Skip to main content
 -
Evaristo Magalhães é Doutor em Psicanálise pela UFMG, Psicanalista Clínico e possui dois livros publicados: Crônicas para amar e A vida dói?

Falta ética, só isso!

 

Para que serve a ética? Ética é razão. Reflexão. Inteligência. Temperança. Prudência. Justiça.

A ética é o bem.

Não é ético a maldade, a violência, a corrupção e a injúria.

A ética é universal. O que não pertence a este universal? Tudo o que coloca em risco a vida humana.

O outro não é da mesma etnia que a minha. Isto coloca em risco a minha existência? Não. Então, nada justifica a xenofobia. O outro é negro. Isto altera a minha condição de branco? Não. É por isto que o racismo é crime. O outro é lgbt. Isto me impede de ser heterossexual? Não. É por isso que o mundo inteiro vem condenando a homofobia.

Agora, é violento um político que saqueia os cofres públicos? Sim. É aceitável um adulto que violenta sexualmente uma criança incapaz de consentir este ato? Não. É aceitável uma pessoa que vai para as redes sociais agredir a outra apenas porque esta não comunga de suas ideias? Não.

Portanto, a ética está ligada ao nosso sentimento de pertencimento à humanidade como um todo – e independentemente das nossas diferenças.

Temos que tomar muito cuidado com quem não gostamos. Com quem perseguimos e com quem agredimos.

É preciso que tenhamos muita clareza do quanto a existência de quem odiamos é danosa ou não para a humanidade. Se é danosa temos que combater no outro. Se não é danosa, temos que combater em nós mesmos.

Infelizmente ainda temos muitos brasileiros que odeiam os nordestinos. É como se os nordestinos, só por serem nordestinos, fossem menos brasileiros que os sulistas. Ora, isto não faz o menor sentido.

Do mesmo modo, pessoas negras racistas que não se sentem como pertencentes aos seus irmãos negros. Pessoas LGBTs que são homofóbicas.

Qual a origem desse sentimento de não pertencimento? Ora, sabemos de todas as dificuldades que a região nordeste passa com a questão da seca, da ausência de investimentos públicos e do uso político dessas mesmas dificuldades. No Brasil, um jovem negro é assassinado à cada vinte minutos. O Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo.

Com tanto abandono e tanta violência, nordestinos, negros e LGBTs vão aos poucos se organizando – no sentido de reivindicarem políticas públicas voltadas para a proteção de suas vidas.

Muito do preconceito contra o nordeste e muito do racismo e da homofobia no Brasil, advém do fato de que estas pessoas já internalizaram o tal do discurso da meritocracia.

Muitas não compactuam com a militância política dos nordestinos por mais investimentos. Muitos negros são racistas porque acham que podem conseguir subir na vida sozinhos – e sem a ajuda do poder público. Muitos LGBTs são homofóbicos porque entendem como vitimização o discurso dos movimentos LGBTs no mundo.

Mais uma vez estas pessoas estão equivocadas. Vivemos em uma democracia e, por isto mesmo, qualquer conquista só se dá no coletivo.

Se eu conquistar sozinho – e sem pensar no meu próximo – certamente, serei cobrado, nem que seja na marra, por ele, deste meu individualismo.

O mundo só é bom se estiver bom para todo mundo. Fora isto, é o que já conhecemos muito bem: violência, xenofobia, racismo e homofobia. Ou seja, uma sociedade polarizada entre incluídos e excluídos.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *