeiro/raiz e o
    sanduíche de pernil nos bares do estádio .

    FIM DE UMA ERA , quando os TIMES eram a razão
    de ser da MASSA ATLETICANA !!!

    A tal “modernidade” acabou por nos expulsar da
    arquibancada , da geral , do estádio , criando um
    mundo fantasioso , que apenas a CASTA poderá
    frequentar e dele usufruir .

    A mim , particularmente , me resta o sopro e as
    fagulhas de uma chama terminal que insiste
    em aquecer e manter acessa uma PAIXÃO que
    se torna a cada dia mais solapada , agredida e
    que em breve será tão somente SAUDADE de
    um tempo glorioso do FUTEBOL !!!

    1. Barata, bom dia!
      Não perca a esperança. Estamos passando por tempos difíceis. Quando voltar ao novo normal, a multidão, de Atleticanos, voltará a encher o Mineirão e , posteriormente, o estádio do Galo, Arena MRV.

    2. Prezado José Eduardo Barata, ótimo dia amigalo

      Disse tudo. Acabou o sonho da era dourada do futebol, agora resta a lembrança da charanga, a entrada das bandeiras com sua corrida pelas arquibancadas até do início da partida (fiz muito isso), ônibus especiais do centro para o mineirão lotados de gente cantando o hino. Triste mas acabou.

    3. BARATA,

      É o tal “novo normal”!!!

      Não gosto dessa expressão, mas fazer o quê?

      A realidade é dura e cruel…

      Quem viveu o velho Mineirão e lá esteve na condição de Geraldino, Arquibaldo ou “Encadeirado”, viveu uma Era dourada, era feliz e não sabia…

      Uma cena descrita por você e que me marcava muito era a da venda de cervejas e churrasquinhos de gato do lado de fora do Mineirão…

      Ou internamente, do tropeirão com couve picada, torresmo e o ovo zoiudo…

      Rsrsrsrs…

      E tinha aquela de buscar cerveja, naqueles seis copos de uma vezada só, e para tanto o butequeiro enfiava todos os dedos dentro de nossos copos e tava tudo certo e ninguém morreu…

      Rsrsrrs….

      Sem falar das copadas de mijo geralmente jogadas para o alto no momento do gol. E ninguém morreu…

      Rsrsrs…

      Quem viu, viu!!!

      De minha parte, doravante, que moro no Triângulo Mineiro, Mineirão mais nunca e Arena MRV só a passeio em dia sem jogos para conhecer e tirar uma foto…

      “Triste Fim de Policarpo Quaresma”…

      E o que restará do Mineirão?

      Putzzzzz….

    4. Bom dia,

      Darei meu pitaco aqui devido o mencionar do assunto de ontem.
      Esse tipo de tratamento ou não aos atleticanos, sócios ou não, deveria ser muito bem pensado, administrado e acompanhado de perto pelos interessados.
      Quando digo interessados é claro, coloco o clube em primeiro lugar, pois sinto que nobres torcedores passam a ter em suas expectativas frustradas um sentimento de revolta que se torna prejudicial ao clube.
      Não posso estar lá, mas usando da empatia neste caso, digo que é simplesmente revoltante.
      Pago meu GNV desde a criação, não vou ao estádio por morar fora, imagine se na terça feira estivesse nas redondezas de BH e tivesse frustradas minhas tentativas, aff.
      Não concordo que utilizem do poder aquisitivo para obterem vantagens, mas é claro que os torcedores mais dispostos a contribuir com “sigo mesmo” e com o clube, deva obter alguma vantagem nessa fila.
      Existe torcedor que tem no futebol um divertimento e acha que está apenas ajudando o clube.
      Pensando neles também, esses são poucos e não querem deixar de pagar o ingresso, então creio que deveriam ser privilegiados.
      Existe um lado cultural no estado de Minas Gerais que é a figura do cambista, para mim uma contravenção que deveria ser combatida fervorosamente pelo clube, mas devido as dificuldades e facilidades apresentadas, só posso acreditar que essa mesma atividade é alimentada por alguém de dentro, ou seja, clube ou distribuidores dos ingressos.
      Creio que o clube pode perder muitos sócios torcedores devido a falta de preocupação com esse assunto.
      Muito triste e não creio que é reflexo da quantidade limitada de ingressos.
      Que se faça uma fila clara, levando em conta todos fatores.
      O mais interessante é que no caso da camisa da Massa fizeram uma tal fila, deu certo, talvez porque naquela fila não existia uma forma de se levar vantagens obscuras como no caso dos cambistas.
      Infelizmente com tamanha seca de Galo ao vivo, e tão pouco lugares não daria mesmo para atingir a todos, mas não podemos esquecer nunca da massa.

    5. Barata, boa tarde!
      Com a elitização do futebol, fato que me parece irreversível, realmente a CASTA que você citou será a representante da torcida nos estádios.
      Logo, todos serão como os torcedores do interior. Nós que não estamos próximos a BH há tempos temos que nos contentar com o que a mídia se propõe a nos mostrar.
      Raramente o Galo vem à minha cidade com a equipe titular, em consequência disto frequentemente sai daqui derrotado. Na verdade, mais perde que vence o confronto.
      Apesar de toda esta distância entre o Galo e nós do interior, seguimos apaixonado por este clube. Uma de minhas alegrias era ver a nossa torcida empurrar o time às vitórias, vai chegar a hora que a CASTA não dará conta de proporcionar este espetáculo. Infelizmente!
      Abraços!

    6. Barata, você disse tudo.
      O tempo glorioso do futebol passou. Agora é o espetáculo ‘midiático’, das redes sociais e outros tais recursos digitais, que acabaram com aquela velha e boa resenha antes, durante e depois nos arredores do mineirão. Eu quando vim do interior e tinha pouco $ frequentei a geral um tempão. Depois que comecei a trabalhar, virei arquibaldo de carteirinha. Meu filho teve a oportunidade de ir ainda novo comigo várias vezes no antigo mineirão. Até o antigo indepa era bom demais também. De resenha hoje passamos para login e senha. Mas é irreversível. E agora que sou GNV, há 4 anos, tentei mas não consegui de jeito nenhum comprar ingresso na segunda. Me senti traído pelo Galo. Foi uma ducha de água fria. Mas como galo vingador, já marquei a resenha aqui em casa: chamei 3 amigos e os amigos do meu filho. cerveja é por minha conta. começo os preparativos às 18h30 para o jogo. É o jeito.
      Saudações alvinegras!

    7. Saudosismo barato, a vida mudou, tudo muda na vida da, este romantismo também existe em outras áreas. Vamos deixar de lado este sentimento de perdedor e sair para novas glórias, chega de pessimismo e derrotismo, galo tem espírito guerreiro e de força. Senta a madeira Cuca, bala na agulha e time forte em todas as batalhas, o final da guerra está aí, poucos jogos para sermos verdadeiros vencedores e mudar a nossa história.

