Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Galo escaldado tem medo de CBF fria

Ontem, já na descida do Horto e depois em comentários que chegaram ao blog, Atleticanos se mostravam insatisfeitos com a arbitragem. Entre os comentários, alguns ofensivos, especialmente de não-Atleticanos, tentando provocar um confronto sobre o assunto.

A esses, como já fiz em postagens anteriores, reafirmo que o tempo que gasto para jogar na lixeira é de exatos 13 segundos. Afinal, 13 é Galo. Portanto, não gastem seus 24 longos minutos, pois será pura perda de tempo. Tanto comentários assim, quanto os que ofendem o time do blogueiro e até a empresa que mantém o blog.

Dito isso, vamos ao que interessa. O histórico de “erros” de arbitragem contra o Galo é antigo. Afirmar que os juízes “roubaram”, seria leviano, pois eu teria que provar e isso é praticamente impossível, até porque muitos destes “erros” já caducaram, embora não saia da memória de um Atleticano quase sexagenário.

Marin

Wright, Aragão, Márcio Resende, Simon e uma infinidade de juízes aposentados já levaram Atleticanos à loucura por suas decisões com a boca no apito. Além disso, decisões administrativas da CBF e julgamentos do STJD, em vários momentos, colocaram em dúvida a ação e resultado, sempre em desfavor do Galo.

Os recentes campeonatos nacionais de 2012 e 2015 foram manchados por uma sequência de “erros” inexplicáveis. Isso me permite questionar, indagar, colocar minhas barbas de molho e até delirar, sim, se foram ocasionais e coincidentes ou se deliberados. Afinal, os dirigentes da CBF vivem mais em noticiários de escândalos do que no esportivo. Seus últimos presidentes nem terminam seus mandatos. Abandonam o cargo.

del nero
Fotos: UAI/Superesportes

Quanto ao jogo com o América, que foi o objeto de um único parágrafo da postagem pós-jogo, seguem as considerações. Protesto, sim, e protestarei toda vez que entender que a arbitragem prejudicou o meu time. Quanto ao jogo do meio de semana, argumentado por um infeliz e agressivo leitor, o juiz errou em não dar uma penalidade para cada lado e ainda foi preciso nas faltas contra o Galo e ineficaz nas infrações na outra via.

Diante disso, não posso deixar de lado, apesar da vitória, a reclamação contra a arbitragem. Erros grosseiros de todos eles, juiz e bandeirinhas. O juiz, Anderson Daronco, numa incontável e infinidades de critérios desiguais na interpretação, deixou de dar uma penalidade quase no final do jogo, clara e na sua cara. O zagueiro americano ao tocar com o braço tirou a bola da trajetória que ia de encontro a um atacante Atleticano.

Durante a partida foi implacável contra o Galo e não teve o mesmo rigor com o adversário. Mal posicionado, não contou – por exemplo – com a participação do bandeirinha nos casos em que era necessário o auxiliar dedurar o jogador adversário. Se tivesse critério e o bandeira Marcelo Van Gasse fosse eficaz, o lateral Jonas, do América, não teria terminado a partida. Se fez de sonso.

O mesmo bandeirinha matou um ataque que resultaria no segundo gol ao marcar impedimento inexistente do Fred, considerando ainda que a bola foi interceptada por zagueiro tirando a infração que sequer existiu. O matador entrava livre e na cara do goleiro. Deve ser o tal “perigo de gol”.

Já o seu colega Rodrigo Correa, também paulista, numa jogada em que Clayton usou a coxa, “viu” ter sido com a mão, o que lhe valeu cartão amarelo ao reclamar. Logo em seguida, jogador adversário acintosamente esbravejou contra outra marcação e Daronco, outra vez, afinou. Fosse do Galo!!!

 

10 comentários em “Galo escaldado tem medo de CBF fria

  1. Eu concordo com tudo o que diz sobr eo assunto, de Ávila ! Em 1977 e 1980 , peremos dois títulos na mão grande e maior geração de craques do Galo euma das maiores do futebol brasileiro, com Reinaldo, Toninho Cerezo, Éder , João Leite ,foi condenada covardemente a não conseguir um título nacional. Nos anos de 2012 e 2015 , os sucessivos favorecimentos ao Fluminense ao Corínthians, respectivamente , não só fforam muito importantes nos desfechos dos campeonatos ,como também despertou fortes suspeitas.
    E também te apóio quando afirma que os clubes mineiros precisam unir forças para combatem a CBF e os sesu esquemas sempre em prol do eixo Rio -São Paulo .Mas , nobre atleticano , de posi d etoda aquela palhaçada que os nossos cartolas fieram na fundação da Primeira Liga , fico me perguntando se a mentalidade deles ( memso a dos reconhecidamente competentes ) nos permitem ainda sonharmos com esta possibilidade. O que pensas sobre isso ?

  2. Quando o assunto é arbitragem, nós, Atleticanos de verdade e que temos vergonha na cara, precisamos antes de tudo providenciar um remédio para o coração, tamanha a raiva que nos acomete e precisa acometer.
    O CLUBE MAIS PREJUDICADO EM TODA A HISTÓRIA DO FUTEBOL BRASILEIRO!
    Só isso…
    Fico com tanta raiva que o melhor seria não me manifestar… Mas se eu me exceder, tudo bem, o amigo blogueiro deleta minha mensagem, tudo bem…
    Duas coisas pra ser breve: este assunto pertence ao Atlético e ao Atleticano… Portanto, faça um favor, Eduardo, à tradição alvinegra e responda com palavras de baixo calão à cruzeirada que se intrometer… Envie a resposta para o e-mail deles…
    Outra: eu, pessoalmente, não gosto desta conversa de ‘Volta, Kalil!”… Isto é papo de anarquista…
    Agora, o Nepomuceno precisa ser mais e enjoado, se lembrar de que a melhor defesa é o ataque: o Kalil após uma partida contra o Santos em que vencemos ele enviou um questionamento àquela porca entidade… Um exemplo notável! É assim que deve agir um dirigente que zela pelo seu Clube… Um exemplo pra terminar: aquele gaúcho que apitou domingo, após o jogo, nosso testa de ferro se desentendeu com aquele ex-jogador em atividade… Bateram boca, apontaram dedos… Resultado: cartão amarelo só pro Léo Silva… Vou falar mais nada não…

  3. Falando em arbitragem , trio paulista capitaneado por Raphael Claus – aquele mesmo que adora ferrar com o GALO em todos os jogos em que atou – apitará a partida de quinta-feira . Como não lembrar da falta não assinalada em cima do Jr.Urso, que originou o 2º gol do grêmiô (25/06)no jogo este ano no Horto ? Seu histórico contra o GALO é tenebroso … Bastidores da pauliceia trabalhando direitinho novamente .. é esperar para ver ! SAN

  4. Caro Eduardo e leitores do blog,
    os “erros” de arbitragem contra o Galo vem de longe….. e não preciso citar quantos campeonatos nos foram tirados na mão grande…. e sempre em favor de paulistas e cariocas…. esse ano parece que a bola da vez é o Palmeiras…. vamos aguardar…. É muito estranho que jogos que interessam ao time paulista são sempre apitados por juízes já manjados como o Sr. Wilton Pereira Sampaio, aquele mesmo que “tirou” uma copa do Brasil do Coritiba e entregou para esse mesmo time…. Temos que ficar atentos e denunciar qualquer tipo de favorecimento e esquema…. Porque se for só na bola não tem pra ninguém… é Galo na cabeça….. Quinta estarei no mineirão… vamos lotar e apoiar….

  5. Boa tarde, prezados! o desprezo que sempre vi, em relação ao Galo, por parte da arbitragem é óbvio e descarado. Pelos meus anos de vida, venho elaborando uma tese, meio que fantasiosa de que nosso uniforme (idolatrado) por conter listras, desfavorece as marcações em lances duvidosos, confundido ainda mais os juizes, já tendenciosos. Os impedimentos então, é uma farra total, ao longo dos anos. Outra faceta de nossos times recentes é o comportamento de diversos jogadores em repassar para a arbitragem, a responsabilidade de alguns lances, seja por lentidão, seja por interpretarem antecipadamente o lance, antes do apito (nos casos de disputas de bola, no corpo a corpo e nos de contra ataque adversários). É absurdo a quantidade de lances que se tem mais de um jogador do Galo envolvido com apenas um adversário e o adversário acaba saindo com a bola (leiam-se as duas laterais e meio de campo). É preciso que a diretoria de futebol do Galo cobre mais pró-atividade dos treinadores em atualizar procedimentos de desarme seja ele defensivo ou ofensivo. Aguardar passivo, que o juiz determine, só vai dar problemas, ainda mais com a falta de velocistas que enfrentamos desde a ausencia do Luan. Jogar com intensidade, com passes precisos e finalizações de qualidade nos farão independentes e blindados contra o apito amigo de sempre.

    1. Adilson ! Entendo e respeito vossa colocação mas, na partida pela Copa do Brasil frente ao botafogo que fomos roubados no maracanã , e o simon deixou de marcar a penalidade clara no Tchô bem à sua frente, o GALO jogava de branco .A má vontade da cbf com o GALO independe das cores do MANTO. Qdo ela determina,o assalto é garantido … Clique no link e veja o lance aos 2’19” … https://www.youtube.com/watch?v=tOWd-oZFMe8 … SAN

  6. Novamente ressalto que, na verdade, o GALO está jogando muito mal. O goleiro do América não fez uma única defesa. A arbitragem tem seus erros, tem! Mas não o suficiente para explicar a mediocridade do sistema adotado pelo Marcelo Oliveira. Este já teve tempo para implantar um mínimo de efetividade no GALO e jamais esses chutões pra frente, o que simplesmente transfere o jogo para o adversário. O Marcelo está tão equivocado que ainda mantém titular o Clayton. Tenha a santa paciência!!! Mesmo assim, Viva o Galo!!!

    1. Goleiro do mequinha não fez nenhuma defesa?? Sério? ? Aquela bola na trave bateu antes no anjo da guarda dos goleiros? Pênalti nao marcado. …,e mais clássico é sempre clássico mesmo quando é jogado apenas contra o campeão mineiro

  7. Amigo Dudú,
    Infelizmente, a arbitragem e a CBFlu, vão sempre estar contra o Galo, para que isso não ocorra, uma mudanca muito drástica precisa acontecer na CBFlu. Acho muito pouco provável que tal mudança aconteça, especialmente com uma diretoria de FDP como essa da CBFlu.
    Portanto, temos que jogar mais que qualquer outro time nesse campeonato, pois jogamos contra os adver’sarios, a CBFlu e a arbitrágem. Uma pouca vergonha, mas Galo é Galo.
    Aqui é Galo Porra!!!!! VOLTA KALIL!!!

  8. Dudu ! Marcelo Van Gasse embora seja do quadro de árbitros de são paulo , é carioca e torcedor do florminenC . Como sei disto(?) ,fácil (!) o pai dele Luiz Fernando,é meu amigo de longa data . Qto as figuras que aparecem estragando as artes acima – para acabar de estragá-las só falta a manda chuva – mor , parceira de falcatruas e cria da ditadura, o câncer chamado grobosta . – são figuras representativas da podridão em que está atolado o futebol brasileiro .Estes aí deveriam estar presos , com mais um tantão de lesas pátria que falam em nome da Nação . Árbitros com poucas e raras excessões, comem nas mãos destes bandidos e quem não o fizer está fora .O sistema é bruto e a carne – a deles – é fraca !!! Longe de um final feliz qto o assunto é arbitragem .. só ver o que fizeram nas partidas – em todas as ,diga-se – ontem … SAN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*