Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Comemorando os três pontos e projetando outra vitória

O Atleticano tem muito o que comemorar, pois os resultados da rodada do último de fim de semana foram ótimos às nossas pretensões. Agora, já refeitos do terrível jogo de ontem pela manhã, os Atleticanos voltam a pensar e projetar na campanha do time para este ano. Disse ontem aqui no blog, logo após a partida, e repito: valeu pelos três pontos na tabela.

O jogo e o time Atleticano, que é o que nos interessa, foram horríveis. O adversário que se dane e lute para não voltar ao seu lugar de origem e de direito, a série B. A partida foi ruim, exatamente por ter pela frente uma equipe sofrível como é o América. Se ganharam o Mineiro, o responsável pelo título deles chama-se Diego Aguirre.

Robinho, Fred e Clayton - 26-06-16 jogo com o América

O Galo fez aquele gol relâmpago e apagou no resto da partida. Foi difícil aos olhos de quem esteve no Independência acompanhar o jogo até o final. O que mais uma vez não deixou a desejar e, via de regra, encanta a todos foi a Torcida Atleticana. Novamente cantou e incentivou o time o tempo todo. Já nas partidas anteriores, quando os gols demoraram mais tempo a sair, o Atleticano comprovou ser um fator desestabilizador dos adversários nos jogos em casa. Esse casamento faz muito time trëmër.

Um breve comentário e zuação sobre o adversário. De nada adiantou aquela burrice de reservar 9,5 mil ingressos para sua torcida. Sabe-se que os americanos em Belo Horizonte somam apenas 2,5 mil pessoas. Nem colocar mulheres e crianças de graça e um animador de platéia adianta para alavancar torcedores. Nos jogos do Coelho chegaram até a dar caldo de feijão gratuito para tentar animar o americano. De nada adiantou. Destinar apenas 7,5 mil ingressos para o Atleticano é outra prova cabal da incompetência e explica a posição na tabela desse time mineiro.

Como o que interessa a nós é o Galo, sigamos. Na quinta-feira, frente ao Botafogo, com o Mineirão lotado, o Atleticano espera dar prosseguimento à campanha de reação que o time vem impondo. Já estamos aterrorizando os não-Atleticanos.

Para tanto, é necessário que alguns jogadores mostrem a que vieram. Robinho fez o gol da vitória, numa jogada com a participação decisiva e efetiva do Clayton, mas ambos ainda estão devendo e o Atleticano quer e espera muito mais deles. Robinho chegou com festa e Clayton foi objeto de longa disputa com outros clubes.

Outro jogador que, apesar de recentemente ter caído nas graças da Torcida, caminha para o rumo da impaciência do Atleticano é Patric. Talvez ele até nem tenha tanta responsabilidade nisso. Frequentemente escalado fora de sua posição de origem, o lateral, ponta, volante, meia, atacante (só falta entrar no gol) vem sendo opção do técnico Marcelo Oliveira, como já fora dos dois treinadores anteriores.

Patric em treinamento do CT
Fotos: Atlético/Bruno Cantini

Ontem, ficou visível que ele só serve na emergência e na lateral direita. Enquanto a bola, ao cair nos pés de Cazares, parece ser amortecida, quando chega em Patric dá a impressão de que bateu numa parede de cimento. Bate e volta! Parece um touro bravo, daqueles de festa de rodeio no interior.

Hoje à tarde, resumidamente, tentarei mostrar os “erros” do árbitro Daronco e seus auxiliares no jogo de ontem, contestados por não-Atleticanos e até tolerados por outros verdadeiros Atleticanos. O espaço agora foi insuficiente. O histórico da arbitragem com o Galo é a maior responsável por esta barba branca que carrego.

12 comentários em “Comemorando os três pontos e projetando outra vitória

  1. Na minha concepção, o Galo sufocou e fez um gol muito rápido e com isso jogou a responsabilidade de sair pro jogo pro América. Jogo 11h (o TERCEIRO em 11 rodadas enquanto os queridinhos da grobo e cbf; curintia e framengo jogaram qtos mesmo? Estranho né?) diga-se de passagem!
    Aí um ou outro pode falar:
    “-Mas contra a Ponte também foi às 11 h e o time entrou voando”. Oras… situações COMPLETAMENTE DIFERENTES… Contra a Ponte, vínhamos de derrota no meio de semana, estávamos na maldita Z4, diretoria, comissão técnica e atletas sendo execrados pela torcida modinha pós-2013 e imprensa Itatizeiro! Entraram com a corda no pescoço e entusiasmados com a chegada dos equatorianos. Ontem naum! Vínhamos de 2 boas vitórias – grande jogo contra a ponte e vitória não com show, mas com autoridade sobre o atual campeão brasileiro – e jogando contra o lanterna verde da competição… O importante foram os 3 pontos q nos deixou a 6 do líder e a 3 do G4.
    Tite em 2012 jogou um futebol HORRÍVEL e foi campeão da libertadores e mundial ganhando seus jogos por 1×0… q o Galo siga a mesma vibe!
    Repetindo o q postei aqui uns dias atrás:
    “Prefiro passar sufoco no primeiro turno e ser campeão no final do ano, a ser campeão do turno e perder no final, como em 2012 e 2015”! SAN

  2. O Galo jogou muito mal e deu apenas a metade dos chutes do adversário. A evolução, que parecia constante, não se concretizou nesta rodada. A criatividade (com Cazares mal no primeiro tempo e sem Carioca) faltou e a armação de jogadas ficou prejudicada. Espero que tenha sido apenas nesse jogo e que não seja uma tendência. Agora, pegaremos o botafogo, o mesmo que acaba de ganhar do Inter em pleno Beira Rio… Todo cuidado é pouco e, caso repitamos a atuação contra o coelho, temos grandes chances de sermos derrotados. Que retomemos o caminho da evolução e com novas vitórias! Vamos, Galo!

  3. Caro rabino Ávila. Dizem as más línguas que o motivo maior de o Galo estar praticando um futebol medonho, de péssimo nível, mesmo ganhando os três últimos jogos, é a questão salarial de jogadores, alguns enciumados e mesmo revoltados com os salários do Fred e do Robinho. Eu particularmente acho que qualquer jogador de futebol, tanto aqui como em outros países, não merecem e não deveriam ganhar cifras astronômicas como ganham alguns. Mas em se tratando do Galo, acho que cada um deles está ganhando o que pediu, o que aceitou, o que está no seu respectivo contrato. Então, o quanto ganha o companheiro (menos ou mais) é assunto dele. Cabe a cada um justificar o quanto ganha trabalhando, cumprindo com suas obrigações. Mas fazer corpo mole ou greve branca porque outro companheiro ganha mais, é uma sacanagem. Reporto-me ao texto bíblico quando o senhor de uma vinha contrata trabalhadores às 7 horas da manhã e combina com eles pagar 2 moedas de prata. Fez o mesmo com outros que começaram a trabalhar ao meio dia e outros que chegaram às três da tarde. Na hora do pagamento os que começaram as sete da manhã não concordaram em receber o mesmo que os outros que chegaram mais tarde. Mas o senhor os advertiu, dizendo: eu combinei com vocês duas moedas de prata, aqui estão. Eu tenho o direito de pagar o mesmo aos demais, mesmo que tenham chegado depois, e é o que farei. Então, cabe ao presidente Daniel Nepomuceno colocar cada um no seu devido lugar.

  4. O Galo vende um produto que tem sua qualidade alterada de um jogo para outro. Foi bem contra a Ponte, menos um pouco contra o Curintia e ontem menos ainda. Parece que os jogadores combinam entre si de dar uma relaxada. Um a zero foi pouco considerando-se que o saldo de gols é importantíssimo, e define uma posição na tabela. Cabe ao técnico orientar seus comandados, inclusive quanto aos cartões amarelos. A zaga já não preocupa tanto. Sai MRocha entra Patric, sai Leo Silva entra Ronaldo. Esse novo “conceição” tem tudo para entrar e não sair mais do time. Creio ter sido uma boa contratação. Leo Silva que se cuide.

  5. Edu!
    Vi o jogo, e fiquei um pouco preocupado não pelo resultado, mas pela fraquissíma atuação de nossos jogadores, se fosse um time um pouco mais competente que o américa teríamos saído sem os 3 pontos.
    Acho que podemos crescer, mas temos que trabalhar muito, esse jogo com o botafogo, é o nosso jogo vencendo este fraco time sem expressão e sem título (com todo respeito rs), poderemos sim brigar pela Liderança.

  6. Realmente, valeu pelos 3 pontos. Devido ao início ruim de campeonato, o mais importante no momento é essa sequencia de vitórias. Se encerramos a oitava rodada 12 pontos atrás do líder, fechamos a décima primeira à seis pontos. Ou seja, em 9 pontos disputados, retiramos 6 de diferença, fato que é ainda mais significativo se pensarmos que dois times estiveram na liderança nessas 3 partidas. Estamos na bica de “voltarmos ao campeonato”, e para isso precisamos vencer o próximo jogo. O adversário, embora em posição desconfortável na tabela, raríssimas vezes nos ofereceu facilidades. Por isso, todo respeito e seriedade no confronto, para podermos alcançar a meta que nos colocará novamente na disputa pelo caneco.
    Marcelo assumiu o time a pouco mais de 40 dias e já foram disputadas 10 partidas. Teve somente uma semana para treinar o time, justamente a que antecedeu o clássico, e nem assim pode realizar o trabalho desejado, visto que alguns jogadores não treinaram e o Fred só chegou à cidade do Galo no sábado, véspera da partida. Por isso, ainda não cobro do treinador uma evolução significativa do time. Ao contrário, até já vejo sinais de que essa evolução virá. A retirada do terceiro volante é um bom exemplo disso. Daqui a alguns dias, o treinador terá duas semanas “cheias” para trabalhar. Poderá melhorar a transição do meio para o ataque e minimizar os espaços do meio. Vai ter que trabalhar bem.
    Por isso, penso que essas vitórias, com 6 gols marcados e somente um sofrido, ocorreram devido a qualidade do elenco atleticano. A volta dos equatorianos foi providencial. A chegada do Fred também contribuiu muito, pois mesmo quando não marca, ele serve como referencia ao ataque. Tem feito um bom trabalho como pivô. E antes que alguém comente que eu deva estar vendo outros jogos, lembro a todos que o Fred chegou a menos de 20 dias, e já fez 5 partidas. Ainda não há entrosamento pleno.
    Essa é a ressalva que faço ao trabalho do Marcelo. Ainda que o Hyuri não tenha feito boas partidas, optar por Patrick, que nada faz, é decretar o fim da passagem do que o ex-atacante do Botafogo no Galo. Hyruri precisa sim melhorar. Mas convenhamos, ele jogou em um time que tinha o Clayton como referência, o Patrick de armador. Teve que fazer cobertura do Carlos César na lateral esquerda. Assim com o Clayton ainda não recuperou o bom futebol, mas tem feito partidas menos horrorosas desde a chegada do Fred, entendo que o Hyuri poderá, gradativamente, melhorar o rendimento participando mais tempo nos com essa base atual montada, com Cazares, Douglas Santos, Fred, Robinho. Não adianta cobrar rendimento do atacante se atualmente ele joga 5, 7, 8 minutos, enquanto o Patrick, improvisado, joga 3, 4, até 5 vezes mais. Não adianta ter elenco e insistir na improvisação.

    1. Amigo Souza, se eu acreditasse em transposição de espírito, eu diria q vc estaria com o meu no corpo quando digitava seu texto… Concordo em gênero, número e grau com TUDO q vc escreveu… Não mudo uma vírgula, apenas acrescento na questão do Hyuri, q os 2 gols q fez, foi quando jogou com Luan e Pratto como companheiros de ataque. É uma sacanagem sem tamanho execrar o moleque tendo PATRIC de armador e Clayton (em período de ambientação com o novo clube) como companheiro de ataque…

  7. Acho que o time do atlético não esta acertado, seu jogadores jogam distante um do outro, falta uma compactação principalmente no meio de campo. Nas laterais estão as maiores falhas na defesa, os nossos laterais levam bolas nas costas constantemente obrigando nosso sagueiro sair na cobertura. Outra falha do time do atlético são os passes na maioria deles são para traz ou de lado. Espero que o Marcelo Oliveira consiga mudar esta tendencia no time do atlético que na maioria das vezes volta a bola para o Victor dar o chute para frente, na libertadores 2013 deu certo, mas não quer dizer que sempre dará certo.

  8. Vi o jogo diferente Dudu . Depois de uma partida disputada com extrema entrega frente aos gambás , correr às 11 hs da manhã com o sol a pino na moleira, é uma puta sacanagem . Tbm quem os cartolas comerem nas mãos da grobosta ? E o mais engraçado , olhando a tabela de jogos , vê-se que tem times mais privilegiados que outros … Veremos muita inconstância nas partidas do GALO ,como time,ainda estamos longe do ideal . Ontem ficou claro que o Donizete ficou sobrecarregado na marcação ,Urso foi menos um em campo ,com isso nosso meio ficou sem criação e o resultado pelas circunstâncias, foi muito bom . Rocha levou o 3 cartão , provavelmente veremos o ‘ faz tudo ‘ em sua vaga . E cuidado com o bostafogo ,assim como o críciuma , sempre foi uma pedra em nosso sapato … SAN

  9. Acho que o Galo ficou limitado pq apesar de serem os dois responsáveis pelo gol do Galo, não renderam muito, Clayton e Robinho. Cazáres foi muito marcado e o time ficou sem 2ª opção para o ataque. M. Oliveira tem que ter outras opções de jogar pois do DM não vem mais ninguém, vista que o Pratto deve sair logo. $$$$.

  10. Só salientando que o Botafogo ganhou do Inter com um jogador a mais e tomando um sufoco danado! Se o Galo quer lutar pelo título tem sim que atropelar o Botafogo (com todo o respeito ao time carioca). Com o Mineirão possivelmente lotado temos o dever de jogar e ganhar bem, nos aproximar do G4 e dar sequência à nossa reação.

  11. Se vencermos a próxima, será uma excelente sequencia de vitórias que nos colocará no páreo. Porém, não me iludo para o restante do campeonato se a qualidade do nosso futebol não evoluir. Claro que alguma coisa melhorou no geral, mas o nível da atuação do Galo ontem foi pra baixar a nossa bola e não acharmos que vamos simplesmente tratorar o Botafogo, que aliás, não tomou conhecimento do vice líder do campeonato no Beira Rio; vem nos enfrentar concentrados e para vencer. Marcelo precisa fazer esse time progredir, ou já já estaremos trupicando e habitando o meio de tabela, sempre na “expectativa” de G4. Com o que tem em mãos, tem a obrigação de seguir em evolução. Se assim o fizer, da pra chegar lá, o futebol brasileiro é nivelado por baixo e um time ajustado sobra no decorrer do torneio.
    Sigamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*