  11. Este seu comentário , caro Max, deveria ser afixado na porta do vestiário do time, deveria ser dado a este diretor de futebol para que o lesse ininterruptamente, até decorar, pra sentirem a precisão que voce detrinchou a serie de mata mata que estamos a enfrentar. A regularidade dos pontos corridos nada tem a ver com estes mata mata, onde, vacilos , descuidos, perdas de penaltes , desequilibrio emocional, noite ruim , colocam tudo a perder. Mata mata é emocionante sim, mas nem sempre costuma premiar o melhor time . É preciso estar cem por cento focado , concentrado e COM MUITA, MUITA VONTADE DE VENCER , ítem que, perdoem meus amigos atleticanos, faltou em São Paulo, na partida de ida. Jogo burocratico , molestando pouquissimas vezes a meta adversaria , não fazendo os gols que por acaso se oferecem, não é , certamente a melhor forma de sair bem neste time de competição , sem chance de recuperar. O que todo mundo vê e sente é que quando há superioridade de um time sobre outro, como nosso caso, sem falsa modestia, o resultado positivo deve aparecer , qualquer coisa longe disto é dar sopa pro azar. Erro zero, concentração, determinação , Nacho entrar em campo , time finalizar mais, buscar a vitoria em noventa minutos , sem tregua. Não enxergo , como mentes privilegiadas dos comentaristas do eixo, estratégia genial do treinador naquele jogo, pra mim, torcedor leigo , o que vi foi medo, covardia, retranca , dos dois lados, principalmen te do dono da casa, parece que os dois times guardaram tudo pra final em BH, esta é a ompressão. Repito, nosso time é muito melhor , se jogarmos como jogamos contra o river, time melhor que palmeiras, venceremos

    1. Evandro, bom dia.

      Muitíssimo obrigado. E, corroborando a sua sugestão quanto a alertar jogadores, treinador, comissão técnica, diretor de futebol e o próprio comando alvinegro em relação à duríssima parada que o Atlético tem pela frente, compartilho com vc e os demais amigos dessa Confraria o link de uma notícia divulgada hoje que tem cheiro de armadilha.

      https://twitter.com/pretono46871088/status/1441384575960182793?s=21

      Alguém acredita mesmo que o Flamengo, com o volume de receita e de interesses dos parceiros envolvidos, estaria pensando em abandonar a disputa do título do Brasileirão para se concentrar exclusivamente nas duas copas?

      Como dizia um velho amigo: “ Me engana que eu gosto”

      Ah! De olho no queijo e outro no rato. Caso contrário, o Atlético não ganha nada.

      Saudações atleticanas.

      1. Max, li a manchete e comecei a rir baixinho, me engana que gosto é pouco, como voce bem diz. Apostam as fichas sempre, na massa de otarios, ingenuos , pessoas de boa fé que acreditam , piamente que o futebol é resolvido, decidido nas quatro linhas e esta manchete também sinaliza como uma atenuante desculpa esfarrapada por não conquistarem o brasileirão ,acho até mais provável…..ah, o flamengo abandonou o brasileirão, está interessado na libertadores…. Sei. acredito . Continue, amigo Max, a prestar seu serviço a nosso amado clube, fiscalizando , exigindo jogo limpo, imparcialidade, compostura , a quem devia zelar por ela e não o faz. Me sinto representado por voce , nossa atleticanidade anda junta

  12. Bom dia!
    Quero ser bi campeão brasileiro! Pelo que sei, o jogo com a porcada pelo brasileirão vai ser bem mais pra frente. O foco agora é no São Paulo.
    Vai pra cima Galooooo!!!!

    1. Acho que o Cuca está fazendo um excelente trabalho,o Porco não teve nenhuma chance real de gol, nós tivemos o pênalti, que o Hulk amarelou, eu tinha certeza que venceria em SP, agora estou em dúvida,vamos torcer para o psicológico do Time estar em dia,pois vai ser uma batalha

  13. Bom dia, Massa e Guru,

    Parafraseando um ditado, mas trocando os personagens “um olho no porco, outro no veado (bambi). Que barra pesada teremos pela frente, mas ao contrário de épocas recentes, temos elenco, confiança e acima de tudo vontade de ganhar.
    Só me assusta é que quando o resultado obtido não é a vitória, surgem até mesmo entre nós torcedores, críticas a jogadores algumas delas justas, mas outras extremamente exageradas como as que agora estão sendo direcionadas ao nacho.
    Nenhum jogador é obrigado a jogar todos os jogos bem e um jogador do quilate do nosso maestro com certeza irá se recuperar de sua má atuação.
    E como gosto de ditados, para os críticos mais ferrenhos vai mais um:

    “Devagar com o andor que o santo é de barra”

  14. Bom dia, Eduardo, atleticanas e atleticanos.

    Entre os muitos ditos e não-ditos sobre o jogo no Allianz Parque e o que será realizado no Mineirão, terça-feira, prefiro ficar com o que disse o Mariano na sua entrevista coletiva. “Antes de pensar no Palmeiras, temos que enfrentar o São Paulo no sábado”.

    É assim que o Galo tem que ver a sua vida. Nada de tirar o foco do próximo jogo porque ele é o mais importante. Um mau resultado em La Bambineira, trará, com certeza um mal-estar ao time que poderá prejudicá-lo na terça-feira. Desse modo, nada de desvio de atenção. Vencer o São Paulo é o que tem de mais importante para o Galo no momento. Só depois de cumprir bem essa tarefa é que lhe é permitido pensar no Palmeiras.

    Portanto, Galo nada de vacilo no sábado. Tem que entrar em campo bem disposto, com o time completo, concentrado no Brasileirão, jogando o futebol limpo e inteligente que tem encantado a sua torcida e trazido desespero para os “inimigos”.

    Joga bola, Galo. Esquece o resto. O único jogo que tem importância de vida e morte é o próximo.

    O GALO ESTÁ VIVO E ATIVO E PRONTO PARA AMPLIAR A SUA LIDERANÇA NO SÁBADO, LÁ EM SÃO PAULO. Que o Corinthians faça a sua parte e o mequinha continue se afastando da Z4.

  15. Bom dia Max. Bom dia a todos. O sub 20 reforcado pela mistura de Ronaldinho e Reinaldo perdeu para o cruzeiro ontem e o craque que ja fez 17 anos além de nao jogar nada ainda foi substituído. Enprestem esse Savinho para o Araxa Esporte Clube. Urgente!!!

    1. Domingos Sávio, bom dia.

      Embora seu post fica da temática do artigo ele, ainda assim, reforça a ideia que defendo quanto às armadilhas que normalmente se interpõe nos caminhos do Atlético, dentro e fora do campo.

      Infelizmente este jogo de ontem do Galinho Sub 20 contra o rival em uma das semifinais do Campeonato Mineiro não foi transmitido por nenhum streaming e nem pela TV. Assim não vi e não posso opinar.

      Com base nos jogos do Campeonato Brasileiro que tenho assistido regularmente, embora o Atlético lidere a competição nessa fase de classificação, a derrota para rival não me surpreendeu. Tenho visto um time muito irregular, alternando boas e más atuações. O treinador por razões muitas vezes não claras roda bastante o time.

      Nesse contexto, Neto e Savinho estão vivendo em uma gangorra que mais atrapalha do que ajuda: um sobe e desce entre o time principal e o Sub 20, de uma forma que, ao entrarem no time, alteram em razão de suas características, o jeito de jogar que a equipe vem utilizando com mais frequência. Eles desce, jogam e, vckaro, alguém que vinha jogando vai para o banco.

      Atribuir a derrota a Savinho e não cobrar um melhor aproveitamento da jovem é excelente promessa, com todo o respeito, não me parece correto.

      A torcida, por vezes, também espalha suas armadilhas e em nada contribui de positivo.

      1. Bom Dia,

        Concordo, nesse caso seria melhor para todos que o Savinho fizesse uma temporada inteira no sub20. Pulou etapas, e isso me parece não ter feito bem ao garoto.
        Porém julgo não ser o caso do Neto, este para mim está preparado.

      2. Concordo contigo. E apesar das brincadeiras recorrentes aqui no grupo, minhas inclusive, de considerá-lo uma mistura do Rei e do Bruxo (acho que foi o próprio Ávila que disse isso aqui), continuo a bater na tecla de que o Sávio é muito novo para tanta cobrança. Continuo acreditando que esse cara ainda vai nos dar bons frutos. Já o Neto, considero uma realidade que só necessita de maiores oportunidades que, certamente, aparecerão no Rural/2022 (espero).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.