Turismo em Minas, o ultimo apague a luz

A “Festuris Gramado” (Festival de Turismo de Gramado) é uma das mais importantes reuniões de profissionais de turismo do Brasil que aconteceu na belíssima cidade de Gramado no Rio Grande do Sul de 8 a 11 de novembro de 2018. A feira recebeu representantes de vários países que vieram ao Brasil divulgar destinos e produtos turísticos.

O evento abriu espaço para debates das últimas tendências do mercado e os rumos da atividade turística, com intercambio de conhecimento e oportunidades de negócio. A feira foi dividida em diferentes temáticas para atender profissionais e visitantes: Turismo de Saúde, Turismo Religioso e Esotérico, Turismo Cultural, Ecoturismo e Turismo Rural, Turismo GLS, entre outros.

O estado de Minas Gerais foi “representado” neste que é um dos maiores e mais importantes eventos do setor por quatro jornalistas bastante conhecidos do trade, Sérgio Moreira, meu padrinho Helio Fraga, Marden Couto, Paulo Campos e Antônio Claret Guerra. Todos viajando com recursos próprios ou subsidiados pelos veículos de comunicação que representam. Estavam lá a trabalho e não em missão oficial, e eu explico.

Nenhum representante do governo estadual ou municipal deram as caras em Gramado. O evento movimentou mais de R$370 milhões em negócios e não houve qualquer menção a Minas Gerais, estande oficial, ou qualquer outro espaço com os produtos turísticos do Estado. Passaram pelo centro de convenções Serra Parque, nada menos do que 30 mil pessoas, todas formadoras de opinião, do Brasil, América Latina, EUA, Ásia e Europa.

Mais uma vez Minas perde o bonde e deixa de colocar na vitrine um dos seus maiores e mais importantes produtos de exportação: O TURISMO. Com efeito o governo Fernando Pimentel (PT) teve cinco secretários de turismo, menos de um por ano e nenhum ligado ao setor diretamente. O primeiro foi um médico e deputado pelo PC do B. O segundo radialista, atleticano e também deputado estadual pelo PC do B. O terceiro fisioterapeuta, vereador de contagem, e adivinha? do PC do B.

O quarto secretário, possuía algum vínculo distante, pois é dono de um hotel em Monte Verde, e ligado a que partido? Isso mesmo, amigo leitor, ao PC do B. Atualmente, o secretário é alguém que eu, você e nem ninguém do turismo conhece. Mas de certo é algum companheiro do PC do B. Ou seja, a Secretaria de Turismo existe até aqui no Governo Fernando Pimentel para servir ao Partido Comunista do Brasil.

Eu poderia perguntar onde estava o BH Convention Bureau, a ABIH, a Belotur, ABAV, SINDOHB, ABRASEL, Conselho Estadual de turismo etc. Mas não farei isso. Se os cinco jornalistas citados não os encontraram, de certo é por que eles também não estavam lá em Gramado.

E assim encerro esse arrazoado convidando os leitores para uma reflexão sobre o quadro que se apresenta acima.

O último que sair, por gentileza apague a luz, assim economiza para o próximo governo que promete tanto quanto o que deixa o governo, dias melhores para o setor que já foi considerado primordial para economia de Minas Gerais e para BH.

Parece piada, mas é a pura verdade!

José Aparecido Ribeiro

Jornalista – DRT 17.076/ Bacharel em Turismo – Ex-Presidente da ABIH/MG

Colunista nas Revistas: Minas em Cena, Mercado Comum e Exclusive

Blogueiro no Portal UAI

jaribeirobh@gmail.com – 31-99953-7945

6 comentários em “Turismo em Minas, o ultimo apague a luz

  1. O quarto secretário citado sempre se preocupou com sua região onde matem um hotel. Incentivador de pifios eventos junto com vários órgãos, já deveria ter jogado a toalha e não passa de um bobo alegre. Os puxasacos deste inergumero tbm do trade são outros idiotas conhecidos.
    No mais, Bela matéria !

  2. É mentira Terta!! Inacreditável não haver representante oficial de Minas neste evento!!! Não é de se admirar estarmos nesta situação aqui e no país. Ainda bem que estamos prestes a inaugurar um novo ciclo, ao que tudo indica, virtuoso.
    Chega do “quanto pior melhor”.

  3. Excelente intervenção sobre o TURISMO MINEIRO feito pelo José Aparecido,
    realmente a situação de Minas Gerais está em situação melancólica, estamos perdendo espaços para outros estados, por falta de promoção turística, a não divulgação de Minas Gerais com sua riqueza histórica no barroco, a arte de Aleijadinho, as igrejas, os casarões, as montanhas, as cachoeiras, a culinária, essa é fantástica, ´s ÚNICA no Brasil pela sua diversidade, o calor humano e a boa prosa do mineiro. Hotéis fechando, o empresário do setor hoteleiro sem apoio governamental. porque o Estado não investe recursos no turismo através do BDMG banco estatal de fomento, sem pensar em lucratividade e sim em gerir emprego e renda. ACORDA MINEIRAS E MINEIROS, estamos perdendo o trem da história na economia do turismo

  4. O Governo de Minas estava sim presente em Gramado com diversos pontos de atendimento pela feira. Ainda, estava também por lá o Circuito do Ouro com um estande próprio. Ou seja: Minas Gerais tinha representantes do poder público estadual e também supramunicipal. Talvez seja melhor rever suas fontes e falar com propriedade. Críticas às ações levadas a cabo com dinheiro público são sempre louváveis, mas este texto não tem nenhum fundamento.

  5. Bom dia, José. No “Festuris Gramado” a SETUR-MG participou com 3 pontos de atendimento. Além disso, o Circuito do Ouro tinha um estande só deles. Acho que você, como jornalista e criador de opiniões, deveria procurar saber mais sobre o assunto que você irá discutir antes de escrever uma matéria cheia de mentiras e falhas como essa. E acho que o Jornal Uai deveria ter um mediador para verificar a veracidade das informações publicadas aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *