Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Desfalcado em busca da vitória

América do Sul 300x250A partida de hoje é definitiva para as nossas pretensões. É vencer ou vencer. Qualquer outro resultado não interessa ao Galo e ao Atleticano. Faltando dez jogos para o encerramento, ou seja, 30 pontos, a diferença que deixamos acontecer de cinco pontos para o líder não permite mais qualquer tropeço de agora até o final. Repetir que em vários jogos tínhamos tudo para garantir a vitória, pontos e melhor lugar na tabela, além de ser repetitivo é desnecessário.

Os paulistas corintianos estão embalados com a possibilidade de brigar pela sexta vaga brasileira na Copa Libertadores do próximo ano, com a “inovação” de G4 para G6 e – ao contrário do que se previa – virá forte para cima do Galo. Convém salientar, como muito bem lembrou o amigo coronel Ernest Soares, que lá no Itaquerão é comum molharem a grama do lado da defesa adversária.

Ano passado, com esse artifício, os zagueiros do Galo não paravam em pé e perdemos a partida. No intervalo, parecendo campeonato de roça, provocam uma verdadeira chuva artificial para prejudicar o time visitante. Coisa de gente suburbana que mora na maior cidade brasileira. Não foi sem motivo que, recentemente, um treinador que está trabalhando em Belo Horizonte e que já dirigiu esse mesmo time insinuou favorecimento de arbitragem.

Diante disso, convém ao Galo entrar em campo pilhado – no sentido de buscar a vitória –, uma vez que para o Corinthians tudo vale. Pode ter erro de árbitro, campo molhado, o que for necessário. A TV nem repete a jogada duvidosa e tampouco informa a malandragem oficial.

O Galo, apesar dos desfalques (cinco em seleções, o que o coloca como terceiro time no mundo com maior número de jogadores convocados), suspensão e ainda lesionados, tem que ignorar todo e qualquer fator e partir em busca do resultado e dos três pontos. Imprescindíveis nesta reta final de campeonato.

Robinho e Dátolo treino 04-10-16
Fotos: Bruno Cantini/Atlético

O destaque do Galo será Robinho. Acostumado a vencer o adversário, desde os tempos em que atuava pelo Santos, o “rei das pedaladas”, acumula oito vitórias (uma delas pelo Galo), dois empates e apenas uma derrota contra a equipe paulista. Se nessas partidas, onde não era responsável por finalizações, marcou quatro vezes, agora no Galo o R7 vem se destacando com gols e assistências. É um dos artilheiros do Campeonato Brasileiro. Robinho reforça a esperança e a expectativa do Atleticano para o jogo no Itaquerão.

Mesmo com dez desfalques, pelas razões já mencionadas e conhecidas, boto fé no Galo. Gabriel não tem deixado o Atleticano se preocupar com as eventuais ausências de Erazo. As ausências de Cazares e Otero abrem outra oportunidade para Dátolo, que ultimamente vinha entrando bem quando acionado. Já na frente, além do Robinho, temos o retorno de Fred. Que venha o timinho da CBF e da TV. Aqui é Galo!

7 thoughts to “Desfalcado em busca da vitória”

  1. Eduardo, desfalque mesmo acredito que são Maicosuel, Cazares e Pratto , que vem sendo reserva, o restante temos jogadores a altura. Esse jogo de hoje só pode ter um resultado, se pretendemos realmente lutar pelo título: VITÓRIA. vitória para compensar a derrota para o florminenC. VAAMÚUUUU 9AAALLLÔOOOOO!!!!!! AQUI É 9ALO, P….!!!!

  2. Hoje temos que superar os desfalques, a falta de esquema tático, o time apadrinhado pela cbf, a arbitragem e vencer de todo jeito. Vendo os adversários dos rivais na briga pelo título, o jogo de hoje é fundamental para nossas ambições. Apesar dos desfalques, vejo o time que deve entrar em campo (Victor, Carlos César, Gabriel, Léo Silva e Fábio Santos, Donizete e Lucas Cândido, Clayton, Robinho e Dátolo, Fred), com condições reais de vencer o corínthians. Sangue nos olhos desde o início e o tempo todo, raça quando não der na técnica e vamos que vamos. Algo está me dizendo que seremos campeões na base do “Galo way”, com emoção até o fim. SAN

  3. A entrevista do vereador ontem me passou pessimismo quanto ao futuro do nosso time. Imagina tomar um calote desta monta do fornecedor e ainda não ter previsão de resolver o problema. A situação deverá ir para a justiça (como sabemos é lenta), enquanto as dívidas aumentam em virtude do elenco caro. A empresa é responsável por parte dos salários dos principais jogadores. Espero que o Departamento Jurídico do GALO esteja se preparando para tentar a rescisão e que doravante as escolhas sejam melhor pensadas. Quanto ao jogo de hoje, É VENCER OU VENCER! VAMOS GALOOOOOOOOO!!!

  4. Acredito que faltou bom senso por parte da CBF em adiar (ou ter antecipado?) a partida do Galo. Mas considerando as pretensões do Corinthians e dos times a frente do nosso alvinegro, não esperava menos.

    O Corinthians não é mais aquele time do ano passado em que Renato Augusto e Jadson controlavam o jogo e Tite ditava o ritmo impondo seu conhecimento tático. Mas claro, o legado tático ficou. Temos de abrir os olhos. O Atlético peca muito pelo não envolvimento defensivo dos homens de frente. Fred e Robinho literalmente só cercam e Clayton não é uma referência em recomposição.

    Marcelo terá que trabalhar uma solução. Colocar um time mais burocrático para prender a bola na frente no primeiro tempo e depois de sentir o jogo soltar mais a equipe. É um jogo que deve ser tratado como final.

    Outro ponto que me preocupa é a escalação. Lucas Candido, que já defendi pela qualidade tem sido um marcador apático. Contra o Fluminense nem sujou o uniforme (pra não falar a chuteira) e deixou uma cratera similar à do metrô de SP anos atrás em nosso meio de campo. Eu particularmente arriscaria Dátolo ao lado de Donizete (já jogamos assim com Levir e deu certo), daria à Robinho a responsabilidade de armar (centralizado ou não) e colocaria Patric de início para recompor o time. Dátolo faz bem a saída de jogo pela qualidade no passe e jogaríamos para Fred, Robinho e Clayton a responsabilidade de tramar algo (infelizmente não dá pra incluir o Patric pelo déficit técnico).

    Boa sorte pra nós. Que o time jogue com garra e que os 3 pontos venham para continuar sonhando com o título. O futebol apresentado até aqui não convence, mas os resultados vem acontecendo pelo menos.

  5. Ganhar ou ganhar, né, xará? Superar os desfalques, jogar pela torcida, pela instituição, tudo em nome de tudo que significava GALO. Vãobora! Venceremos!

  6. Bom a culpa é do presidente, mas os selecionáveis querem jogar no Galo, fazer o quê? tem um time que tem 8 convocados (todos para a seleção Boliviana) uma pequena diferença para os 5 do Galo afinal dois deles pertencem a seleção Brasileira e Argentina, o Galo se tornou uma vitrine interessante no futebol Sul-Americano, se perguntassem em 2008/9 quando o Kaliu assumiu nenhum destes escolheria o Galo, mas presença constante na Libertadores e a chance real de títulos, além de uma possível convocação, representa a potencialização do jogador, o que fazem todos querer o Galo nos últimos anos, se jogador fosse disputado com Corinthians e Flamengo todos nós sabíamos quais times tinham a preferência, hoje não Casares (que tá devendo, mas joga muito) foi disputado com o time de Itaquera e escolheu o Atlético, sinal de novos tempos e creio que mesmo com os desfalques o Galo tem elenco para jogar e ganhar do Corinthians #pracimadelesGalo

  7. Em relação a molhar o campo é só os jogadores entrarem com travas bem afiadas e dar umas rasgadas. Agora em relação à entrevista do vereador ontem tenho pessimismo em relação ao futuro do atlético. O amadorismo na área médica parece que existe em grande quantidade na área financeira. Resumindo pelas entrelinhas: o Galo levou calote do fornecedor, entrou num problema jurídico enorme envolvendo várias partes e, isto pode inviabilizar novos patrocinadores, além de gerar dívida enorme com Robinho, ainda gera passivos trabalhistas enormes, tem dívidas com muitos clubes, tem um elenco velho e com contrato longo. Faltou uma pergunta da Itatiaia: está pagando em dia o refinanciamento da dívida fiscal? A fofoca que existe é que não.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.