A doença é silenciosa. A bactéria lullopetismus, de cor avermelhada, em formato de estrela, penetra na membrana do cérebro, na região conhecida como isentosfera.

Os sintomas no começo são leves, do tipo “nem gosto tanto do Lula, vou de Ciro”, mas aos poucos surgem os primeiros sintomas estranhos, falas desconexas sobre “nazismo, ditadura e tortura”.

Nessa fase, a bactéria se aloja na parte esquerda do córtex pré-frontal responsável pela inteligência, criando sintomas desagradáveis como “rouba mas faz” e “corrupção é só um crime financeiro” e “fora fascistas” seja lá o que isso significa.

Como o paciente continua sem tratamento e em contato com os agentes patológicos, a doença piora e avança para “condenado sem provas”, “não sou do contra, mas” e “esse juiz acha que é o quê?”.

Quando detectado no início, ainda há possibilidade de cura. Mas a demora em reagir faz a região da visão ser afetada “esse governo não faz nada” e “cadê os bilhões recuperados pela Lava Jato?”.

A bactéria se expande por todo córtex, responsável pela memória “Lula tirou todo mundo da pobreza”, “todas as delações são falsas”. O córtex auditivo é afetado e já não compreende “corte x contingenciamento”, “Previdência é contra os pobres”, “Não vai ter dinheiro para aposentadoria”.

A bactéria a esta altura sofre uma transmutação conhecida por pessolismo.

A partir deste ponto, não há mais tratamento conhecido.

Os delírios são seguidos de surtos psicóticos como “prende o juiz, solta o bandido”.

O “cadê as provas” vira “pra quê provas”, e isso se torna porta aberta para outras doenças oportunistas, vírus conhecidos como CUT e MST, que costumam invadir – sem trocadilhos – outros órgãos vitais, gerando alucinações como “Todos pela Educação”.

A essa altura toda a região da isentosfera foi consumida pela bactéria. Surge em seu lugar, um órgão disforme que suga toda energia do corpo, uma espécie de buraco negro denominado “Lula Livre”.

Não há mais o que ser feito.

Se você também perdeu amigos para esta doença, curta e compartilhe esse texto anônimo que circula pela web.

Outras tragédias poderão ser evitadas.

Um comentário em “A doença é silenciosa. A bactéria lullopetismus, de cor avermelhada, em formato de estrela, penetra na membrana do cérebro, na região conhecida como isentosfera.

  1. a instituições ficaram acostumadas com a mamata da era petista , agora ficam loucos porque a farra acabou ,nao tem mais jeito , a conta chegou…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *