Genro de Emílio Odebrecht tem prisão provisória transformada em preventiva e gera pânico entre cabeças coroadas da política brasileira.

Passada a fase crítica da operação “fake amazônico”, o juiz Luiz Antônio Bonat, substituto de Sérgio Moro na Lava Jato, acaba de transformar a prisão temporária de Maurício Ferro, diretor jurídico da Construtora Odebrecht, em prisão preventiva.

Este é o primeiro resultado da delação de Antonio Palocci.

Guido Mantega já está com tornozeleira, nas próximas semanas deverão receber visitas da Federal os “companheiros” Pimentel, Dilma, Mercadante e José Eduardo Cardozo.

As organizações Globo serão “convidadas” a explicar diversas operações financeiras suspeitas no Brasil e no exterior e devem aumentar o tom do “jus esperneandi”. Aliás vocês não verão uma linha desta matéria nos veículos do grupo.

O motivo de tantas intrigas tentando atrapalhar o relacionamento entre Bolsonaro e Moro é exatamente para enfraquecer o ex juiz e intimidar o sucessor que foi escolhido por ele.

Fiquem atentos porque esta semana promete capítulos eletrizantes desta novela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *