Juízo, senhores cartolas!

Publicado em Sem categoria

Há algum tempo abordei neste espaço a falta de criatividade dos dirigentes brasileiros. Com a conquista do título brasileiro pelo Palmeiras, decidi voltar ao tema porque nada parece ter mudado. A memória parece ser curta e as situações se repetem, inclusive com espaços de tempo cada vez menores.

O alviverde paulista se aproveita de parceria milionária com grupo empresarial que parece não ter limites para investir no clube. Além de estampar marcas no uniforme e placas no estádio e no centro de treinamentos, o parceiro também contrata jogadores e os cede ao clube.

Até aí, tudo bem. O problema é o clube não se aproveitar disso para se tornar realmente independente financeiramente. O estádio, reformado por uma empresa que tem preferência na utilização, renderá bons frutos. Mas os gastos com futebol são enormes e não parece haver garantia de que o clube poderia bancá-los caso perca do “mecenas”. Aí, poderia voltar a sofrer para montar times.

O exemplo mais recente disso é o Fluminense. Campeão brasileiro em 2012, quando tinha como parceiro uma empresa de planos de saúde, o clube fez a última boa campanha no Nacional dois anos depois. Com a saída do principal financiador em dezembro de 2014, amarga brigas contra o rebaixamento desde então – este ano escapou na última rodada, graças à vitória sofrida contra o América, no Maracanã.

O próprio Palmeiras já havia passado por isso nos anos 1990. Bicampeão brasileiro em 1993/94, campeão da Copa Libertadores em 1999, da Copa Mercosul em 1998, da Copa do Brasil no mesmo ano e três vezes campeão paulista (1993/94 e 96), foi rebaixado para a Série B do Brasileiro em 2002, menos de dois anos depois de a parceria com uma empresa italiana de laticínios ter sido encerrada.

Os clubes precisam saber aproveitar melhor as épocas de “vagas gordas”, como dizem no interior de Minas. Não dá para viver como se não houvesse amanhã, gastando o que se tem e o que os outros têm.

E também é preciso planejar mais. Não dá para um time ser campeão em um ano e ficar no 13º lugar no Brasileiro no seguinte, como é a realidade atual do Corinthians. Se precisa se desfazer dos principais jogadores para honrar compromissos, que seja competente para fazer a reposição de peças.

Um comentário para “Juízo, senhores cartolas!

  1. Poxa,tiro o meu chapéu para o seu texto.Numa parceria irreal como as do Flu e Palmeiras,realmente os títulos ficam,mas quando acaba, a realidade bate na porta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *