Giro d’Italia… Sim, Giro d’Italia…

Publicado em Sem categoria

*** Antes do post propriamente dito, só um lembrete para quem ainda não viu. Cá embaixo, no de sábado, estão as imagens da experiência deste que vos escreve no Rali de Sete Lagoas, até que um barranco enlameado segurou o carro e deu fim à brincadeira antes da hora…

O leitor pode estranhar, mas o blog não começou repentinamente a falar de ciclismo. Ocorre que, na terra da bota, existe um Giro d’Italia automobilístico que começou no primeiro ano do século passado (sim, 1901) e, entre inúmeras interrupções, idas e vindas, está de volta ao calendário. E a edição de 2011 começa nesta quarta-feira, em Turim, de onde os competidores largam rumo a Roma.

O evento não tem nada de comum. Para começar, mistura provas cronometradas em estrada aberta (como no rali, o que exige a presença de um navegador), deslocamentos, provas em circuito, e que circuitos – Monza, Franciacorta, em Brescia, Imola e Vallelunga – além de classificatórias individuais dentro das pistas. Nos tempos de glória, sobrenomes como Patrese, Biasion, Nannini, Alboreto, Giacomelli, Merzario, sem contar os estrangeiros, eram coisa comum. E um detalhe, normalmente cada carro é conduzido por um trio: um piloto vindo do rali, o navegador e o piloto de pista. Tem quem acumule as funções, caso de Alex Caffi, que acelerou no circo com Osella, Scuderia Italia e Footwork, entre outras. Desta vez, comandará uma Porsche 911 RS GT2.

A edição do renascimento, como vem sendo conhecida, se estende por cinco dias e 1.600 quilômetros, uma referência à Mille Miglia (Mil Milhas). E como o regulamento é aberto a qualquer modelo de rali, turismo ou GT, temos, desde os Fiat 500 e Kia Venga (movido a GLP) às Ferraris 430, passando por Lamborghini Gallardo, BMW M3, Porsches 911 e Cayman. Pelo caminho, Modena (como não podia deixar de ser), Florença, Arezzo e Perugia, até a cidade eterna. A grande estrela é o superesportivo Montecarlo, fabricado em escala mínima no início da década de 2000, e que reaparece com nova mecânica e também movido a gás liquefeito de petróleo. Taí um esboço do bicho, mais informações eu conto durante a semana neste batcanal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *