Plano Diretor: Kalil acha que ganhou, BH perdeu e a esquerda populista capitaliza

O Plano Diretor da capital foi votado e aprovado em primeiro turno na tarde de quarta feira dia 19 de novembro na (CMBH) Câmara Municipal de Belo Horizonte sobre forte pressão de populares. O PL (projeto de lei original que esperava por votação desde 2015) receberá um substitutivo que pretende seduzir o setor produtivo dando com uma mão e tirando com a outra, após três anos. O substitutivo apresentado pelo líder do executivo vereador Léo Burguês, prevê concessões temporárias, uma manobra pouco republicana para justificar o Plano e conseguir arrecadação imediata.

A vitória em primeiro turno deixou o Prefeito Alexandre Kalil feliz, e ele declarou no seu perfil do twitter que os populares que estiveram na CMBH merecem o respeito dele, “já o resto resolve lá com os empresários”. Kalil afirma ainda que “o Brasil mudou, a Câmara Municipal mudou, e está de parabéns”. O Prefeito que adora jogar para a massa suas frases de efeito na verdade foi seduzido pela sua secretaria de Políticas Urbanas e está comendo nas mãos dela.

A artífice do Plano Diretor é a super-secretária Maria Caldas, petista declarada indicada pelo Governador Fernando Pimentel para uma das áreas mais estratégicas da PBH. O que Kalil parece não saber é que o mesmo Plano jogou o mercado imobiliário e da construção civil da cidade de São Paulo na pior crise da sua história, obrigando o prefeito João Dória, sucessor do ex-chefe de Maria Caldas, o outro Fernando, o Haddad, a uma ginástica política gigantesca para tentar recuperar o prejuízo deixado pela autora do projeto lá em Sampa.

Kalil encara a aprovação em primeiro turno do Plano Diretor que ele herdou do governo Márcio Lacerda, uma vitória. Mas quem de fato está ganhando nesta manobra? A vaidade de Kalil venceu, e BH perdeu feio. A derrota é também de quem produz, gera emprego, impostos e movimenta a economia da cidade, o setor produtivo. Por enquanto, embora o prefeito não tenha percebido e de certo jamais vai admitir quem mais ganhou politicamente com o Plano é a esquerda populista que vem “comendo pelas beradas” e capitalizando os dividendos da manobra debaixo do queixo do sabichão Alexandre Kalil.

Religioso comunista lidera pressão a vereadores na Câmara Municipal

No dia da votação as galerias da Câmara Municipal foram tomadas por populares gritando palavras de ordem para a aprovação do Plano. No meio da multidão, coordenando os trabalhos chamou atenção a habilidade de um conhecido religioso da igreja Católica, o Frei Gilvander, comunista de carteirinha. Ele era o maestro de uma banda composta por centenas de pessoas simples, inocentes e sem teto para morar. De forma automata, sem compreender o que de fato estava acontecendo o povo gritava desesperadamente o que Frei Gilvander mandava. “Aprova, aprova, aprova o plano diretor”. O grito era ensurdecedor, do tamanho da maldade que se viu nas galerias da CMBH com gente humilde e sem instrução.

Sou capaz de apostar que nem mesmo o religioso sabia o que estava fazendo, mas atendia ao pedido de vereadores de esquerda e da petista Maria Caldas que querem a aprovação do Plano a qualquer custo, preocupados apenas com o voto dos incautos, ovelhas de Gilvander. Eles vivem disso, quanto maior a ignorância, mais eles têm votos. A cena me trouxe lembranças de movimentos como os “camisas pretas” na Itália de Benito Mussolini e do inicio do Partido Nacional Socialista Alemão, dirigido por Adolf Hitler. Uma massa humana sendo manipulada e usada descaradamente em uma manobrada com objetivos contrários ao que disseram para ela.

O Plano Diretor aprovado em primeiro turno na Câmara é aquele original de 2015, fruto da fajuta e manipulada 4a Conferência de Política Urbana realizada ainda no governo Marcio Lacerda e que tinha como pano de fundo o Estatuto das Cidades com suas raízes socialistas, cujo eixo central, neste caso, é a mais valia do espaço aéreo de terrenos sob a tutela do poder público municipal, e não de quem comprou e pagou IPTU da propriedade que é privada. Um confisco deslavado e inaceitável.

Verticalização da cidade está comprometida se o Plano for aprovado

Trocando em miúdos, a verticalização da cidade está atrelada a cobrança de um ágio para usar o espaço aéreo. O Plano confisca coeficiente de aproveitamento e depois vende para quem quiser construir acima da cota um. Ou seja, para edificar o dono do terreno precisa comprar da prefeitura o que até alguns dias atrás já era dele.  Se não fosse trágico e absurda a proposta seria até cômica. Lembro que o setor produtivo concorda com a outorga, mas não aceita a redução de coeficiente, pois isso joga o mercado no buraco negro e anula a possibilidade de renovação da cidade que está cada dia mais feia, suja e ultrapassada.

A esquerda que aparelhou os setores técnicos da PBH tem vendido para populações humildes de periferia a ilusão de que o resultado da venda de outorga vai virar moradia popular, através de um fundo administrado pelo poder público. O que ela esconde e não terá como explicar é que isso vai aniquilar o mercado imobiliário e a economia da cidade, diminuindo a possibilidade de novas moradias de interesse social no território de BH, gerando ainda mais desemprego em um setor combalido pela crise e pela burocracia nas aprovações de projetos. Aprovar um projeto em BH, diga-se de passagem é um verdadeiro martírio, um contrassenso.

O que poucas pessoas sabem e que precisa ser divulgado é o cenário que existia na construção do Plano Diretor entre os anos de 2008 e 2014. Período de grande prosperidade econômica mundial. De lá pra cá a construção civil desabou e os níveis de arrecadação, bem como de novos lançamentos despencaram. O que cresceu e que a PBH, os vereadores e o religioso oportunista escondem dos populares são os índices de desemprego que vem batendo recordes históricos.

Em MG são mais de 120 mil trabalhadores da construção civil sem ocupação formal. Só na cidade de BH são 60 mil. Os números mostram que o setor perdeu competitividade. Corroborando para evidenciar o equivoco que se instalou na Prefeitura e na Câmara Municipal é o aquecimento das construções e verticalização da cidade de Nova Lima nos bairros que fazem limite com o território de Belo Horizonte. Oásis de prosperidade que aproveita do péssimo clima criado em BH pela secretaria de regulação urbana e pelos xiitas à serviço da mediocridade. Nova lima leva o bônus e BH fica com o ônus da prosperidade.

Recentemente estive na região do bairro Vila da Serra e contei mais de 30 gruas, (guindastes montados para a construção de grandes prédios). Em BH as gruas não existem. Ou seja, não há novos lançamentos na capital. A dedução lógica escondida da população carente que está sendo ludibriada pela PBH e por vereadores da esquerda que se aproveitam da desgraça alheia, é que trata-se de uma mentira.

Estudos mostram que BH está no sentido oposto ao desenvolvimento

Estudos recentes do pesquisador do IPEA Thiago Jardim que também é economista, arquiteto e um dos maiores especialistas do país no assunto, mostram que as cidades que mais prosperam no mundo são aquelas que flexibilizam os coeficientes de aproveitamento de terrenos, algumas chegando a 28 vezes o valor da área. Nelas a eficiência e a produtividade são 32% maiores do que em cidades espraiadas. Ou seja, os estudos provam que BH caminha na contramão do que o mundo civilizado e próspero sinaliza.

Thiago afirma também em seus estudos que cidades monocentricas (com apenas um centro econômico relevante), verticalizadas, conseguiram resolver a difícil questão dos investimentos em infraestrutura estrutura de transporte. Por incrível que pareça, são elas que tira de circulação carros nas onde eles não deveriam circular, ao exigir menos deslocamentos. Nelas também a demanda por Metrô, VLT, BRT e bicicletas, ajudam a justificar investimentos em transporte publico de boa qualidade. Um ciclo virtuoso que BH está chutando graças a questões ideológicas e a vaidade de um prefeito que não gosta de ouvir o que precisa.

A proposta aprovada em primeiro turno na Câmara retira do mercado potencialidades, não mede os impactos econômicos negativos e empobrece a cidade, reduzindo a arrecadação de IPTU, ITBI e de uma série de impostos gerados pela movimentação da economia, em especial aqueles que são atrelados à cadeia produtiva da construção civil. Tragédia anunciada que custará caro para o conjunto da sociedade e especialmente para as gerações futuras. Uma verdadeira irresponsabilidade justificada tão somente pelo interesse de políticos de esquerda populistas.

José Aparecido Ribeiro

Jornalista – DRT 17.076

Consultor e estudiosos de temas urbanos.

jaribeirobh@gmail.com – 31-99953-7945

 

 

11 comentários em “Plano Diretor: Kalil acha que ganhou, BH perdeu e a esquerda populista capitaliza

  1. Está lei é um absurdo. No país com a maior carga tributária do mundo é a forma “inventada” para aumentar a ganância dos agentes públicos por mais receita. Ou seja, reduzir despesas dá trabalho e desgates políticos. A solução é camuflar aumento de receita embutidas em fórmulas mágicas apresentadas de forma a ludibriar o povo, especialmente os menos esclarecidos,

  2. Excelente artigo. Talvez seja interessante, também, limitar a construção de novos estádios na cidade. Enfim, existem cidades mais modernas e mais inteligentes por esse país afora. Melhor criar juízo e migrar para outras plagas.

  3. Infelizmente acreditei que não seria aprovado , ledo engano meu . Mais uma vez o povo paga o preço da ineficiência política . Aonde vamos parar .

  4. BH tem um legitimo prefeito de time de futebol. Burro, falastrão, arrogante e porco. Nunca BH ficou tao suja e fedorenta! O pior é saber que ele não vai fazer nada nos próximos anos que vai ficar lá a não ser tentar construir campo de futebol de várzea em área de nascentes.

  5. a câmara de BH é uma vergonha, esse kallil é e sempre foi aliado do PT, enquanto os idiotas votar pensando em times de futebol, nossa cidade continuará esse lixo, lembro do CAIXA, ele votou para aumentar os impostos dos combustíveis pouco antes das eleições, e foi reeleito pelos jumentos adoradores de futebol, enfim, realmente temos os políticos que merecemos.

  6. Seria Muito educativo ver uma coletânea das opiniões do articulista sobre mobilidade urbana e afins, desde o início dos “estudos”.
    Tem algum link em que possamos ver esta opinião numa série histórica? Gestão a gestão …
    Quem sabe poderíamos deixar de pensar em questões individuais e mais coletivas a partir da opinião do preclaro jornalista.
    Tem?

  7. A pressão popular é legítima, republicana e democrática. Agindo nas galerias do parlamento municipal, o protesto é feito às claras, diferentemente de empresários que atuam nos bastidores e gabinetes do poder.

    A Conferência Municipal de Política Urbana foi aberta a participação de quem quisesse. Nenhum empresário, dono de construtora, representante do setor imobiliário estava presente (ou estava?). Esperado, pois não se misturam com pobres e gostam de decidir o futuro da cidade de salas de vidro com vista para a serra do Curral, né?

    Além disso, alguns fatos precisam ser comentados. Por exemplo, existe alguém mais empresário e liberal que Márcio Lacerda? Pois é, a conferência de política urbana foi realizada na gestão dele. Por que não foi aprovada lá? Ora, como empresário que é, representativo da mesma corporação que você defende, fez a conferência porque a lei mandava, mas de modo algum estava disposto a cumprir o que havia sido decidido lá. Deixou para o Kalil que também somente agiu por populismo e pressão daqueles que participaram da conferência e agora querem ver o poder público respeitando a representação popular direta.

    A comparação com os regimes fascista e nazista é de tamanho absurdo que não merece qualquer comentário.

    E para finalizar, o que o plano diretor pretende é reverter um processo de que o centro (e proximidades como bairros Funcionários, Lourdes, Savassi, etc., vocês entenderam, né?) da cidade é apenas para empresas e classes sociais mais abastadas que dispõem de tudo perto de suas residências enquanto os mais pobres são empurrados para loteamentos clandestinos e remotas áreas da região metropolitana, onde se sabe bem que a estrutura, planejamento urbano, serviços públicos raramente chegam.

    Enfim, a lógica que o blogueiro defende é a tática mais conhecida da terra: empurrar os pobres para longe, para as periferias. Que venham ao centro apenas para trabalhar e servir seus patrões. Para morar e viver, jamais!

  8. Conseguem fazer de tudo pra economia da cidade não andar. Como seria nutritivo pra cidade um monte de gruas na ativa, mas, o que vemos, é o poder municipal, junto com essa câmara municipal de imbecis só atrapalhando a vida de quem ,quer produzir bens e serviços e prosperidade a BH.
    É sabido tb, que o Kalil, é um “lobo em pele de cordeiro” e que sua gestão esta repleta de petistas!
    Esperamos, que em 2020 o povo acorde e coloquem um prefeito alinhado com o governo federal, pq de PT e de disfarçados estamos cheios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *