Skip to main content
 -
Dra. Bruna Andrade, Advogada, Empreendedora, Palestrante e Escritora! Mestre em Proteção dos Direitos Fundamentais, Especialista em Direito Homoafetivo e de Gênero. Co-fundadora e C.E.O. da startup Bicha da Justiça.

LGBTfobia no trabalho: como provar e denunciar o preconceito

A LGBTfobia no trabalho é tão comum quanto a gente imagina. Atitudes como não respeitar o seu nome social, ter restrições em relação ao uso do banheiro escolhido, apelidos pejorativos por colegas – entre outras situações vexatórias – minam a nossa autoestima… Desmotivando a permanecer no local de trabalho. Tudo isso pode, inclusive, causar danos psicológicos como ansiedade e depressão.

Por isso, é muito importante que você não se cale perante essas situações que ocorrem de forma velada, muitas vezes. Para que nada restrinja que realize sua total capacidade dentro de suas funções na empresa. Atitudes como essas demandam averiguação jurídica, uma vez que você está inibido de exercer o seu direito de existir conforme a sua identidade de gênero ou orientação sexual.

Separamos três dicas essenciais para te auxiliar quando ocorrer esse tipo de assédio moral:

 

•1• Converse com outros colegas de trabalho sobre o que vem acontecendo. Abra-se sobre comentários LGBTfóbicos que têm ouvido, fale das piadas, das restrições quanto ao uso dos sanitários, entre outros. Ter testemunhas é sempre uma carta na manga. Converse, inclusive, com os próprios colegas que cometem esses atos também. Posicione-se perante as situações pois, antes de entrar com qualquer tipo de denúncia, é preciso que a pessoa seja alertada sobre isso.

•2• Mande um e-mail para o seu superior relatando os acontecimentos. Escreva uma mensagem detalhada explicando o quanto a situação é desconfortável para você. Saiba que, mesmo se o seu chefe não tomar nenhuma medida para inibir o problema, ter uma prova em documento também pode ser a chave para investir em uma denúncia.

•3• Procure um psicólogo dentro ou fora da empresa para relatar todos os casos de assédio ocorridos. Isso resultará em diagnóstico prescrito pelo profissional, indicando os danos causados pelo ambiente de trabalho. O prontuário também servirá como prova, caso você queira entrar com uma ação.

 

Com essas 3 dicas, você consegue provar qualquer situação de LGBTfobia no seu ambiente de trabalho. É muito importante que essas informações circulem para que situações como essas não se tornem comuns no nosso dia a dia!

Além disso, é preciso inibir esse tipo de ação ainda mais dentro de um ambiente onde você está para exercer o ofício de formação como um direito cidadão. Sem ser desrespeitado, tendo seu espaço seguro e preservado. Denuncie!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *