SE NÃO É BURRICE, SÓ PODE SER CANALHICE. IMPOSSÍVEL PENSAR DE OUTRA FORMA.

Alguns “gênios da administração pública” resolvem mostrar serviço e cometem os maiores absurdos ao revés da lei e, pior ainda, sob as vistas de autoridades e estudiosos do assunto.

Bastou o presidente sancionar decreto acabando com os abusos dos radares móveis, também conhecidos como caça níqueis, que inimigos do governo, sem pensar nas consequências para a população, desandaram a cometer loucuras.

A principal delas vem sendo a proliferação dos chamados “quebra molas”, previstos na legislação como redutores de velocidade, que exigem o respeito a uma série de restrições e cuidados especificados em lei.

Ao arrepio da legislação instalam verdadeiras armadilhas capazes de ceifar vidas inocentes, sob pretexto escuso de proteger os moradores da região.

O Brasil precisa acabar com esse amadorismo no cuidado da coisa pública, já passou da hora de exigir um mínimo de conhecimento para ocupar cargos, ao invés da simples troca de favores políticos.

Essa lambança me cheira a pura retaliação de quem não mede consequências para conquistar ou se manter no poder.

Não existe ilustração melhor do que o flagrante das consequências dessa insanidade.

Veja a série de acidentes provocados por essa “aberração na BR 262, próximo a Juatuba MG, onde o trecho, que para maior segurança, é de pista dupla. O vídeo a seguir mostra o desespero das pessoas. Aproveite e se inscreva no meu canal do YouTube, simples, rápido e cheio de vídeos interessantes.👇

Um comentário em “SE NÃO É BURRICE, SÓ PODE SER CANALHICE. IMPOSSÍVEL PENSAR DE OUTRA FORMA.

  1. É bem provável que o vídeo seja na altura da fábrica da Tiberina, na BR 262 antes de Juatuba sentido Betim> Triângulo.
    A curva fechada pra direita possuia radar antes dela, forçando a redução para 60km/h e garantindoa segurança (já que não fizeram uma curva melhor na obra de duplicação). Se retiraram o radar (pela insana determinação do governo federal) após o fim do contrato de operação, só restou fazer o quebra molas. Mas como o governo federal só indica maluco pra comandar os órgãos públicos, certamente a obra não foi feita com a devida atenção de engenheiros e sinalização de placas e sonorizadores antes dos quebra molas. Isso que dá um “governo técnico” e anti conhecimento como que temos hoje.
    A famigerada indústria da multa (que não multa 0.1% das infrações) agradece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *