Skip to main content
 -
Evaristo Magalhães é Doutor em Psicanálise pela UFMG, Psicanalista Clínico e possui dois livros publicados: Crônicas para amar e A vida dói?

Não é amor amar …

 

O certo é compreender o outro e não amar o outro. 

Quem ama cuida. E se cuidamos é porque o outro não é completo. Daí, queremos ser a completude do outro. Isso não é amor e, sim, dominação. 

Não amamos o outro quando queremos ser o que falta nele. Amamos o outro quando o compreendemos como um ser faltoso e o respeitamos no modo como ele decidir o que fazer com a sua falta. 

Amar não é ser pelo outro. Amar é deixá-lo ser como quiser. 

Só amamos quando permitimos cair a nossa pretenção de ser tudo para o outro amando-o naquilo que ele não é. 

Como amar uma pessoa sem poder fazer nada por ela? Como amar alguém sem poder dar pitaco em sua vida? Como amar vendo o outro quebrando a cara e não poder fazer nada?

Não deveríamos amar o outro. Deveríamos amá-lo no modo como ele se ama. 

Não posso amar querendo mudar o outro. Isso é arrogância e possessão. É seguro que o outro não suportará, por muito tempo, esse sufocamento de não poder resolver por si o que é seu. 

Amar é acompanhar sem interferir. Amar é tomar distância para admirar o outro em seu modo próprio de ser. 

Amar é compreender. Não é amar perder a razão. Não é amar invadir a privacidade. Não é amar decidir pelo outro. 

Amar é aceitar o outro em sua falta. Só assim o estaremos respeitando em seu direito de fazer o que quiser com sua vida. 

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *