Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Daqui a pouco tem Galo no Horto

Pouco teria a acrescentar sobre o jogo de daqui a pouco, lá na Catedral do Horto, onde, a exemplo do que ocorre no Mineirão (salão de festas), só tem grande público em jogos do Galo. Entretanto, apesar da limitação de público imposta pelo time mandante, é certo que a maioria dos presentes será de Atleticanos.

Vamos relembrar um pouco do passado deste jogo, que outrora já foi chamado de “Clássico das Multidões”, antes de o Coelho ceder o lugar de segundo time de Minas e da capital para outro clube de Belo Horizonte. O primeiro clássico mineiro foi Galo e Villa Nova. Portanto, ao longo da história, três clubes do futebol mineiro se revezaram no confronto direto com o Galo (sempre Galo) no principal jogo de Minas Gerais. Hegemonia é isso!

image

Pelo Campeonato Brasileiro já foram disputadas 14 partidas entre Galo e o adversário, com sete vitórias nossa, cinco empates e apenas duas derrotas. A última partida foi em 2011, num empate sem gols, naquela fase de Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Naquele ano, a diretoria americana – a exemplo de agora – limitou o numero de ingressos e colocou um preço exorbitante para o Atleticano. Ao final da competição, o Coelho voltou para a série B.

No total, são 398 confrontos diretos, com 194 vitórias Atleticanas, 104 derrotas e exatos 100 empates. O Galo marcou 692 gols e tomou 501 tentos do adversário. O Galo, tradicionalmente o time mais popular e de maior torcida entre belo-horizontinos e mineiros, tem uma torcida formada predominantemente pela classe média e a população de baixa renda, enquanto o coelho sempre teve sua imagem ligada à aristocracia e à elite.

Enquanto no Galo o Torcedor enfrenta filas para adquirir ingressos para os seus jogos, o adversário – com seus quase 2,5 mil torcedores na capital (superado até mesmo por times de outros estados) – tem até lugar marcado (como numa sala de aula) para o seu público assistir aos jogos. Recentemente, foram apenas 697 torcedores numa partida. Todos se conhecem. Dizem que tem até patrão que sugere a funcionários irem aos jogos e confere a presença de cada um deles.

image
Fotos: Wesley Dedé (torcedor)

Apesar disso, com a limitação imposta pelo time mandante, é certo que a massa fará muito mais barulho nas dependências do estádio do Horto, em que pese todas as promoções oferecidas pelo Coelho, como crianças e mulheres entrando de graça. Não sei se desta vez, como recentemente, terá caldinho de feijão – gratuito – para atrair torcedores.

 

No mais, o que o Atleticano espera é que, em campo, o Galo repita suas últimas atuações e suba – ainda mais – na tabela de classificação rumo ao G4 e ao título de 2016.

 

Logo após a partida, o blog libera sua resenha sobre o jogo.

4 comentários em “Daqui a pouco tem Galo no Horto

  1. Ahahahahah, gostei, post extremamente bem humorado e debochado, na conta pra zoar o (ex) adversário. Parece que estava prevendo a vitória (mesmo com futebol ruim). Bom humor é essencial, meu caro!

  2. Tem mais eh que vencer essa josta de time que eh o Ameriquinha. Lixo de time que deveira estar na oitava divisao do campeonato brasileiro. Ganhou o campeonato rural porque a anta do diego aguirre era uma josta de tecnico. America eh um time (?) que merece fechar as portas e acabar. Nao tem torcida, titulos inexperessivos (leia-se campeonatos rurais) e nem time pra jogar a primeira divisao…

  3. A Seleção de Lourdes entrará em campo às 11hs. Maior folha salarial do Brasil. Lateral Danilo precisa ser marcado. Leo Silva não dá conta de cobrir MRocha. Victor não pode dar chutão. Donizete deverá fazer mais um, assim como Fred. Robinho irá justificar o salário, e Clayton abrirá o placar. Chegaremos aos 16 pontos. Maicosuel é aquele que joga de cabeça baixa? Árabe não entende apenas de petróleo. Vai embora Pablo, velocista que já foi aplaudido no Horto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*