Skip to main content
 -
Jornalista - Reg. DRT: 17.076/MG - Licenciado em Filosofia, Administrador, MBA em Marketing, estudioso de temas urbanos. Membro da Comissão Técnica de Transporte da SME . Membro do Observatório da Mobilidade. Consultor em Assuntos Urbanos. Articulista e Colunista das revistas MINAS EM CENA, MERCADO COMUM, EXCLUSIVE e ENTREVIAS. JORNALISMO DE OPINIÃO,

Gol desce na Pampulha e conecta BH ao Brasil pelos aeroportos centrais.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

As 8:55hs desta segunda feira dia 22 de janeiro de 2018 o trem de pouso do Boeing 737-700, vôo Gol G3-2002, procedente do aeroporto de Congonhas/SP, com escala em Juiz de Fora, tocou a pista do Aeroporto da Pampulha como uma pluma, com a precisão de um genuíno relógio suíço e a performance espetacular de suas turbinas Next Generation – NG, impulsionadas pelos motores turbofan com alta taxa de bypass. A tradução disso é menos barulho, mais economia e potencia.

O episódio tem sentido maior do que apenas uma aterrissagem, mais uma entre milhões que já tocaram a pista deste aeroporto desde o dia 3 de março de 1933, data da sua inauguração, há exatos 85 anos. Este gesto simbólico coloca mais do que o “trem de pouso” do Boeing 737-700 da Gol no solo belo-horizontino, dá um empuxo à economia da capital, possibilitando que ela saia do marasmo.

Com a proposta de 150 operações pares por semana, o que significa 2 voos por hora, de segunda a sexta feira, 75 no total, a intenção da Infraero é movimentar Pampulha sem prejudicar Confins, reativando o destino e trazendo para a capital mineira algum alento para os que vivem dos negócios e dos eventos. Até por que a estatal é dona de 51% do Aeroporto Internacional, tendo a CCR-Consorciada da Flughafen Zurich AG, donas da BH Airport.

A cidade que estava sendo preterida por organizadores de eventos e empresários agora se conecta aos aeroportos centrais colocando gasolina em um carro parado por falta de combustível. Pampulha é dos 50 aeroportos administrados pela Infraero, o mais deficitário. A ação conecta também a Zonas da Mata mineira ao restante do país. Com efeito, através desta manobra, a Gol e a Infraero prestam dois serviços importantíssimos para MG.

A ginástica feita para tentar barrar a reabertura do Aeroporto da Pampulha para jatos de grande porte precisa entrar para os anais da história da capital. A BH Air Port, legitimamente “mexeu os pauzinhos”, usou a influência, tentou via TCU, foi ao Senado, mobilizou entidades, mas não conseguiu impedir a reativação da Pampulha. A Gol, de forma sagaz, conseguiu driblar a burocracia, provando seu refrão. Não é por acaso que seu lema é: “Gol, Linhas Aéreas Inteligentes”. Via Juiz de Fora, conecta BH ao aeroporto de Congonhas na capital Paulista.

Chamou a atenção no momento da aterrissagem, um helicóptero que fazia aproximação provocando ruídos possíveis de serem notados. Nem de longe a aterrissagem do Gol G3-2002 lembrou os estampidos das turbinas dos 737-200 os famosos sucatões da falecida Vasp que eram ouvidas no outro lado da cidade. Que este seja o primeiro de muitos passos para o sucesso da Pampulha, tendo BH como beneficiária maior, sem prejuízos para o Aeroporto Internacional que tanto nos orgulha. Viva a liberdade de escolha e o bom senso!

José Aparecido Ribeiro
Jornalista e blogueiro no portal uai.com.br
Articulista das Revistas: Exclusive, Mercado Comum e Minas em Cena
DRT-MG 17.076 – 31-99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

Publicidade

16 comentários em “Gol desce na Pampulha e conecta BH ao Brasil pelos aeroportos centrais.

  1. Só tem um porém, as passagens para o Juiz de Fora (aeroporto Zona da Mata) não estão disponíveis para compra. Ou seja, não estão conectando Juiz de Foram como mencionam na reportagem. Jogada da Gol.

  2. Realmente não sabia que a Gol conseguiu está liberação . O que se ouvia era que os moradores da região não queriam mais aviões no local . Fico feliz de saber da novidade. Confins como o próprio nome diz está nos Confins da região metropolitana. É um aeroporto que precisa de melhoria está muito longe de tudo e ainda muitos voos internacionais não saem daqui. E quando saem seus preços são exorbitantes comparados aos do Rio e SP . Porque será ? Saber que o aeroporto da Pampulha entra novamente em ação é realmente um ganho para a população de BH. Depois de ler o seu texto realmente enxerguei todos os detalhes . Um grande escritor consegue inserir seu leitor ao momento e ao lugar . Vc conseguiu provocar isso , parabéns . A vitória não é só dá Gol mas dá população !

  3. Quais melhorias são necessários ao aeroporto de Confins? Ele está entre os mais modernos do Brasil. Há um ano inauguraram um tremendo terminal. Quanto aos voos internacionais, ainda são poucos porque a maioria estão concentrados em SP e RJ porque aqui não havia infraestrutura decente para comportar voos que alimentassem os internacionais. Fez-se um planejamento em confins para tornar-lo um HUB e poder alimentar mais voos internacionais. Esse planejamento é a longo prazo, não será da noite para o dia que aparecerão voos. Mas é da noite por dia que aparece essa medida que pode desestruturá-lo. Com a abertura da Pampulha, aí sim não haverá mais voos internacionais em confins, já que haverá menos passageiros para conectar aos voos internacionais. Exemplo: Leste de MG envia muitas pessoas a EUA, Portugal e Espanha, então imagina alguém voando de Ipatinga descendo na Pampulha, pegando um ônibus e indo para Confins para voar aos EUA, não justifica. Nesse mesmo exemplo, o mais fácil seria voar Ipatinga-Confins-EUA. Ao levar os voos para Pampulha vão quebrar as conexões. Hoje há 3 voos diários de Buenos Aires – Confins. Muitos desses passageiros vão para o nordeste. Agora imagina nossos Hermanos descendo em Confins, pegando ônibus até Pampulha para voar a Salvador, Recife etc (porque o voo foi transferido para Pampulha), não se justifica.

    1. “Exemplo: Leste de MG envia muitas pessoas a EUA, Portugal e Espanha, então imagina alguém voando de Ipatinga descendo na Pampulha, pegando um ônibus e indo para Confins para voar aos EUA, não justifica”
      centenas de milhares de belo-horizontinos viajando TODOS os dias, fazendo ponte aérea, a trabalho, pegando o pau de arara da viação Unir, transito intenso, com alta probabilidade de te assaltarem nas paradas até Confins, e o cara só se preocupando com meia duzia de muambeiro / mês que vai pros EUA fazer compras….
      meu caro… você é só mais um que só olha para o próprio umbigo.

      1. Meu caro, a Pampulha sempre serviu e continuará servindo para atender voos domésticos de cidades do interior do estado. A demanda para várias delas era tão baixa que as empresas cancelaram os voos. O panorama não mudou após o voo da GOL . Se antes o passageiro do interior em conexão internacional tinha opção para voar diretamente para Confins, (Uberlândia, por exemplo), o voo continuará existindo. No caso de indisponibilidade, realmente ela continuará tendo que fazer a conexão. Então o que mudou?

  4. Claro que temos que ter outra opção já que este avião prova ser mais silencioso. A tecnologia avança o que nunca avança é a infraestrutura em ligar confins a BH por um transporte rápido assim como Salvador o fez em 2 anos levando o metrô até o aeroporto. Minas parou no tempo por politicagem e falta de boa vontade e inteligencia. Que possa vir as rotas. Pampulha -Guarulhos , Pampulha – Santos Dumont, Pampulha – Salvador, Pampulha – Brasilia , Pampulha Vitoria.

  5. Impressionante como o descumprimento a normas legais pode ser aplaudido por alguém. Esse é o grande problema do Brasil: as ilegalidades são simplesmente aceitas. A questão aqui não é se o aeroporto da Pampulha deve ou não ser utilizado para tal finalidade; a questão é que, por ora, existe uma proibição neste sentido e a GOL, em claro desrespeito as normas e em atitude totalmente ilegal, simulou uma conexão em Juiz de Fora, e voou de Congonha para Pampulha. Se nós queremos a reativação do aeroporto da Pampulha, que a façamos pelos caminhos corretos, mediante a obtenção da permissão legal para tanto. Jamais dessa forma! Compactuar com esta atitude da GOL é aceitar que a lei não tem validade nem eficácia, rompendo com o pacto social. Um absurdo só. O “jeitinho brasileiro” precisa acabar, ou jamais sairemos de onde estamos: tomados pela corrupção e a falta de ética.

  6. Bem vindos ao país da Lei de Gerson, o negócio é levar vantagem em tudo e que o mundo é dos espertos, entendeu??

    Isso só acontece em país vagabundo em que leis, normas e regulamentos são feitos deixando as brechas para os espertos….

  7. E qual está sendo a vantagem dese voo?

    Se a pessoa está na Savassi, não importa o horário em que sair, indo para PLU vai economizar uns 25 min em relação ao deslocamento até CNF.

    Só que o voo PLU-IZA-CGH leva 1:45, contra 55 min de um voo CNF-CGH.

    O sujeito vai economizar 25 min no deslocamento até o aeroporto e perder 50 min no tempo de voo.

    E ainda por cima pagar mais caro.

    Que lógica tem isso???

    Não à toa, apenas 35 passageiros embarcaram hj cedo com destino a IZA…

  8. É sério q por causa de 20 minutos a mais até CNF, vão fazer conexão de 1:50h em Juiz de Fora?
    É o q diz no site da GOL.

    E pare com essa de segurança. PLU nunca teve problemas de segurança. O problema de PLU sempre foi de infra pra atender com conforto as pessoas. Espere as águas de março, qd as pessoas terão q desembarcar de barco.

    No Brasil e especialmente BH, as coisas são feitas de modo porco, sem planejamento.

    O voo hoje está entre 300 e 700 reais, com uma conexão esdrúxula. Veio com 33 passageiros, voltou com 44. Isso não é suficiente pra manter uma rota dessas rentável, considerando q não há venda de passagens entre IZA e PLU e IZA e CGH.

    E continuamos com insegurança jurídica e principalmente técnica.
    Não use o argumento da segurança – esse nunca foi o problema de PLU.

    1. O voo de hoje das 7 horas saiu de Congonhas lotado.
      A chuva de ontem provocou queda de árvore na Cristiano Machado e interrompeu o trânsito. Quantos passageiros perderam seus voos no congestionamento? Ao que saiba Pampulha não foi afetada. As enchentes frequentes da Pampulha foram reduzidas sensivelmente pelas bacias de coleta de água de chuva.
      Se o fator SEGURANÇA ficou desmoralizado, o das enchentes logo ficará.

  9. Viva!!!
    Acontecimento que merece destaque e comemoração, pois Belo Horizonte só tem a ganhar!
    E acredito mais nisso, depois da prazerosa leitura do seu artigo, que apresenta um texto minucioso e de qualidade.
    Que venham outras operações que beneficiem a população/usuários e induzam o desenvolvimento da cidade!

  10. A rapidez e o deslocamento atualmente conta muito. O Aeroporto de Confins, até hoje não tem um acesso por um transporte tipo metrô e basta ter um acidente para ficar parado por um longo período na rodovia e até perder voo. O aeroporto da Pampulha é prático e chega-se ao centro de BH com muito maior rapidez. Esta opção deve ser válida mais não a única,. Os voos para a Pampulha incrementam a economia e o turismo da capital mineira e deve permanecer como um opção a mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*