O Anel Rodoviário do Kalil não é o mesmo que BH conhece.

Publicado em Sem categoria

Se o Anel Rodoviário do prefeito Kalil existisse, é muito provável que nele fossem instalados um monte de quebra-molas, sinais a cada 500 metros, detectores de avanço armados para pegar os menos avisados e ao invés de uma via expressa, como ele é de fato, a única via sem interrupção de tráfego que a cidade possui, tornasse-ia uma avenida. Ele só não seria o que é de direito, uma rodovia federal.

A palavra fluidez não existe no dicionário do prefeito e nem tampouco da empresa que administra mal e precariamente o trânsito da capital, cuja porta é o exemplo da sua inoperância, logo ali no bairro Buritis. Quem não conhece Kalil diria que sua atitude ao propor o fechamento do Anel Rodoviário para o trânsito de caminhões é irresponsável.

Nós que já o conhecemos, sabemos que trata-se de mais uma “fanfarronice”, mera estratégia de marketing para deixá-lo bem com a “massa” que o elegeu. Para agravar e empoderá-lo, se achando, ele joga a bola para a imprensa, que mata no peito e faz exatamente o que ele planejou, dando visibilidade às suas bizarrices.

Quando convoca a mídia o prefeito já sabe o que o povo vai dizer: Neste caso em “unis-som” todos dizem, “o prefeito está fazendo a parte dele”… Isso é o que pensa os menos avisados. Kalil adora falar o que o povo gosta de ouvir, mesmo que ele não possa cumprir o que promete. Prometeu abrir a tal caixa preta da BHTRANS, ainda que ela não exista, e o povo foi ao delírio. Se de fato existisse, ele entregou a chave para o seu dono. Isso ninguém questiona.

Agora promete fechar o Anel Rodoviário da capital de Minas Gerais para caminhões, e a massa entra em êxtase, sem saber que ele não vai fazer o que prometeu por razões objetivas: A Via tem jurisdição do DNIT que é um órgão federal e que jamais fará tamanha bobagem ferindo o direito de ir e vir ou mesmo comprometendo a logística de carga não só de Minas, mas do Brasil inteiro. A intenção é boa prefeito, mas a medida precisa ser melhor debatida com quem de direito.

Imagine a cidade de Belo Horizonte fechada para a passagem de caminhões. Esquece o prefeito que o abastecimento de milhares de outras cidades e mesmo de BH dependem das quatro rodovias que atravessam a capital, e não do seu humor ou das suas fanfarras. Chega a ser cômico, se não fosse trágica a declaração. BH está geograficamente em local estratégico e é ponto de confluência de quatro grandes rodovias federais, cujo entroncamento se dá dentro da cidade: BR 040, BR 381, BR 356 e BR 262.

Quisesse mesmo o prefeito fazer menos marketing e resolver o problema, deixaria de brigar com o DNIT, trataria de se desculpar pela última bobagem que fez ao acionar a justiça contra o superintendente do órgão, inutilmente e juntos de mãos dadas, fariam uma visita ao Presidente Temer, que esqueceu onde fica Belo Horizonte. Ele e a bancada federal de Minas em Brasília. São eles os donos do cofre. O lenga-lenga não é falta de projetos, mas de dinheiro.

A fanfarronice do Prefeito só tem atrasado ainda mais as soluções para o Anel. Poucos sabem que ao invés de cuidar das três intervenções urgentes que já estão com projetos prontos e recursos, que eliminariam os gargalos que causam engarrafamentos e por consequência acidentes graves nas proximidades do bairro Betânia, o superintendente do DNIT está cuidando de se defender das acusações do Prefeito junto a Justiça Federal. Processo que não dará em nada, mas que significa perda tempo precioso que ele não tem. “Sua majestade”, o prefeito precisa cuidar do trânsito de BH, antes que a cidade entre em colapso, o resto são firulas e alegorias para agradar seus torcedores apaixonados.

José Aparecido Ribeiro
Jornalista – Consultor em Assuntos Urbanos
Presidente da ONG SOS Mobilidade Urbana
DRT – MG 17.076 – 31-99953-7945
jaribeirobh@gmail.com – Blogueiro no portal uai.com.br

27 comentários para “O Anel Rodoviário do Kalil não é o mesmo que BH conhece.

    1. Encantador de frangas ..kkkkkkkkk Ótimo comentário. O povo merece.Cruzeirenses em boa parte se abstiveram na eleição porque o segundo turno teve um ex-goleiro e um ex-presidente do time rival.A torcida do segundo time de Minas votou em peso nesse prefeito bizarro.Ou seja,pensaram em futebol e vamos todos levar ferro com isso.Pobre BH.

  1. Um absurdo, totalmente fora de contexto!Sobre um comentário anterior: O problema é que quem não votou no Kalil, como é o meu caso, também precisa suportar os desvarios e promessas vazias desse senhor!!!

  2. BH não poderia ter dado a administração da cidade para um sujeito cuja mediocridade não o habilitaria nem pra prefeito de uma arraial. Não sei se para atender ao lobby das empresas de ônibus e/ou por seus horizontes estreitos, já assumiu a prefeitura dizendo que BH não precisa de metrô, e sim de mais ônibus. Ou seja mais engarrafamento, mais trabalhador transportado como gado.

  3. Realmente nao tem soluçao para essa bagunça,cometarios voltados a questoes de futebol ,Aecio é cruzeirense e *Senador, e nao fez e nao fara nada <barulho por barulho ,pelo menos atençao chama ,vai que cola!

  4. O jornalista José Aparecido Ribeiro esclareceu bem o assunto. O jornal Estado de Minas deveria contratá-lo para relatar o “imbróglio” criado pelo prefeito populista. Bh tem de tudo: rua que na descida, o carro sobe(Amendoim); planta que anda(Inhotim); cai cai do Espírito Santo(Lagoinha) e agora o prefeito propor de proibir caminhões de trafegarem em rodovia federal(Anel)! O prefeito deveria levar um choque de Espírito Santo lá pelos cantos da Lagoinha para ver se cura das suas constantes elucubrações!

  5. Gosto de ler seu blog. Porém hoje, você foi muito infeliz, ao misturar futebol, com os problemas da cidade. Ao fazer referência a “massa”(“massa” que o elegeu), você quer dizer que os Atleticanos, são responsáveis pelos “erros” do prefeito., pois o elegeram. Acredito que o prefeito teve votos de cruzeirenses e americanos e daqueles que não têm time, ou camisa. Assim como seu concorrente, nas eleições, também os teve votos de todos os times. Sua inteligência, vai muito além disso meu caro.

  6. O jornalista que escreveu esse artigo me parece estar com uma tremenda dor de CORNO por não ter sido convidado a participar da administração municipal, isso me parece recalque. Falou muita merda e não apresentou nenhuma sugestão. Certo ou errado o Calil tomou ou esta tomando uma atitude, coisa que nenhum politico anterior teve a coragem de fazer.

  7. Meu caro blogueiro , qual o seu objetivo? Atacar o Prefeito? Sinceramente, que povo chato! Se o prefeito se movimenta para fazer algo, está errado. Se não faz nada, também está. Entendo perfeitamente que o Anel está sob jurisdição do DNIT, mas, é óbvio, que o assunto é de interesse da Prefeitura e da sociedade belo horizontina. Afinal de contas, é uma rodovia que corta a cidade e que mata milhares de motoristas, passageiros e pedestres anualmente.
    Lembro ao blogueiro que o DNIT já aplicou restrições ao trânsito de carga pesada em algumas oportunidades. Cito duas, a circulação na BR-356, próximo à Avenida Nossa Senhora do Carmo, e do trânsito de veículos acima de 57 toneladas na BR-381, no período noturno. A cidade de São Paulo, por exemplo, também restringe o trânsito na região central – por óbvio, a situação é de resolução mais simples já que possui o Rodoanel.
    O fato é que a alternativa, que considera a realização de obras, é de difícil realização, dado o momento que o país está vivendo. Por outro lado, as mortes continuam…Portanto, toda solução que não representa o aumento de custos diretos deve ser devidamente discutida

  8. O prefeito é um caipirão no modo de falar, no comportamento e em suas idéias. Foi um excelente dirigente do Galo, sem a menor dúvida. Talvez ali seja o seu limite em ser competente. É populista demais. A torcida do Atlético clama a sua volta. Mas para dirigente público está muito mais para um Lula de centro do que um grande administrador público. É populista demais, gosta de cair nos braços do povo como se a população de BH fosse a torcida do Galo em dia de vitória. A idéia dele de reativar o aeroporto da Pampulha para aviões de grande porte é outra idéia pequena e completamente fora de propósito, apesar desse blogueiro ser a favor e fazer coro junto do Kalil. Se dependesse de Kalil, BH voltaria a ser uma grande fazenda.

  9. Além de que a prefeitura de BH, juridicamente não poder impedir a passagem de caminhões nesta via, mesmo se pudesse, onde passaria toda a carga por ali transportada. Como BH seria abastecida? De para quedas, helicópteros ou ainda aquelas catapultas utilizadas nas guerras antigas para lançar pesadas pedras? Ele já pensou que o frete ficaria mais caro em razão das distancias maiores que os caminhões seriam obrigados a percorrer, inflacionando principalmente os alimentos? Alguns entusiastas do Kalil, vão falar que temos o trem. Já perguntaram as empresas concessionárias de transporte ferroviário se temos estrutura hoje para substituição do transporte rodoviário? Acordem, voltem a realidade, porque o Kalil tá viajando na maionese ha muito tempo, desde que saiu do Galo.

  10. Concordo com o texto. Indiferente de futebol, o que no caso do prefeito é impossível separar porque ele mesmo (o prefeito) perde o controle, fala asneira, cospe,espuma, e não resolve nada. Esse papo de Anel , não vai dar em nada, so alguns menos informados acham engraçado o jeito do ator de circo falar. Enquanto isso….dentro da área da Av. Contorno… Milhares de vagabundos fantasiado de mendigos cosntroem suas torres de papelão em portas de lojas, casas, supermercados , bancos. Onde esta o prefeito que nem comenta o caso, finge que não vê, mas acho que le não esta é nem se importando porque na casa dele não tem nada disso. Os passeios são limpos, com grama, sem ninguém deitado fedido debaixo . Realmente os olhos so enxergam o que querem ver… O Centro de BH tem mais de 4000 vagabundos de rua.. Somente 4000 no hipercentro..Pouco demais não acham? E o tal prefeito preocupado com futebol .. BH tem o que merece!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*