Ary Vidal morre aos 77. Grande perda!

Publicado em

É difícil classificar a maior conquista brasileira no esporte. O ouro do vôlei em Barcelona’1992; as cinco taças da Copa do Mundo; os títulos de Senna, Piquet e Fittipaldi na F-1; o tri de Guga em Roland Garros…. A mais improvável e surpreendente, porém, é mais simples de classificar (para mim, pelo menos): a inesquecível vitória da Seleção Brasileira de Basquete sobre os Estados Unidos, por 120 a 115, na decisão do Pan Americano’1987, em Indianápolis. Na casa deles!

Os 44 pontos de Oscar foram fundamentais para o desfecho positivo daquela batalha épica contra o time de David Robinson, Rex Chapman e cia. Mas, não fosse a mentalidade ofensiva de todo time brasileiro, que jogava em função dos arremessos de Oscar e Marcel, a vitória não seria possível.

Tal mudança de mentalidade, que rejuvenesceu o basquete do país, incentivando a velocidade e os arremessos de longa distância, se deveu a um nome: Ary Vidal.

Ary morreu no início da tarde desta segunda-feira, no Rio, aos 77 anos. Desde outubro, quando se internou, já apresentava complicações renais e cardíacas. É um dos grandes técnicos da história do nosso basquete, ao lado de Hélio Rubens e Togo Renan Soares, o Kanela, que foi o seu tutor no início da carreira, na década de 1960. 

O título do Pan’1987 foi o mais importante, mas não o único de Vidal, que treinou os times masculino e feminino do Brasil. Em 1978, foi bronze no Mundial de Manila. Em Minas, treinou o Minas Tênis Clube e comandou o início do projeto do basquete em Uberlândia. O único título brasileiro foi pelo Corinthians, de Santa Cruz do Sul, em 1994. 

Ary primava pela ofensividade. Via de regra, seus times se arriscavam mais (e até erravam mais, claro). Foi ele quem recebeu Oscar na Seleção Brasileira, em 1977, e que estava no comando do Brasil durante a Olimpíada de 1996, na despedida do Mão Santa. Unanimidade no meio do basquete, gerações que estiveram em quadra nas últimas cinco décadas lamentaram hoje a morte de Ary Vidal. 

Uma grande perda para o basquete brasileiro!

Foto: Euller Junior/EM/D.A. Press 12/6/2000

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *