Skip to main content
 -
Evaristo Magalhães é Doutor em Psicanálise pela UFMG, Psicanalista Clínico e possui dois livros publicados: Crônicas para amar e A vida dói?

Minha opinião sobre SHOPPING CENTERS…

O piso da maioria dos shoppings é de mármore para você andar bem devagarinho e olhando, calmamente, cada vitrine. Para você descer um piso, propositadamente, você precisa circular, novamente, um andar inteiro. Já ouvi dizer que quando está calor, os lojistas pedem para diminuir o ar condicionado. O que aumenta, significativamente, as vendas da coleção de verão.  Quando está frio, aumentam a sensação de frio para escoar as roupas de inverno. A grande maioria dos shoppings possuem uma estrutura quase toda fechada, exatamente para você perder a noção do dia e da noite e permanecer lá dentro o maior tempo possível. Hoje eu tento evitar comprar por impulso. Sempre quando compro, utilizo como critério: necessidade, qualidade, estilo e preço. Já comprei coisas por impulso, pensando que eu estivesse gostando e as descartei sem sequer usá-las: joguei meu dinheiro fora. O consumo, hoje, exige prudência e consciência. Tem me ocorrido de olhar, experimentar e dar um tempo. Posso voltar e comprar. Não gosto de ficar com a sensação de não saber o que fazer com aquela coisa estranha me incomodando o tempo todo, em minha casa ou em meu armário. Além do mais, não tenho ficado à vontade numa casa com tantos objetos sem nenhuma utilidade. Acho que vale a pena fazer um bazar com os amigos, customizar ou doar para instituições beneficentes. Que tal?

Autor: Evaristo Magalhães – Filósofo e Psicanalista

(31) 96171882

12 thoughts to “Minha opinião sobre SHOPPING CENTERS…”

  1. Os shoppings centers são construídos e funcionam como uma forma estratégica para fazer com que as pessoas consumam mais. Elas se veem na necessidade de adquirir coisas nas quais elas pensam precisar, mas na verdade não passa de um consumismo compulsivo. As lojas usam o ambiente em que se encontram como um meio de lucrar através das pessoas afetadas. Sem perceber, os consumidores são influenciados a comprar. No nosso meio capitalista isso é cada vez mais comum e com uma grande proporção a cada dia. Com a difícil percepção que estamos sendo “manipulados”, não mudamos nossas atitudes e continuamos a consumir sem uma verdadeira necessidade.

  2. Eu concordo com texto, quando você vai ao shopping você sente a diferenca de clima em todo lado . Eles são inteligentes porque isso e imperceptível, nao da pra nota que eles fazem isso para lucrar .

  3. Eu concordo com tudo que li no texto e na minha opinião quem mais cai nessas pegadinhas são as mulheres. eu procuro evita ao máximo ir no Shopping só vou quando necessário.

  4. Acho muito importante essa reflexão sobre o consumismo. Hoje em dia, a mídia influencia as pessoas a comprar coisas que não precisam. E as pessoas compram coisas que não precisam para impressionar outras pessoas que, às vezes, elas nem conhecem. Muitos se endividam nessa busca de tentar impressionar os outros. A ideia de doar aquilo que não usamos é formidável. Além de ajudar o próximo, nos faz perceber quanta coisa inútil adquirimos jogando dinheiro fora. A partir dessa consciência, aprendemos a controlar o consumismo.

  5. Shopping centers são um lugares construídos para o consumo. Tudo lá é agradável o cheiro, as cores, lojas, esses atrativos tem como objetivo fazer com que as pessoas queiram ser aquilo o que que veem, sem se importar enquanto essa realidade custa ou ate mesmo se ela é possível. Por muito tempo eu enxergava shopping como, um lugar magico onde queremos ser, contudo hoje condigo que o que compramos no shopping não é essencial, mas também não deixa de ser importante. Então hoje procuro manter equilíbrio entre o que quero e o que preciso e isso é difícil mas não impossível.

  6. Os shoppings centers são construídos e funcionam como uma forma bem estratégica de fazerem com que as pessoas consumam a mais do que deveria consumir, quando entramos em shopping, entramos em mudo tão diferente do estamos a costumado a ver, as lojas bem posicionadas bem chamativas, tudo bem organizado entramos em loja de saímos em frente à outra com uma placa bem chamativa de uma liquidação. “parecemos uma crianças entrando em mudo feito de doces e chocolates” da vontade de levar tudo!. Isto estimula o consumir muita das vezes mais do precisamos. E muitas das vezes sem perceber lá estamos nós comprando e comprando, e consumindo mais do deveria consumir e assim sendo “manipulados”, não precisamos deixar de consumir ou de ir a shopping, e bom ir ate lá quem não gosta?. Mais temos que ter em mente que as consumir algo. Temos nos avaliar será que precisamos realmente daquilo? Isto é necessário no momento, realmente preciso deste produto?, Porque muitas das compramos com exageros e já temos sobrando em nossa casa, que da ate pra fazer um bazar beneficente ou doarmos para alguém que realmente precisa, algumas pessoas tem tantas coisa em casa, “que dá ate pra ela abrir uma loja de coisa usada”.

  7. Na minha opinião shoppings centers são uma ótima forma de passar o tempo, mas sempre com o pensamento de que não é o único lugar e nem o melhor.

  8. As pessoas atualmente vivem influenciadas por algo momentâneo, não se toca no mundo exterior… São coisas superficiais que nos guiam. O consumismo exacerbado nos leva perder noção do tempo, criando verdadeiros zumbis, que buscam uma felicidade momentânea. Mas em fim acho que no shopping é ainda um dos poucos momentos que vemos famílias de fato reunidas.

  9. Concordo com as suas ideias iniciais, seguindo o princípios que os shopping são construídos de formas estratégicas para tentar aliviar uma falta de algo que existe entre nós, colocando no lugar uma sensação de prazer e alivio ao comprar um objeto. O shopping nos traz uma ideia de segurança onde encontramos sempre o que buscamos e queremos ver, pessoas bonitas, longe da sociedade suja e a marginalidade que não queremos ver etc.. Tivemos um exemplo dessa ” sociedade suja” , onde pessoas de baixa renda começaram a frequentar os shopping de classe em grandes grupos, denominados os “Rolezinhos”, que foram mal vistos pela maioria da sociedade brasileira. Visando a ideia exposta no texto que compramos determinados coisas sem saber o real motivo e depois ficamos com ela em casa sem saber o que fazer com aquilo, tentando arrumar um lugar ou alguém para despachar os objetos a mais, gerando assim uma ideia de arrependimento e prejuízo financeiro. Todo esse capitalismo que vemos crescer cada vez mais nas pessoas deixando de lado a ideia de Marx e Engels expostas no manisfesto comunista e o capital.

  10. A Ideia de evitar compra por impulso é muito inteligente. O meio ambiente agradece. Mas não se pode esquecer também que a ideia da compra por impulso foi, inicialmente, criada não só para vender mais, mas também para otimizar a compra e aumentar a satisfação do cliente. Por exemplo: Nos supermercados as gôndolas de massa de tomates, sardinha etc ficam próximas as gôndolas de macarrão por exemplo. A ideia é lembrar o cliente dos ingredientes que ele precisa para preparar o prato que deseja comer. E evitar, consequentemente, aquela insatisfação de ter comprado no supermercado X e não esta satisfeito com o que comprou. Assim como comprar sapatos e não ter em casa um sinto que combine.. etc.

    Acho que a ideia é valida, o consumidor que não sabe usar essa ferramenta com consciência!

  11. Compras por impulso sempre foi um dos meus principais problemas, mais com o tempo e um pouco de maturidade adiquirida ao longo dos anos, hoje consigo entrar e ser completamente indiferente as inumeras promocoes que me saltam a vista, apesar de ainda me sentir tentada tenho que admitir que até prefiro a sensacao de me faltar algo do quer ter sobrando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *