Skip to main content
 -

Compromisso público. Essa é a mais apropriada definição para a Universidade Federal de Minas Gerais, instituição de ensino superior que, em 2017, completa 90 anos de existência. E, por que não dizer, 90 anos de excelência, de solidez, de inovação, de relevância, de transformação, de resistência.

Para comemorar seu aniversário, a UFMG preparou uma agenda que evidencia o que ela tem de melhor: o respeito à sua história e à memória de servidores – professores e técnico-administrativos - e estudantes que construíram e constroem a Instituição; a vocação para a proposição do debate e da reflexão que analisam o presente e apontam para o futuro; a valorização do ensino, da pesquisa, da extensão e da cultura, que garantem sua relevância social.

Acompanhe neste blog parte dessas histórias e visite também o site www.ufmg.br/90anos

UFMG tem programação especial na Primavera dos Museus

Fachada digital do Espaço do Conhecimento, que exibe duas exposições nesta semana. Foto: Pedro Furtado

A história da primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel, imagens de pesquisas sobre plantas medicinais, uma roda de conversa sobre o Clube da Esquina: estas são algumas atividades que integram a programação da Rede de Museus da UFMG durante a 11ª Primavera dos Museus. O evento reúne mais de 900 espaços culturais do País, com o tema Museus e suas memórias.

O Espaço do Conhecimento UFMG, o Centro de Memória da Faculdade de Medicina (Cememor) e os museus de Ciências Morfológicas (MCM) e Casa Padre Toledo, em Tiradentes, prepararam programação especial, que segue até o próximo domingo, 24.

Cememor

Visita de Madame Marie Curie ao Instituto Radium (atual Hospital Borges da Costa, localizado no campus Saúde), em 1926. Acervo: CEMEMOR/UFMG

O Cememor, que fica no campus Saúde, na região central de Belo Horizonte, abriga a exposição digital 150 anos de Madame Curie, sobre a cientista que ganhou o Prêmio Nobel por duas vezes, em 1903 e 1911.

Espaço do Conhecimento UFMG

O acervo da Faculdade de Medicina, com instrumentos antigos usados nos atendimentos médicos, também poderá ser visto no vídeo Centro de Memória da Medicina e seu acervo científico, que será exibido nesta semana na fachada digital do Espaço do Conhecimento UFMG, localizado na Praça da Liberdade.

O vídeo foi um dos selecionados na chamada temática UFMG 90 anos, assim como a projeção Ceplamt: 10 anos de atividades na UFMG, que exibe fotografias do Centro Especializado em Plantas Aromáticas, Medicinais e Tóxicas, do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG. Ambas as produções serão exibidas na fachada digital das 18h às 22h.

A programação do Espaço do Conhecimento para a Primavera dos Museus continua no fim de semana, com a sessão Astronomia indígena com Libras, no planetário, que mostra como os índios vislumbram o céu. As sessões serão realizadas no sábado, 23, às 19h, e no domingo, 24, às 13h, com tradução na Língua Brasileira de Sinais. A entrada é gratuita, sujeita à lotação do Planetário, que comporta 65 pessoas.

Às 15h de domingo, o Espaço abriga ainda a roda de conversa Música e contexto, sobre o ambiente social da década de 1970, marcado pela ditadura e a censura, e sua influência no surgimento do Clube da Esquina, movimento que reuniu importantes artistas mineiros, como Milton Nascimento e Lô Borges. A participação é gratuita, com classificação indicativa de 14 anos.

Ciências Morfológicas

O Museu de Ciências Morfológicas, instalado dentro do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), no campus Pampulha, abriga a exposição Sou o MCM: muito prazer. Na atividade, os visitantes poderão conhecer a história e o perfil desse museu que mostra o funcionamento do corpo humano. A visitação segue até sexta-feira, 22, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h. Assista à reportagem produzida pela TV UFMG.

https://www.youtube.com/watch?v=84EQ4lMOXPc

Tiradentes

No campus cultural da UFMG em Tiradentes, o Museu Casa Padre Toledo abriga duas exposições até 29 de outubro. Uma é a Traição das imagens, que propõe uma reflexão sobre a crenças nas representações por meio do diálogo entre as obras de Cildo Meireles e Nelson Leiner. A outra, A crença da liberdade, reúne trabalhos de crianças do curso de desenho e pintura da ação cultural do Festival Artes Vertentes.

No sábado, às 14h, a Associação de Moradores do Alto da Torre (Amat) abrigará a oficina de cerâmica Código de barro. A atividade propõe “moldar no barro as memórias afetivas”. Interessados devem se inscrever pelo e-mail educativomcpt@gmail.com, bastando informar o nome completo e os nomes dos familiares que irão acompanhá-lo. A Amat fica na Rua Projetada, 55.

Fachada do Museu Casa Padre Toledo, em Tiradentes. Foto: Foca Lisboa / UFMG

 

Edição: Gabriel Araújo sob supervisão de Alessandra Ribeiro

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *