Skip to main content
 -
Evaristo Magalhães é Doutor em Psicanálise pela UFMG, Psicanalista Clínico e possui dois livros publicados: Crônicas para amar e A vida dói?

Por que nunca vou compreender as pessoas depressivas?

 

O problema não é a experiência da perda. Perder faz parte da vida. O problema é perder a capacidade de experimentar. Disso não podemos.

O problema é confundir impotência com impossibilidade. Impossível sempre será. Ninguém jamais será cem por cento feliz. Não existe o amor que gostaríamos. 

No entanto, não podemos perder o poder que nos foi dado de sempre buscar a felicidade e o amor que desejamos. 

Não existe limites para a experiência. Podemos uma infinidade de coisas. Podemos experimentar tudo enquanto estivermos vivos.

Não entendo as pessoas depressivas, ansiosas, angustiadas, tristes e melancólicas. Há um mundo de coisas para se degustar, cheirar, saborear, sentir, olhar, contemplar e admirar. 

Temos um corpo. Estamos no espaço e no tempo. Podemos movimentar, falar, gesticular, ouvir e ver. Podemos alterar o que não está bom. Podemos sair de perto, andar, passear, viajar, abrir janelas e portas, receber pessoas, conversar, cantar, dançar, beijar e namorar. 

Experimentar a perda é normal. Anormal é perder a vontade de experimentar. É óbvio que não experimentar não deixa de ser uma forma de estar experimentando. Ou seja, já é uma experiência experimentar o nada. 

No entanto, se ficar no vazio for uma experiência de felicidade – como fazem os orientais – aí está valendo. Só não vale se for uma experiência mórbida. Se assim for, por favor, atente-se para o seu entorno. O mundo pode não ser perfeito. Mas quem disse que ele é imperfeito?

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *