Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

1, 2, 3 de qualquer coisa mais que 4

Max Pereira
@pretono46871088
@MaxGuaramax2012

Há alguns anos uma reportagem sobre os recenseamentos gerou várias brincadeiras que correram de boca em boca Brasil afora. Embora naquela época a febre das redes sociais na rede mundial fosse ainda algo futurista e, para muitos, coisa de um futuro mais que distante e inatingível, a repercussão da matéria fez surgir o que hoje é chamado de meme. Aliás, um turbilhão de memes.

A divulgação de nomes estranhos, curiosos, engraçados, muitos até de sonoridade e significado chulo, alguns graças à junção de sobrenomes que, isolados, não chamam atenção, foi o mote de piadas e de chistes, muitos dos quais perduram até os dias de hoje. A goleada atleticana sobre o Fortaleza fez-me lembrar de um desses nomes. O do Sr. Um, dois, três de alguma coisa quatro.

Sim, o Atlético nesse jogo foi de alguma coisa a bem mais do que simplesmente quatro. O que essa vitória personalista e autoritária trouxe de mais importante é o fato de que o time conseguiu dar uma resposta para si próprio. Uma resposta que certamente cada jogador cobrava intimamente de si mesmo e que, claro, a massa também a recebeu com justificada alegria. Não atoa, os gols foram comemorados, um a um, com um desabafo.

Aliás, ao devolver com energia, intensidade e dinâmica, o futebol ousado, ofensivo, aguerrido e competitivo da boa e briosa equipe cearense, o Atlético mostra ter finalmente compreendido como deve se portar e jogar diante dos adversários que, nessa reta final de temporada, estão se atirando no jogo e na bola com o mesmo ímpeto e vontade que qualquer faminto briga por um prato de comida.

Os gols foram mera consequência da atuação de um time plugado que, após ter-se adaptado ao jogo do adversário, impôs a sua melhor condição técnica e, assim, fez fluir um jogo coletivo e envolvente que, confesso, me surpreendeu bastante. Um jogo que esse time parecia não mais acreditar mais que poderia jogar ou, talvez, se esquecido de como jogar.

Uma mentira repetida indefinidamente acaba se tornando uma verdade para muitos inquestionável. Em sentido inverso, para que esta atuação não seja daqui a algum tempo considerada uma mentira, algo fora da curva, este espirito competitivo e essa dinâmica que ditaram o placar e deram o tom dessa vitória contra o Leão do Pici têm que estar presentes em cada jogo até o fim da temporada.

Cada jogo tem a sua história. Ainda que o time do Cuiabá seja tecnicamente inferior ao do Fortaleza e as suas campanhas no Brasileirão mostrem isso, não esperem um jogo mais fácil e, muito menos, disputado em um nível menor de competitividade. O Atlético, graças à sua boa campanha e à liderança que sustenta e da forma que a vem mantendo, é o time a ser batido.

Além disso, o time mato-grossense vem se notabilizando por fazer um jogo chato e, diferentemente do Fortaleza, do romântico e ofensivo Juan Pablo Vojvoda, não terá nenhum pejo em montar um ferrolho, fechar espaços e impor toda a sorte de dificuldades para o Atlético.

É tarefa de Cuca imaginar e desenvolver as estratégias para que, daqui em diante, Keno volte a brilhar e a driblar divinamente como o fez diante do Fortaleza, para que o trio Allan, Jair e Zaracho continuem tomando conta do meio de campo, para que Nacho continue crescendo e injetando nos companheiros aquela garra argentina que lhe é tão peculiar e para que o Atlético saiba encontrar os caminhos do gol cuiabano.

Cada jogo tem a sua história, Mas, levando a campo o espirito competitivo, a dinâmica e a energia que o time, diante do Fortaleza, mostrou ser capaz de imprimir ao seu jogo, o Atlético certamente é quem vai escrever, a seu modo, estilo e enredo, a historia de cada uma das batalhas que deverá arrostar daqui para frente se quiser fechar com chave de ouro esse surreal 2021. O nome desta epopeia em preto e branco bem que poderia ser “1, 2, 3 de qualquer coisa mais que 4”. Por que não?

You need to add a widget, row, or prebuilt layout before you’ll see anything here. 🙂

16 thoughts to “1, 2, 3 de qualquer coisa mais que 4”

  1. Esperando q o time frente ao Cuiabá ñ adentre ao gramado como um Simplício Simplório da Simplicidade Simples,pois de assim for, corre o risco de bater de frente com o Tropicão de Almeida. Pela Vitória Carne e Osso contamos com o bom futebol de Plácido e Seus Companheiros. Comigo É Nove Na Garrucha. Vamos GALO!
    Ps: Cuiabá não perde á 12 partidas_ 9 empates e 3 vitórias_.
    Saudações Atleticanas

  2. bom dia Eduardo e massa e Max pereira. espero eu que cuca ja esta estudando a equipe do Cuiabá prepare-se galo vem uma retranca com 12 jogadores na zaga. aliás vai ser um desenho da chape e atlético goiano jogar por uma bola então cuca e jogadores abrem o olho. ótimo final de semana a todos amigalos. vai galooooo.

  3. As apresentações de Keno levam o torcedor atleticano à loucura. Depois daquele ano passado, quando protagonizou varios embalos dos sabados à noite caiu numa espécie de ostracismo , aquele rapaz de dribles improvaveis, geniais , chutes que acertavam o gol alguns entrando, pro nosso delírio, deu lugar a um jogador ensebado, estatico, especialista em errar tudo que antes acertava, levando a fúria pra torcida, alimentando a corneta. Neste ultimo jogo, desencantou, driblou , deu passes, correu, se desmarcou, foi pro jogo. Como é bom ver este rapaz jogar , quando está bem. Voce sente o futebol fluir, na sua essencia, que consiste de tatica e do imponderavel, é diferente , seus dribles , antecipaçao de marcadores, leva junto consigo, a massa. O mesmo serve para Savarino, o liso. Esperamos que Cuca, o manso , diga a ele : meu filho , jogue exatamente como voce joga, partindo pra cima, rosto fincado no chão, driblando , imparável , atormentando os zagueiros , apenas , uma coisa: aprenda a chutar em gol de media distancia e CAPRICHE, somente isto, CAPRICHE . keno , Savarino , não abrimos mão de voces dois

  4. Bom dia, Massa, Max e Guru,

    Passada a euforia pelo encaminhamento à classificação da Copa do Brasil, precisamos voltar todas as atenções para uma nova final contra o Peixe Dourado. E para aqueles supersticiosos é mais um time de camisa verde em nosso caminho.
    A Hora é de esquecer as rusgas contra o classificadasso, a arbitragem, as maracutais, a tvfla, o STJD e focar somente no próprio time, pois estamos na frente e quem deve se preocupar são eles e não nós. Se fizermos o dever de casa, acabamos com o jejum.
    O momento é tão favorável que somos o único time que está se reforçando para o resto do ano, pois a volta do futebol de keno e a recuperação de Diego Costa, com certeza são dois reforços de peso.
    Enquanto isso, o manso vai quebrando recordes e desmantelando os castelos de críticas: 40 vitórias na temporada, maios sequência do século. Que venha outros recordes a serem batidos!

    1. Bom dia, JBHGALO, Saudações. Outros recordes a serem batidos e outras lamúrias dos críticos.

  5. O problema é que o Cuiabá não vai jogar como o Fortaleza. Dito isso temos até domingo para aprender a jogar contra times que não saem para o jogo. Oxalá consigamos, afinal de contas teremos “uma grande vantagem” que será jogar já sabendo o resultado do jogo do Urubu. Se bem que, se o Urubu vencer, certamente ouviremos o discurso de que ele foi favorecido por jogar primeiro e fazer o meu Galão da Massa jogar pressionado. A conferir! Uma grande sexta-feira a todos!

    1. TEOBALDO ,

      eu acho interessante demais a ginástica mental para justificativas por um possível tropeço de nosso time .

      Se o Mengo joga depois é para favorecê-lo
      Se joga antes , também , como você disse .
      Se jogarem no mesmo horário irão dizer que é pra deixar nossos caras tensos .

      É PRACABÁ !!!

      1. É desse jeito, Barata! E alguns jênios, incansavelmente, sustentam essas teses como se fossem verdadeiras teorias da conspiração do eixo. E se você se manifesta contrário a essas baboseiras é taxado de cruzeirense (cruzes!!), maria (quinta série se manifestando) e outras asneiras. Abraços e grato pela leitura e comentário!

        ps.: “jenios” (ironic mode on). É sempre bom explicar… Rssssss!

        1. TEOBALDO ,
          ” … é sempre bom explicar … ” .

          Hoje em dia ‘tá desse ” geito ” .

  6. O primeiro tempo deste jogo , onde , na minha humilde percepção de torcedor, sinto que a perfeição foi atingida , não menos que isto. A volúpia , o semblante fechado de nossos jogadores focados em abater o time adversário , sem erros , sem espaço pra erros , comprova isto. Num esporte coletivo como o futebol, a engrenagem, lubrificada, azeitada , obriga a todos, individualmente a expor sua tecnica , sua disposição em defender e atacar, sincronizadamente , com o meio campo defendendo, protegendo , agredindo, municiando o ataque , como numa orquestra , como uma sinfonia. A gana, a vontade de vencer era tamanha , que , nós os torcedores, extasiados , sentíamos no ar , era o fundo musical de uma coreografia perfeita ,então era necessário , para coroar esta divina apresentação , o clímax , o gran finale. E veio. Em profusão, Gols , belíssimos gols, golaços. Tudo pra noite ser perfeita , tudo pra que a noite do atleticano fosse a noite bem dormida , a noite cujo sono custou a chegar, enquanto a adrenalina teimava em não baixar. Um jogo tão perfeito que nos enche de esperança para o fim da temporada , com dois titulos em aberto e que iremos , se Deus quiser, buscar

    1. Ah ! , a busca por recordes está na ordem do dia .
      Ah ! , o Cuca vai conseguir o que ninguém foi capaz .
      Ah ! , o Cuca está acabando com as críticas .

      Cada qual com seu cada qual .
      Zaracho era banco .
      Guga era titular .
      Tchê Tchê intocável .
      O Hulk foi peitado , foi motivo de disputa de ego .
      Nacho foi “amarrado” .
      E por aí vai .

      De minha parte eu considero que o Atlético só está onde está por conta da CORNETAGEM .

      O MANSO só aproveita …..

  7. Bom dia amiGalos!
    Antes do jogo contra o Fortaleza eu pedi que o Keno voltasse a ser o Keno de 2020 e ele voltou.
    Agora eu peço que o Savarino volte a ser o Savaliso pois vamos precisar demais de nossos pontas nesse jogo chato contra o Cuiabá.
    Todo jogo agora é decisão vamo que vamo meu GALÃO querido falta pouco, ansiedade a mil!!!!

  8. Bom dia, Eduardo, Max Pereira. atleticanas e atleticanos.

    Keno, Kenorex, Kenoite, Kenigth são algumas das referências ao jogador do Galo, um dos bons artífices da excelente vitória sobre o Fortaleza. No entanto, ainda longe do seu verdadeiro futebol, que determinou a sua contratação, ele deve se esforçar muito ainda para não receber um novo apodo: Kenada.

    Virando a chave para o brasileiro, vamos enfrentar o indigesto Cuiabá, time mediano, mas que tem causado incômodo a times maiores e melhores dentro dos seus próprios domínios. Palmeiras e Flamengo já se deram mal com ele. O Galo, sabedor dessa alma matreira desse caçula, deve ficar atento para evitar surpresa que não pode acontecer nessa fase do campeonato.

    O GALO ESTÁ VIVO E ATIVO, PRONTO PARA APAGAR O FOGO CUIABANO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.